Trilhos Serranos

Está em... Início Crónicas

DELFIM FERREIRA DA SILVA

Agradável surpresa. Em 2018 desloquei-me à aldeia da Moita, concelho de Castro Daire, a casa do senhor Delfim Ferreira da Silva. Tínhamos falado pessoalmente na vila, a propósito de PATRIMÓNIO histórico e divagado sobre poesia. E disse-me que possuía em sua casa muito material recolhido relacionado com a vida do seu tempo, do tempo dos seus pais e avós dos nossos avós.

O PARQUE QUE DEIXOU DE SÊ-LO

Já escrevi vários APONTAMENTOS sobre esta ÁGORA democrática que dá pelo nome de FACEBOOK. E batizei esses meus APONTAMENTOS  com o título “O FACEBOOK É UMA LIÇÃO”, parafraseando a velha canção coimbrã, por tudo quanto nele se deposita e nos permite apreender e conhecer os interesses do ser humano.

CIVISMO

Creio não haver pessoa minimamente culta e bem informada e/ou formada  que ignore a letra e a música do poeta/cantor, cujo  nome dispensa apresentação.

 E vem isto a propósito do texto que alojei há dias no meu mural do Facebook, repescado do meu site TRILHOS SERRANOS onde o publiquei em 2018. Falava, entre outras coisas, da PESTE que, em 1680 assolou a região de Castro Verde e levou os autarcas a tomar medidas no sentido de evitar o contágio entre as pessoas. Assim:  

CAGADA E CAÇADA MATINAIS

Como professor que fui de História e de Português (...) sempre preocupado em ligar a História e a Literatura à vida, numa das turmas que que tive, selecionei, propositadamente, para leitura o conto de Sophia de Mello Breyner Andresen que tem por título «O Búzio». E qual a razão desta minha escolha? É que no meio onde a escola estava inserida havia um pedinte andarilho por aldeias, feiras, mercados e romarias, conhecido pela maioria dos alunos, que fazia lembrar o protagonista do conto de Sofia. Bem conhecido que era, sugeri que escrevêssemos também, coletivamente, um conto sobre esse pedinte, onde destacássemos o seu retrato físico e moral. E fizemos.

Vindo a lembrar este caso muitos anos depois, coloquei um texto no meu site a lembrar essa minha pedagogia  e foi aquele que, até hoje,  mais leituras teve, cerca de 18.000 mil. 

E vem isto a propósito de uma “estória” que me contaram nos tempos que passei nas terras alentejanas. “Estória” essa a que só muito mais tarde vim a emprestar alguma credibilidade. Assim:

A PNEUMÓNICA EM 1918

Fracassada a restauração da MONARQUIA DO NORTE levada a cabo por Paiva Couceiro, o jornal “Echos do Paiva”, que, em 1915, tinha substituído  “A União”, ambos defensores dos ideais monárquicos, deixou de ser editado e, por isso, a partir de 1919, o concelho de Castro Daire passou a dispor somente da informação local que lhe prestava “O Castrense”, que, como já disse na crónica anterior, não iria além de 1932.

A PNEUMÓNICA DE 1918

Já lá vão ONZE crónicas a falar do mesmo. Esta é a número 12. Desta vez, sem grandes considerações,  vou ficar-me por aquilo que os jornais «Echos do Paiva» e «O Castrense» (ambos publicados em Castro Daire em 1918) , nos informam sobre a «DOENÇA HESPANHOLA», primeiramente assim designada só e depois a «PNEUMÓNICA».

CAMINHOS ANDADOS

Milhares de quilómetros separam os progenitores dos filhos. Os primeiros a viverem longe do mar, na aldeia de Cujó, os segundos a respirarem a maresia do Índico, na cidade de Lourenço Marques. Os quilómetros de distância e os anos de ausência não diluíram os elos de afectos entre uns e outros. Passavam os anos, aumentava a saudade e era o tempo que a comunicação só se fazia por cartas. Os telemóveis e a parafernália de equipamentos que facilitassem a aproximação das gentes por vídeo-conferências e quejandos,  nem vistas, nem sonhadas. Eram milagres do porvir.

ENCONTROS INESPERADOS

Já contei aqui o meu inesperado encontro com o nosso conterrâneo, Adérito Duarte, numa sala de aula no Externato Marques Agostinho, em Lourenço Marques e aludi à minha surpreendente surpresa. Ele professor e eu aluno.

Mas outro encontro inesperado me esperava, lá, nessas terras distantes. E nem imaginam a reação emotiva que, tão longe da nossa terra, significam encontros desses. É como se fossemos todos da mesma família.

ELEIÇÕES

No dia 03/11/2020 postei no mural do meu Facebook a versalhada que se segue ilustrada com um daqueles canários de barrete, tipo rufia de bairro ou líder de gang. Assim

«POÇO DOS MOLGOS»

No meu livro “Implantação da República em Castro Daire - I” escrevi o texto que se segue com o título que achei adequado ao momento político nacional e os movimentos dos REPUBLICANOS (nacionais e locais) reagindo ao “28  DE MAIO DE 1926” que instaurou a DITADURA em Portugal. As fotos ilustrativas foram acrescentadas agora, porque só neste ano de 2020 me foi possível chegar e estudar esse troço de rio . Assim:

ALCUNHAS

Por este Portugal fora, todas as aldeias, vilas e cidades tinham a sua alcunha. Eram epítetos usados pelos naturais de uma povoação quando eles queiram ofender ou melindrar os da outra. Em tempos remotos eram um autêntico pendão de identidade colectiva pendurado na ponta de um varapau.

GENTE NOSSA

Não sou pessoa de me deixar arrastar pela enxurrada de circunstância v.g distribuir louvores e méritos a este ou aquele cidadão, só porque outros, com justiça ou sem ela, por amizade, compadrio político ou clientelar o fazem, neste nosso mundo onde, entre tanta gente séria, reina a hipocrisia social.

HERÓIS DA SERRA

Neste mês de setembro passei parte dos serões a ver cowboys e a apreciar as suas relações afetivas com o gado, vacas e cavalos à sua guarda, ou ao seu serviço. E, em cada coboiada na conquista do oeste, nariz virado ao futuro desconhecido, eu vi uma aventura de cada ser humano na conquista de um lugar ao sol, de algo que fosse seu, um pedaço de chão resguardado dos quatro ventos, com cobertura adequada para o desvio  das chuvas e as neves.

ENCONTROS E DESENCONTROS NAS ENCRUZILHADAS DE VIDA

Estaríamos nos anos 50 do século XX e eu rondaria os 10 anos de idade. Eram tempos do pós-guerra, de carência e racionamento em tudo quanto se comia e se gastava por este Portugal afora. Uns, para sobreviverem e outros para manterem o nível de vida que sempre tiveram.

