Trilhos Serranos

Está em... Início Crónicas O TEIXO - O ÚLTIMO DOS MOICANOS
sábado, 07 maio 2022 13:54

O TEIXO - O ÚLTIMO DOS MOICANOS

Escrito por 

FORUM MONTEMURO 2001

Em 2001 realizou-se em Castro Daire o “FORUM MONTEMURO” no qual participei palestrando sobre o Mosteiro da Ermida, a par de outros palestrantes que discorreram sobre os temas  naturais e históricos agendados.

Um dos palestrantes foi o PROFESSOR da UNIVERSIDADE DE COIMBRA, DOUTOR JORGE PAIVA, botânico de renome, que falou sobre a abundante e diversificada flora ibérica, quer nativa, quer invasora.

 

FRUTOSublinhou a existência do CASTANHEIRO e do CARVALHO ALVARINHO e a desbaste que estas árvores sofreram para fazerem barcos, aquando, no século XVI, demos “novos mundos ao mundo” com a empresa dos DESCOBRIMENTOS.

 Falou na longevidade destas árvores e disse que, correndo o país, conhecia algumas delas já seculares, existentes no nosso território. E, na sua exposição, não esqueceu uma outra - o TEIXO - que, tendo também aqui o seu habitat durante séculos, sucumbiu à força do machado dos povos, por virtude das suas folhas e bagas serem abortivas e venenosas e, consequentemente, comidas pelos animais, os levarem à morte, desfecho que se revelava contrário os interesses dos camponeses que tinham neles uma forma de subsistência, de deslocação e força de tração na lavoura e transportes.

Sabido isto, direi que os meus caminhos de investigação da HISTÓRIA LOCAL me levaram às medievais terras de Gandivao (atual Póvoa do Montemuro), primeiro na leitura das INQUIRIÇÕES DE D. AFONSO III (1258) e depois, através de um testamento feito em 1853, por LUISA DUARTE TRULHA, no qual ela deixava ao sobrinho «metade do Porto do Teixo e do Gandivao» e, no mesmo sítio, deixava “a moita por cima do lameiro» que «é o que parte com elle».

Depois, ainda, conduzido pelo senhor Alcino Aveleira. Ele levou-me até ao barranco do Gandivao para localizar o PORTO DO TEIXO. E ali, no sítio onde melhor de transpunha de uma margem para outra a linha de água que corria para o rio TEIXEIRA que deslizava dois passos mais abaixo, vindo da Carvalhosa, ele me informou que tal designação se devia ao facto de ter existido ali um TEIXO de grande porte. E associou a existência da PEDRA TEIXEIRA, no alto do Montemuro, em torno da qual, em tempos remotos, se reuniam os autarcas das freguesias confinantes para tratarem de assuntos de interesse comum, ao PORTO DO TEIXO, ali mesmo, e, mais abaixo o RIO TEIXEIRA, a caminho do Paiva. Três nomes com a mesma raiz. Isto sem ser geógrafo ou linguista, sem ter queimado as pestanas a ler livros na Universidade de Coimbra, mas tão só a romper tamancos e botas por esta serra fora a conhecer penedos, árvores, arbustos, montes, regatos e rios. Orografia, geografia, fauna e flora.

TEIXO-BOra, sabendo eu isto tudo e sabendo também que o TEIXO era uma das ÁRVORES SAGRADAS dos Celtas, a mesma árvore que SINISTRA E ASSASINA se tornou para os povos peninsulares posteriores