Então, como hoje, a crise nunca é igual para todos e, nessas circunstâncias, regressando eu com o gado Touça fora, vindo dos lados do Rio Mau, encontrei pouco antes do Santo António, sentados e encostados a uns penedos, vários caçadores vindos da zona do Porto a desfazerem o seu farnel.

Há quem, pelo nosso concelho, procure protagonismo político, social e, até, no campo da HISTÓRIA, das LETRAS e JORNALISMO busque as luzes da ribalta e encha a boca com as potencialidades TURÍSTICAS da serra do MONTEMURO e do rio PAIVA. Este rio, como é notório e público, tem andado, ultimamente, pelas “águas da amargura”. 

Os meus filhos e netos, que me fizeram uma visita recente (registo que deixei em vídeo) quiseram banhar-se neste rio, junto à PONTE DE CABAÇOS, um troço de rio que, normalmente, frequentamos e também já pus no mundo, em vídeo. Que não. Disse-lhes eu. Para bem da saúde, por enquanto, são águas a evitar.

MOINHO DA PONTE, EM CUJÓ


Voltando ao vídeo do meu amigo ANTÓNIO PEREIRINHA DOS SANTOS, relativo ao MOINHO DA PONTE, aquele que achei por bem publicar no MEU CANAL DO YOUTUBE e classifiquei de “HISTÓRICO, TÉCNICO E PEDAGÓGICO”, é com muito gosto que a ele retorno para lembrar algumas coisas muito simples que dele decorrem.

ENTRE AMIGOS

Neste “mare magnum” da comunicação que irriga o mundo, mar vagabundo, sem treino de surfista, obrigado sou, por dever de cidadania e de ofício, a equilibrar-me, ora na crista das ondas analógicas, ora na crista das ondas digitais, às vezes com os pés somente na espuma dos dias.

IMPULSOS DE AMIZADE

No dia 08-06-2020 alojei no Youtube um vídeo, feito em 1992, que me tinha sido cedido em 2010, há dez anos, portanto, pelo meu amigo Rui Peixoto. Um senhor natural de Azeitão que, com esposa e filhos frequentavam, anualmente, e durante 30 anos as Termas do Carvalhal.

Pragmático, reconhecida a composição química destas nossas águas termais e a necessidade de delas fazer uso, comprou uma casa na aldeia do  CARVALHAL e, com a família, para cá se mudava, com armas e bagagens, todos os anos, em tempo de férias.

PATRIMÓNIO

Há muito, muito tempo, eu comprei a Oliva. Na sua aquisição apliquei o primeiro dinheiro que recebi do meu trabalho intelectual. Bem ou mal, era o fruto do sentimento, da sensibilidade e pensamento ditados pela idade. Foi nos tempos longínquos da mocidade.

A VERDADE E A MENTIRA

Não, não e não!

 Um HISTORIADOR não deturpa a HISTÓRIA, nem confunde FACTOS REAIS de trabalho, a forma de ganhar a vida dos PASTORES DA SERRA DA ESTRELA, com RECREAÇÕES FOLCLÓRICAS LOCAIS de ENTRETENIMENTO e de CONVENIÊNCIA, a coberto dos nossos “usos e costumes”. 

ARQUEOLOGIA  INDUSTRIAL

Nunca fui um professor acomodado aos conteúdos compendiados, destinados ao ensino da HISTÓRIA e da LINGUA PÁTRIA. Por isso, nunca me cansei de investigar, de fazer trabalho de campo, ver coisas e falar com pessoas nos territórias da minha “comunidade educativa”. Exerci, a bem dizer, pedagogia dentro e fora da escola, bem ao contrário, e até contra o gosto, de certos colegas meus, atitude que bem demonstraram estando ausentes, aquando da APRESENTAÇAO do livro que resultou do “projecto de investigação aplicada” levado a cabo durante a minha “licença sabática”.

EDUCAÇÃO EM CASTRO DAIRE

 Pelos nossos olhos perpassam os nomes os professores e dos alunos, grau de estudo e de classificações, que ilustram bem esses tempos idos no que respeita à matéria em apreço. E, nestes tempos que vivemos, especializados em manejar os polegares sobre o ecrã dos telemóveis, não faltará quem encontre aqui a identificação dos seus avós e avós dos seus avós. Talvez gostem de saber..

DISPUTA SOBRE A ESCOLA EM ALVA E SOUTO

Dos muitos dados de pesquisa que permanecem inéditos no meu «DISCO RÍGICO» recolhidos durante as longas noites de leitura que fiz na IMPRTENSA LOCAL, resolvi publicar os que se seguem referentes ao ENSINO concelhio, nos anos de 1916 e 1917.

 Deixo as «fontes» consultadas entre parêntese, para que todo e qualquer cidadão possa certificar-se do rigor da transcrição, com a advertência de ter usado a ortografia do NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO:

DISPUTA SOBRE A ESCOLA EM ALVA E SOUTO

Dos muitos dados de pesquisa que permanecem inéditos no meu «DISCO RÍGICO» recolhidos durante as longas noites de leitura que fiz na IMPRTENSA LOCAL, resolvi publicar os que se seguem referentes ao ENSINO concelhio, nos anos de 1916 e 1917.

 Deixo as «fontes» consultadas entre parêntese, para que todo e qualquer cidadão possa certificar-se do rigor da transcrição, com a advertência de ter usado a ortografia do NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO:

APRENDIZAGEM

Com 81 anos de idade, eu posso dizer que passei muitos deles a APRENDER e outros a ENSINAR e APRENDER simultaneamente.

E como professor, não raro fui surpreendido com certas “tiradas” de alguns dos meus alunos, capazes de me fazerem reformular a pergunta sobre a matéria programada, ou mesmo mudar o plano de aula e seguir pelo caminho sugerido e mais conveniente ao bom aproveitamento da aula.

ERMIDA DO PAIVA

Creio ser corrente, hoje em dia, o uso dos NÚMEROS para, através deles, sejam produto de sondagens científicas, sejam simples recolha de opiniões, tomarmos conhecimento (bem ou mal)  da realidade política, económica, sociológica, cultural, etecetra, coisa e tal.

Foi na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa que fui iniciado na “MATEMATIZAÇÃO DO REAL”, conhecimento que devo ao PROFESSOR JOAQUIM BARRADAS DE CARVALHO, o mesmo que, na cadeira que regia, a fim de melhor se entender a caminhada humana na sua trajetória histórica, sublinhava, vezes sem conta, a HISTÓRIA DAS MANTALIDADES e a NOVA UTENSILAGEM MENTAL advinda da difusão do ALGARISMO. A si se deve o artigo com esta entrada no DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE PORTUGAL.

PROFESSOR É PROFESSOR

Dois dias depois de eu ter feito 81 anos de idade, caiu-me na minha caixa do correio eletrónico um texto remetido por um SENHOR que tive a honra e o orgulho de ter como PROFESSOR de LATIM, de PORTUGUÊS GRAMATICAL e de LITERATURA PORTUGUESA. Vivo, e de boa saúde, dá pelo nome de FRANCISCO CRISTÓVÃO RICARDO e não tenho o desplante de lhe perguntar a sua idade.

ALEGAÇÕES FINAIS

Neste ano de 2020 chegou-me um vídeo feito em 2001, cujo conteúdo se reporta à cerimónia de lançamento do meu livro “MOSTEIRO DA ERMIDA”, que teve lugar no «CENTRO MUNICIPAL DE CULTURA», em CASTRO DAIRE, promovida pelo Dr. Arménio de Vasconcelos.

 EU,  O FACEBOOK E O «WI-FI» MUNICIPAL

Já perdi a conta os apontamentos deixados no espaço «FACEBOOK» com o título supra. Mas, a propósito do último que ali alojei, aludindo à falta de «REDE WI-FI» no JARDIM PÚBLICO de CASTRO DAIRE, abaixo transcrito na íntegra com os comentários que recebeu (isto para nenhum deles se eclipsar, entretanto) fui rebuscar o naco de um desses textos para INTRODUÇÃO desse «ALFOBRE» de opiniões. Algumas delas, claramente inoportunas e sem qualquer sentido. 

Resolvi reparti-lo  em segmentos,  uma forma didática de ele vir a ser bem lido e compreendido, já que, por vezes constacto haver pessoas que, seja por magra LITERACIA, seja por gorda PROVOCAÇÃO, dão mostras cabais de não saberem ler o que digo e escrevo.

A PRIMEIRA PARTE, será constituida pelo texto que publiquei, HÁ ANOS, uma reflexão sobre as funções do FACEBOOK, como espaço DEMOCRÁTICO onde se projetam as felizes ALMAS (ou ALMAS PENADAS) que nele deixam as suas realizações, angústias e frustrações.

A SEGUNDA PARTE, inclui o texto que escrevi e publiquei nesse espaço aludindo à “FALTA DA REDE WI-FI” no JARDIM PÚBLICO de Castro Daire, aos fins de semana e feriados, sobre o qual anexo o link de um vídeo feito em junho de 2019 e só neste ano de 2020 ascender ao Youtube, por força da IGNORÂNCIA revelada por um crítico ou dois sobre O USUFRUTO deste bem de PRIMEIRA  NECESSIDADE, nos tempos que correm. 

A TERCEIRA PARTE, foi reservada aos esclarecidos e/ou obtusos COMENTÁRIOS que esse meu texto recebeu, vindos de quem o leu, alguns deles eivados, claramente de cariz ideológico, numa espécie de “defensores do convento”. Os subscritores lá saberão porquê. Eu dei os esclarecimentos devidos e o leitor deste meu texto, ajuizará das intenções e clareza que cada COMENTÁRIO comporta.

A QUARTA PARTE serve para mostrar, através de fotos e gravuras, a razão de eu ter comparado CASTRO DAIRE a CASTRO VERDE no que toca ao uso urbano da INTERNET disponibilizado pelos EXECUTIVOS MUNICIPAIS e com isso mostrar quantos anos aquele concelho, onde trabalhei alguns anos, leva de avanço ao meu concelho de origem e, com isso rechaçar as incompreensíveis observações de PEDRO SOUSA no que respeita ao uso das NOVAS TECNOLOGIAS como base de INFORMAÇÃO, DESENVOLVIMENTO e CULTURA. Mas também aqui deixo aos leitores a liberdade do mais acertado juízo. Pelos GOSTOS apostos no fim do texto (com o polegar virado para cima e outros Imoges) deixados ali pelos demais leitores, parece que PEDRO SOUSA ficou isolado dos restantes, mais isso se verá somente no mural do FACEBOOK, já que essa referência se perdeu na transposição que fiz para este meu SITE. Questões de TECNOLOGIA e não de CENSURA minha. Assim: Eis, pois:

UMA MORTE ANUNCIADA

Há dias recebi, na minha caixa do correio analógico, um folheto azul que me deixou triste. Nele se faz eco público da má situação em que se encontra o “Notícias de Castro Daire”.Tenho acompanhado as dificuldades da imprensa regional, em geral  e quanto a PANDEMIA veio agravar a situação.  Como já me encontrava «desvinculado» desse órgão de comunicação local, aqui deixo as razões  da minha tristeza em correspondência trocada com o atual Diretor, Marco Lacerda, de quem sou amigo e cuja família muito estimo.

CONVENIENTES E INCONVENIENTES DO CORONAVÍRUS

Como cidadão que se preza de cumprir os seus deveres e obrigações, nomeadamente as tributárias, ponho em igual pé, que os meus direitos sejam respeitados, nesta minha cívica relação entre governantes e governados.

EMIGRANTE NACIONALIZADO

Há um bom par de anos, não sei se de barco ou de avião, numa altura em que a GLOBALIZAÇÃO, o TURISMO e o COMÉRCIO à escala mundial, não tinham ainda forjado os estreitos elos de ligação entre povos e nações, a deslocação fácil de pessoas e produtos; tempo de ver e conhecer monumentos e culturas diferentes; tempo de apreciar e saborear o que de exótico e diferente existe no mundo; tempo que as grandes superfícies comerciais, essas catedrais do CONSUMISMO, eram coisas do porvir, chegou a Portugal um EMIGRANTE, cuja identidade estava estampada no seu passaporte. Nele se mostrava o seu nome, o seu rosto e o próprio e país de origem.

RAMBO PORTUGUÊS

Hoje, à hora do almoço, um canal de televisão exibia um filme de guerra americano, um daqueles a que já estamos habituados: caras farruscas, tiros, pancadaria, mortos, feridos, etc. etc.

EX-ALUNA MINHA, COLEGA MINHA É.

É sempre gratificante para mim ser contatado por ex-alunas/os que, há muitos anos, se cruzaram comigo nas suas carreiras estudantis. Todos eles e elas. Cada qual, crescendo e andando, trilhou caminhos diferentes dos meus, fizeram-se à vida, e, em diferentes terras, agarraram o ganha-pão das suas preferências naturais, ou aquele que social e economicamente lhes foi possível por forma a viverem honradamente, dignificando a família ascendente, descendente e colateral.

 Abílio Pereira de Carvalho

18 de abril de 2017 · 

A RTP1 transmitiu ontem, dia 17 de abril, com início às 22 horas e términos cerca da 1 da manhã, o longo documentário HUMANOS. Muito longo, dirão alguns! E eu, que, levado pelo impulso humano, me ferrei a vê-lo e a gravá-lo na box, pergunto-me como podia ele ser mais curto se, em tão pouco tempo, a equipa de realização meteu quase o MUNDO INTEIRO? É isso. O mundo físico, humano, racional, emocional, "sapiens", "demens" e "degradandis".

PANDEMIA

ESPIGOS DA MINHA HORTA

Numa das minhas crónicas anteriores, acerca do imprevisto tempo histórico que atravessamos, este mundo industrial, comercial e rodoviário parados, nós em casa enclausurados, usei a expressão “RESPIGOS DA MINHA SEARA”. E nesta, alternei, como se vê, para “ESPIGOS DA MINHA HORTA”.

PANDEMIA (9)

Em “setenta” fiz uma ode à CIÊNCIA. E neste tempo de clausura (século XXI) que ninguém aguenta em consciência por ser anti natura, num só instante volto ao passado distante para cantá-la novamente.

Eu era ainda estudante e glorificava a fulgurante viagem à Lua e o conhecimento do universo. E digo, então, em prosa e verso, numa linguagem crua:

ASSEMBLEIA MUNICIPAL - 1998

1 - QUANDO O «CU» TEM POUCO A VER COM AS «CALÇAS»

Tanto quanto me é dado saber a Assembleia Municipal reuniu no dia 25 de Novembro p.p., não por iniciativa própria, não para discutir algo que lhe desse no goto, não para deliberar se a serra do Montemuro devia ser arrasada a fim dos ventos do litoral penetrarem mais facilmente no interior e, por essa via, se esbaterem as assimetrias regionais. Não. Não foi assim. Ela reuniu para dar cumprimento ao que lhe foi solicitado oficialmente, nomeadamente, participar nas iniciativas legislativas que correm na Assembleia da República sobre a regionalização.

PROFESSOR  JORGE TELES

Conhecemo-nos há muito tempo. Eu militante do PARTIDO SOCIALISTA  (então, membro da Comissão Política Concelhia) e ele nas lides do PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA.

PANDEMIA

Retomo o tema da “PANDEMIA” e o que gira em torno dela. E aproveito para ilustrar o meu trabalho com mais alguns RESPIGOS DA MINHA SEARA, vindos a propósito.





Abílio Pereira de Carvalho

O MEDO, O MEDRONHO, O MEDROSO E O MERDOSO

PANDEMIA

Mercê do trabalho de investigação que tenho vindo a fazer na área das CIENCIAS SOCIAIS,  cujos resultados tenho divulgado em livros, jornais e no meu site TRILHOS SERRANOS (deixo de lado o MEU CANAL no Youtube, por agora) vem mesmo a propósito, neste tempo de «QUARENTENA»  trazer alguns “RESPIGOS DA MINHA SEARA”  com vista a fornecer aos meus amigos algo de entretenimento e ajudá-los a passar o  tempo de clausura e o isolamento que o CORONAVÍRUS impôs à generalidade de todo ser pensante e social.

PANDEMIA

Como sabeis, em dois mil e dezasseis, escrevi e publiquei, neste meu espaço online, um registo com título “A BOLA” e subtítulo “A LOUCURA”. Ali disse que “A Loucura é a Vida. É mal que não tem cura e, muito ou pouco, doente está quem não está louco”.

Neste ano de 2020, fui repescar algumas ideias desse apontamento que, a seu tempo, incorporo neste meu “MUNDO DOENTE (6)”, mais um, da série que venho publicando sobre essa outra “bolinha” que, não sendo lisa, antes pelo contrário, com ventosas manhosas, a morder toda a gente, mas mais pessoas idosos, desliza como aquela outra e “corre p’a diabo” de continente em continente, por todo o lado. Uma LOUCURA, até ver, sem cura.

TÂNIA AFONSO

Acerca do Facebook eu já disse tudo, ou quase tudo, nas reflexões que deixei neste meu site com o título “O FACEBOOK É UMA LIÇÃO”. Numeradas, perdi-lhes a conta, mas é fácil encontrá-las navegando neste oceano denominado «Trilhos Serranos». É só colocar o meu nome no Google e, num instante, quem tal fizer,  está no cais de embarque.

DAVIDE FERREIRA

A vida tem destas surpresas. Ontem, sintonizado num do CANAIS CABO, atento ao mundo e aos condicionalismos impostos pelo ESTADO DE EMERGÊNCIA decretado pelo Governo, direi melhor, imposto por um ser microscópico, que se tornou SENHOR DO MUNDOCORONAVÍRUS - sobre o qual já fiz CINCO crónicas alojadas no meu site “TRILHOS SERRANOS”, com porta aberta no FACEBOOK, ontem, dizia eu, fui surpreendido por um SENHOR a falar desempoeiradamente para a câmara do jornalista, nas funções de “RELAÇÕES PÚBLICAS DA GNR”. Militar da CORPORAÇÃO, patente de CAPITÃO, aquela cara dizia-me algo. Eu conhecia aquele SENHOR de algum lado. De há mito tempo, seguramente.

LANTERNA DE DIÓGENES

No meu vídeo alojado no Youtube, no dia, mês e ano - 25-03-2020 - com o título «FAREJA - TERRA E GENTE” (2)», feito na sequência de outros dois alguns dias antes sobre os “CASTANHEIROS CENTENÁRIOS” - o das “CHÃS” eo da “LEVADA” - passeando-me nos diversos caminhos que se cruzam no espaço sito entre Vila Pouca, Braços, Castro Daire e Fareja, um autêntico pulmão verde sobre o qual já fiz também vários vídeos ilustrativos disso mesmo, via neles a rede viária entre todas estas povoações nomeadas, em tempos idos, tal como em idos tempos palmilhei, durante anos, na companhia da minha esposa, em tempo de lazer.

ROMPE E RASGA...SIGA A RUSGA

Os amigos (aqueles que o são) far-me-ão a justiça de não acusarem de “alarmistas” ou de esconderem interesses ocultos os textos que tenho vindo a elaborar sobre os maus tempos que atravessamos e nos conduziram ao estado de clausura, fechados nas nossas casas, por ora convertidas nos velhos castelos medievais sitiados, munidos de besteiros e arqueiros a espreitarem pelas seteiras prontos a suster o inimigo que, em torno deles, assentou arraiais. Ou então, como nos velhos mosteiros rurais, refúgio seguro das populações, onde enfrentavam o inimigo, com preces e orações.

CORONAVÍRUS

Nas abordagens que tenho feito sobre a PANDEMIA do momento, quer em texto escrito, quer em vídeo, nada disse ou mostrei por acaso. E a aceitação que os meus trabalhos tiveram junto de alguns amigos, foi um teste ao estado de lucidez em que ainda estou e, portanto um incentivo a prosseguir. Há um amigo que usa mesmo esse termo e me diz: “prossiga”.

O CORONAVÍRUS


É sabido que tenho votado muitas horas da minha vida à escrita, ao vídeo e à divulgação do produto da investigação. Isso tem-me tolhido a atenção que, afetiva e efetivamente, devo aqueles que me são próximos e/ou lhes corre nas veias sangue do meu sangue: os meus filhos e netos.

CORONAVIRUS

No dia 11 de março p.p. publiquei no meu mural do Facebook um texto alusivo ao assunto que, de momento, é uma preocupação MUNDIAL. Assim:

SER SERRANO

Julgo não faltar à verdade se disser que conheço a rede viária de estradas, caminhos e carreiros que rasgam as serras da Lapa e da Nave, de lés a lés, pois ali passei anos de vida a perseguir perdizes, na companhia do meu primo Manuel Carvalho Soares.

EUTANÁSIA

TEXTO PUBLICADO NO FACEBBOK em 20.02.2020

Passei a tarde no PARLAMENTO a ouvir o debate sobre a despenalização da EUTANÁSIA e/ou MORTE MEDICAMENTE ASSISTIDA. Pacientemente. E durante todo ese tempo ouvi muita vez a expressão CUIDADOS PALIATIVOS. E todas as vezes que era proferida, vinha-me à mente o texto que escrevi e publiquei em 16 de março de 2016 no meu site TRILHOS SERRANOS, do qual transcrevo para aqui o que julgo a propósito. Referia-me aos LARES por este país em fora, em tempos que o programa televisivo “SEXTA ÀS NOVE”, de Sandra Felgueiras, et alli, era coisa do porvir. É o seguinte:

UM REVOLUCIONÁRIO

Um dedo revolucionário. Desenvolvido na posição oponível aos demais dedos das mãos, foi graças a ele que os HOMINÍDEOS puderam fazer a sua caminhada evolutiva, puderam subir às árvores e, solidário com os demais companheiros na sua função preênsil, permitir que esses nossos antepassados (e outros) se deslocassem de ramo em ramo, ora alimentando-se de folhas e frutos, ora defendendo-se dos seus atacantes no solo, ora permitiram o “fabrico” de instrumentos de trabalho, de ataque e defesa.

COMERCIO LOCAL

Quando, em 1986, entrei no estabelecimento comercial sito na rua 1º de maio, pela porta encimada por uma estela granítica com o nome de “JOAQUIM F.S. e OLIVEIRA”, seguido da data “1888”, fui recebido por um cidadão da minha idade, natural de Cujó, de seu nome, Vicente Pereirinha. Ele tinha frequentado a Escola Comercial de Viseu e, sem curso acabado, fez-se à vida e ao mundo. De momento, nesse ano, era empregado do senhor Luís Almeida, que vendia ali mobílias e candeeiros domésticos para todos os gostos e preços.

IVA A CIÊNCIA

Em 4 de fevereiro de 2014 escrevi o texto que se segue, publiquei-o no meu mural do FACEBOOK e, por distraçãom não o alojei nesta minha página, no embrulho dos outros que, então me fizeram refletir sobre o assunto. Como a EQUIPA DO FACEBOOK nos traz ao capítulo das MEMÓRIAS trabalhos idos, aqui o reponho hoje, tal qual foi escrito. Propositadamente sem pontuação, pois manda a SEMIÓTICA que assim seja.

PRESERVAR O PATRIMÓNIO

Já fiz e publiquei vídeos e crónicas escritas sobre os objetos ligados à iluminação pública e doméstica de antanho e aos utensílios de cozinha, nomeadamente fogões portáteis de campismo.Recentemente, e depois disso, o meu amigo António Matias, daqui de Fareja, um dos responsáveis pelo restauro do CADEIRAL DO CORO BAIXO da Igreja Matriz, conhecedor desses meus trabalhos, sensível à mesma temática, fez aportar a minha casa uma relíquia que, segundo ele, ia direitinha para o lixo.

O VALOR DA PALAVRA

Neste meu afã de proceder à “migração” de alguns textos que publiquei no meu velho site “trilhos serranos.com” para este novo espaço aberto, coube hoje a vez do apontamento que se segue, publicado em 2012. Até parece um TESTAMENTO. Mas não é, ainda que aparente ter laivos disso.

NÓS E OS ANIMAIS

Nascido e criado na serra, rodeado de seres humanos, de quadrúpedes e de animais selvagens e domésticos, emigrado que fui para uma cidade, um autêntico formigueiro humano, separado dos antigos companheiros de trabalho e de sinfonia alada, tendo por esposa uma profissional de ensino, minha companheira de liceu e da universidade, também ela de origens rurais, que, na cidade, muito jovem ainda teve como “primeiro emprego” a venda passarinhos num estabelecimento do ramo, forçoso era que, nesse meio urbano, ambos sentíssemos e víssemos nos passarinhos engaiolados o elo da cadeia que nos ligava às origens rurais e à natureza envolvente. E vai daí, toca a adquirir um casal de canários e respetiva morada gradeada para nos fazerem companhia e alegrarem o lar com as suas cantorias.

JANEIRO/2020

De há uns anos a esta parte vulgarizou-se muito entre nós a expressão a “a tempo inteiro”, atribuída aos vereadores que, senhores de um qualquer PELOURO, passam, geralmente, a ter um ordenado mensal superior o que tinham antes de serem “eleitos”.Por mim (e para mim), em vez daquela expressão, adotei a de “cidadão a tempo inteiro”, sem alteração de ordenado mensal.

E é na assunção desse papel social que, nesta minha “aposentação ativa” (sem depender, até agora, das instituições que se dedicam a tão meritória ação) tenho gastado o meu tempo a escrever e a fazer vídeos sobre as nossas terras e as nossas gentes, por forma a dar a conhecer e divulgar no mundo algo mais que o jogo da sueca ou bisca lambida. Isto para não copiar Aquilino Ribeiro que designava este último jogo por “bisca samarreira”.

ELES, ELAS E NÓS...

Finalmente, depois de constituído o tribunal especializado para o efeito, foi julgado por violação o GALO que, na capoeira onde foi criado, levava a eito o bando de galinhas poedeiras que ali viviam. Elas eram amarelas, cinzentas, pescoço pelado ou cheio de penas, crista dobrada ou em serrilha, tudo servia. 

HISTÓRIA E CULTURA

Mais uma vez aportou na minha caixa do correio o “OUTEIRO”, boletim editado pela “Associação Cultural Desportiva e Recreativa do Fojo”, com sede na aldeia de Campo Benfeito, que integra o “Teatro Regional da Serra do Montemuro”.

ANDRÉ FREIRE, O MÉDICO POETA

Conhecemo-nos há muitos anos. Mal ele era chegado do outro lado do Atlântico, do país que se diz descoberto por Pedro Álvares Cabral, o mesmo país onde Jesus (o do futebol) se tornou, ultimamente, muito popular e flamejante.

AGRADECIMENTO

Um acaso de vida proporcionou-me o encontro, em Castro Daire, no Jardim Público, junto da MÁQUINA A VAPOR, com o senhor NUNO LOPES VIEIRA e sua esposa, dos lados se Santarém, mas a residirem em Oeiras.

Indo eu a passar e vendo-o, muito atento a mirar e a fotografar aquela peça arqueológica, ali colocada por sugestão minha, cuja história (completa) está chapada no livro “Castro Daire, Indústria, Técncia e Cultura” (história resumida que o Municípino bem podia oferecer num desbobrável, que imperdoavel,ente nunca fez) aproximei-me, entabulámos conversa e ele ficou tão agradado com isso que passou a ser meu “”amigo” no Facebook e a corresponder-se comigo, via MESSENGER.

É dele o CONTO DE NATAL que se segue. Esta minha página não está aberta a toda gente. Mas tendo eu já lido, por força da profissão, muitos contos de NATAL, este veio mesmo a calhar. Vale pelo comteúdo e pela forma. Ora leiam:

«LANTERNA DE DIÓGENES»

Em 2004, com o subtítulo em epígrafe, deixei no meu velho site “trilhos serranos.com” o texto que se segue. As razões da sua “migração”, hoje mesmo, para este espaço, (dezembro de 2019) estão expressas na nota de rodapé nº2, para onde remeto o leitor. Dado versar sobre um cidadão de Lamego - UM HOMEM - que muito admirei, em vida, entendi que era tempo de, em sua memória, trazer novamente estas linhas à luz do dia, mesmo sem recurso à «Lanterna de DIÓGENES». Assim:

«PRÓS & CONTRAS»

Ontem, dia 09-12-2019, no programa “PRÓS E CONTRAS” da RTP, debateu-se a questão da legislação (para uso ou não) da CANÁBIS, visando “fins recreativos”. Essa discussão fez-me retornar a Moçambique, aos meus tempos de trabalhador-estudante e a meter-me na investigação que fiz, na Faculdade de Letras da Universidade de Lourenço Marques (hoje Maputo) a propósito dessa e de outras plantas Iimigrantes. Esse meu trabalho, dactilografado, deve andar perdido, por aí, numa das estantes da minha biblioteca.

TETE - CAFÉ DOMINÓ

Aquilino Ribeiro escreveu algures que o “escritor” (porque escreve muito) pode correr o risco de se plagiar a si mesmo. É o que estou a fazer relativamente a mim próprio, já que o texto que se segue foi publicado em 2015, no mural do Facebook: “PICADAS DE TETE”. É de lá que o transcrevo para este meu site, com ligeiras alterações, já que, não o tendo feito então, considero que ele tem aqui cabimento.

A SINA

Sazonalmente eles apareciam em Cujó com as suas traquitanas, carroças, cavalos, burros, cães e mercancias. Assentavam, obrigatoriamente, arraiais sob a copa do centenário e frondoso castanheiro que existia no PASSAL, um terreno sito no Pardeirinho, entre o cemitério da aldeia e a eira lajeada, onde, todos os anos, se faziam e desfaziam medas de centeio malhadas à força de homem e jeito de mangual, primeiro, e, depois, sendo eu ainda jovem, de uma malhadeira, aquele engenho mecânico de boca aberta e cilindro horizontal movido a motor através de correias. A primeira a chegar foi a do “tio” Tibério Teixeira. (Sobre a eira, cf. o meu vídeo alojado no Youtube com o título “Cujó, As Eiras”)

(REGISTO DO DIA)

É caso sabido. Se em tempos idos eram mais do que muitos os mendigos, actualmente há consciência pública da subsídiodependência e, se não me  baralho,  ser mais que muita a gente que se apega ao rendimento mínimo, mandando à fava o trabalho.

O HOMEM E O MEIO

Em 17 de novembro, p.p., fazendo uso o meu mural do Facebook (O FACEBOOK É UMA LIÇÃO) publiquei a cópia digitalizada do REGISTO DE ENTRADA na cadeia comarcã de Castro Daire de um jovem de 18 anos de idade, agricultor, natural dos Braços de Cá, “filho natural de Eufémia Ferreira” (v.g. “filho ilegítimo”) e, subsequentemente, lancei o DESAFIO aos meus amigos facebookeanos para, baseados nos dados lançados nesse registo, atentos aos “averbamentos” de repetidas “entradas” e correspondentes “saídas” deixados na margem direita da folha, darem continuidade a uma narrativa a que eu próprio dei início, assim:

ENCRUZILHADAS DA VIDA


Passeando-me, há anos, por todo o concelho de Castro Daire em trabalho de investigação, isso me permitiu falar com muita gente e ampliar os meus conhecimentos sobre a nossa terra e as nossas gentes. Conheci e falei com pessoas de diferentes níveis etários e de escolaridade. Algumas dessas pessoas dispensavam-me a “apresentação”. Quando eu me dispunha a fazê-lo antecipavam-se e diziam-me: “eu conheço-o do jornal e leio o que lá escreve”. Outros, para surpresa minha, não faziam a mínima ideia deste “bicho-careta”. Não liam o jornal nem lidavam com as História e com as Letras e edições locais.

REFLEXÕES

Presumo não haver serrano nato, calcorreador de montes e brenhas montemuranas, a guardar gados ou à caça, que não saiba distinguir uma “urgueira” de uma “giesta”, um “tojo” de um “codesso” e que, mesmo empiricamente, ignore o substantivo coletivo de cada um desses arbustos: um urgueiral, um giestal, um tojal e um codessal.

REFLEXÕES

Em 31 de outubro de 2013 publiquei no meu mural do FACEBOOK  O texto que se segue. Hoje 31 de outubro de 2019, a zelosa EQUIPA DA EMPRESA trouxe ãs MEMÓRIAS essa relíquia e resolvi transplantá-la para este meu espaço, se é que já não anda por aí perdida entre outras.

REGIONALIZAÇÃO

Nesta minha postura de académico rural e rústico, tenho quilómetros de escrita a defender a dama que dá pelo nome, REGIONALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, neste país atacado, há séculos, pelo CENTRALISMO político, administrativo e cultural.

Fi-lo por convicção e estudo, cansado de ver o Portugal serrano entornar-se continuadamente para o mar, onde os conquistadores, povoadores e lavradores montanheses de outrora, à falta de qualidade de vida nas suas terras natais, inteligentemente procuraram na migração e em terra alheia a realização dos anseios que tolhidos tinham se se acomodassem ao sítio onde vieram ao mundo.

«EXTERNATO MARQUES AGOSTINHO» EM L. MARQUES

No texto que publiquei, há anos, relativo ao MANEL DA CAPUCHA, aquele protagonista andarilho e pedinte que corria feiras , romarias e povoados inteiros em redor das serras do Montemuro e da Nave, deixei clara a intenção de mostrar aos meus alunos a relação existente entre a LITERARURA e a VIDA, a partir de um conto da Sofia. Esse texto mantem-se alojado neste meu site a as cerca de DEZASSEIS MIL LEITURAS que dele foram feitas, até à presente data, são a prova da consecução dos objectivos por mim delineados.

VIDA RURAL

Nos meados do século XX, mais ano menos ano, creio não haver criança nascida e criada nas encostas ou faldas do Montemuro que não tenha sentido o calor de uma lareira, ouvido o crepitar da lenha e não tenha visto as panelas de ferro tripédicas ou de barro preto de fundo raso, as primeiras saídas das fundições nacionais e as segundas saídas da olaria de Ribolhos, moldadas pelas mãos de Mestre Albino ou Mestre Zé Maria, a cozinhar os alimentos, fabricados na lavoura em redondo, por norma, depois de cozidos, comidos do mesmo prato, posto no centro da cozinha, sítio acessível a braço de gente grande e de gente pequenina.

A FORÇA DOS AFETOS

Neste meu afã de revisitar textos publicados no  velho site (o histórico) e transplantá-los para este no activo, coube a vez ao que se segue. Foi escrito em 2011 e o senhor Dário, meu amigo, faleceu em 2018. Mas o texto segue na íntegra.  

PINHEIRO (CASTRO DAIRE) - AI O MEU MENINO!

02-06-2011 13:13:10

Dário Pereira Loureiro, natural da aldeia de Pinheiro, com 74 anos de idade, neste ano de 2011, é, o que pode dizer-se, «um bom garfo acompanhado de uma boa pinga».

 

CIÊNCIA, TÉCNICA E ARTE

Não há fome que não dê em fartura”. Tal diz a sabedoria popular - altos pensamentos - e cujo acerto se vê confirmado na lonjura dos tempos.

Cá para mim, nos que respeita a dentes, em tempos antigos (não tão antigos assim) a natureza impunha os seus ditames. Os dentes nasciam e caíam na idade própria. Quisesse-se ou não se quisesse, primeiro, os “dentes do leite”, depois os “dentes adultos” e, finalmente, os “dentes do siso”, mesmo que “siso” não houvesse.

TEMPOS ANTIGOS...

Deixei escrito no meu livro “CUJÓ, UMA TERRA DE RIBA-PAIVA”, editado em 1993, que o meu pai, Salvador de Carvalho, desde que regressou à aldeia depois de ter cumprido o serviço militar, em 1927, fez uso da aprendizagem que adquirira na tropa ligada ao tratamento de doentes ou feridas.

O HOMEM E A HISTÓRIA

Em boa razão poderão perguntar-me o que leva um “socialista, republicano e laico”, natural de Castro Daire, a escrver estas linhas sobre o cidadão cujos traços biográficos se seguem, copiados da Wikipedia. Ora vejam:

LITERATURA ORAL

Da recolha que fiz em Castro Verde antes de ir para Beja e depois lá retornar, constam duas “décimas” da autoria de um tio da minha mulher, morador aue foi na aldeia de ENTRADAS, sobre quem já publiquei extenso trabalho com o título “UM LAR, UMA FORTALEZA”.

RECOLHA FEITA PELOS ALUNOS EM BEJA

No último apontamento com o título em epígrafe reportei-me a uma recolha feita pelos meus alunos na Escola Preparatória Mário Beirão, em Beja, nos anos letivos de 1981/1982.

LITERATURA ORAL

Nos arquivos da ESCOLA PREPARATÓRIA «MÁRIO BEIRÃO», em Beja, onde lecionei, deve existir (se não foi tudo parar ao lixo) uma pequena REVISTA policopiada, contendo o resultado do trabalho de campo levado a cabo pelos alunos das turmas identificadas no cabeçalho da CAPA, bem como os professores coordenadores dela: Abílio, Maria do Carmo, Maria da Conceição Teixeira e Maria Joaquina.

MEMÓRIAS VIVAS

Os meus amigos, todos aqueles que vão tendo a paciência de me ler, ver e ouvir, tanto naquilo que escrevo, que digo e mostro em vídeo, usando o meu site “trilhos-serranos” (este mesmo, o Youtube e o Facebook (pois deixei de colaborar nos jornais) por certo repararam que dediquei alguns dos últimos trabalhos à minha mulher, Mafalda, na sua qualidade de PROFESSORA E ARTISTA.

A TABERNA COM TALHAS DE VINHO

Não tenho imagem de câmara fotográfica saída, mas tenho a imagem na memória retida. Uma moradia térrea típica do Alentejo. Vejo a fachada, a porta de entrada um pouco recuada a partir da rua e no primeiro espaço interno um balcão de mercearia de aspeto antigo. No pano da parede as prateleiras. Mas para quem tivesse sede, esse espaço ligava a outro, nas traseiras. 

COMÉRCIO - A LOJA «ANA GRALHEIRO»

Esta loja, sita no edifício do Mercado Municipal, mantém o aspecto tradicional, seja nos artigos que vende, seja na sua disposição em prateleiras e escaparates.

CASTRO DAIRE - COMÉRCIO TRADICIONAL - 2

Mas seria injusto esquecer mais três lojas do género que, vindo do antigamente, mantêm porta aberta, funcionando segundo os moldes tradicionais, ainda que uma delas tenha aderido aos produtos, «miudezas» e quinquilharias dos tempos que correm.

CASTRO DAIRE - COMÉRCIO TRADICIONAL

Arreigado ao princípio de que «todo o povo sem memória é um povo sem história» de há uns anos a esta parte que dou por mim a recolher e a preservar livros e jornais antigos, esfarrapados, ratados, manuscritos legíveis e ilegíveis, fotos debotadas, artefactos ferrugentos e manetas que no passado eram escorreitos e sãos, cheios de vida e que vida da comunidade concelhia não dispensava. Atavismo meu que parece não tingir a sensibilidade dos responsáveis pelo nosso Museu Municipal, ao ponto do Prof. Hermano Saraiva dizer o que disse no seu programa televisivo sobre Castro Daire: «pobre, muito pobre»!

» História

 

CASTRO DAIRE - COMÉRCIO TRADICIONAL NA VILA - 1

Refiro-me às lojas comerciais sitas na vila de Castro Daire que vêm de tempos idos e cujos comerciantes, autênticos heróis que, neste tempo de globalização, resistem à lógica comercial das «grandes superfícies», continuam a manter com os seus clientes uma relação de afecto e de atendimento personalizado.

JOGO ETERNO

Tenho filmado e divulgado no mundo, mais do que uma vez, através do You Tube, o meu gado alado, neste meu trato camponês e rude. Sãos os melros e os pardais que, livres da minha fisga, no meu quintal, no meu telhado e beirais da casa, se acoita e se abriga. Mas esse gado alado, tão paciente e poeticamente cantado, ingrato tem sido para comigo, pois, fazendo poleiro dos peitoris das janelas e portadas resolveram deixá-las pintadas com pintura de que não gosto. E pensei: “não me passais a perna”. Pode ser pintura moderna, digna de exigente galeria urbana, exposta noite e dia, em Belém, mas não é qualquer pássarão sacana que, por bem, faz tela do peitoril da minha janela e das grades do meu portão. Ai pois não! E se tal bicharada não se pisga, se continua assim, outro remédio não resta a mim, senão ativar novamente a fisga.

A VIDA

Recentemente fiz eco, em vídeo alojado no Youtube e Facebook, da visita inesperada de um gafanhoto que se passeava sobre um dicionário e outros suportes de saber pousados num móvel doméstico.

Peguei na câmara de filmar (repórter é assim mesmo) e pus a mão a jeito, por forma a que ele, nestas suas deambulações domésticas, subisse para os meus dedos. E assim aconteceu. Mas, dispondo-se ele a mordiscar um deles, sacudi instintivamente a mão e ele perdeu-se, invisível, num qualquer canto do compartimento. E em vão foram as diligências que seguidamente fiz para encontrá-lo. Desisti.

O ÚLTIMO MOICANO

No dia 16 de junho p.p., a propósito da última viatura histórica que restou da frota que foi da EMPRESA GUEDES, de Castro Daire,  escrevi uma extensa crónica que publiquei no meu site “Trilhos Serranos”,e, bem assim, um elucidativo vídeo alojado no Youtuve, a que dei o título “O ÚLTIMO DOS MOICANOS”. Eis um excerto:

RISCOS COM AFECTOS

Quando fui para Moçambique, em 1960, viajei no paquete “Pátria” e tive o cuidado de comprar um postal com a imagem do navio que remeti para os meus pais logo que cheguei à cidade de Lourenço Marques, naquela costa do Índico, lá do outro lado do mundo.

A SERRA, EU E OS OUTROS

Ali, ao lado da nova estrada que liga Mós a Faifa (e vice-versa), com traçado próximo do antigo “caminho carreteiro” que vemos nas cartas militares, não menos antigas, encontrei, no ano de 2017, um CRUZEIRO granítico assinalado nessas cartas, tão curioso quão enigmático, pelos símbolos que lhe dão corpo. Um cruzeiro seguramente singular.

 VIDA MADRASTA

Folhear o "LIVRO DE REGISTO DOS PRESOS QUE DERAM ENTRADA NA CADEIA CIVIL DE CASTRO DAIRE" que engloba os anos de 1929  a 1937, é ler uma narrativa sociológica manuscrita, cujos protagonistas (à falta de fotografia) deixam o RETRATO completamente descrito no "BOLETIM ANTROPOMÉTRICO" (nome dado a cada folha do livro) acompanhado da característica mancha das impressões digitais. 

XV ENCONTRO DE VESPAS

Da mochila que carrego aos ombros, recheada da bagagem que fui adquirindo ao longo de OITENTA ANOS, retiro hoje alguns artefactos para início desta crónica. O primeiro remonta ao ano de 1965. Viajei de Milange para Quelimane, em terras de Moçambique, num camião de longo curso, guiado por um amigo que conheci na tropa, quando ambos tirámos a carta de condutor-auto, na Figueira da Foz, na qualidade de soldados rasos que éramos no R.I. 14 em Viseu.

Foram 300 quilómetros de martírio esporádico para mim. Mas de vida quotidiana para ele. Sim. Ele ganhava a vida ao volante desse “monstro” a transportar para as grandes e médias cidades os produtos agrícolas granjeados fora delas em terras distantes.

O FACEBOOK É UMA LIÇÃO

LÍNGUA PORTUGUESA

Como que antecipando-me ao dia atribuído à LÍNGUA PORTUGUESA (hoje mesmo) no dia 25, pelas 13h00, publiquei no meu site "trilhos serranos.pt", com porta aberta aqui, no Facebook os topónimos QUIJO (CUJÓ) e CRASTO (CASTRO) dizendo que era assim que o POVO pronunciava na minha juventude e também assim escrevia, algumas vezes, em documentos, como demonstrei.

TRANSUMÂNCIA

Esta coisa de escrever e fazer vídeos sobre “TERRA, ANIMAIS E GENTE” não foi maleita que me deu recentemente, só porque, nos tempos que correm, anda por aí muita gente a “BERRAR” em defesa dos quadrúpedes, sejam eles domésticos ou selvagens. Pelo andar da carruagem não tarda estarei sentado com um deles à mesa da refeição, sem tugir nem mugir, sob pena de, aos olhos da comunidade, ser considerado um “australopitecos”. 

DEVER DO HISTORIADOR

Em 2009, ainda ninguém, velho ou novo, andava por aí a “arrotar postas de pescada” sobre ROTAS TRANSUMANTES, nem os EXECUTIVOS MUNICIPAIS  pensavam em meter-se nas aventuras de RECRIAR (com ares folclóricos) uma actividade económica ligada aos rebanhos que, vindos das bandas da serra da ESTRELA, desaguavam na serra do MONTEMURO, com PASSAGEM histórica pela vila de Castro Daire...em 2009, dizia eu, fiz o VÍDEO que alojei no YOUTUBE, cujo link anexo no rodapé deste texto para a devida e exigida reflexão de quem se dedica ao estudo da nossa TERRA.

TRÉNS, CARRETAS E DILIGÊNCIAS

Tendo estado a falar dos TRANSPORTES RODOVIÁRIOS, em Castro Daire e como  já falei da EMPRESA GUEDES e da «GARAGE CLEMENTE» que antecedeu aquela na fita do tempo, neste meu andar «ócêtrás», isto é,  relatar a história no sentido inverso da ocorrència dos factos que lhe dão corpo,  mal andaria se, falando dos transportes MOTORIZADOS, apagasse aqueles que os precederam durante séculos e séculos. Aqueles onde os animais, nomeadamente, bois, vacas, cavalos, machos, mulas e jericos tiveram um papel relevante, enquanto companheiros do homem no trabalho e no entretenimento.

Vou socorrer-me, também aqui, do que já deixei escrito no meu livro «Castro Daire, Indústria, Técnica e Cultura», editado em 1995. E aqui se aplica também a letra da canção: “eu vim de longe, de muito longe...e o queceu andei para aqui chegar”.

Eis, pois, o que deixei escrito nesse livro, sem as ilustrações que hoje aqui trago, todas elas registadas poeteriormente. É que, nesse tempo (1995, ontem mesmo) não se manipulava a IMAGEM com a facilidade que fazem hoje as crianças e os adultos através da tecnologia dedilhada, polegares incluídos. Assim:

OS MEUS «TRILHOS SERRANOS»

Foi no longínquo ano de 2004 que subi ao espaço etéreo da INTERNET, ao comando da nave “TRILHOS-SERRANOS”, um site pessoal com o “LAYOUT” e conteúdos que se mantêm disponíveis -  espaço histórico - pois, entretanto, por razões a que fui alheio, tive de mudar de nave à qual dei o mesmo nome, só diferenciado na sua extensão terminal..

Pág. 1 de 5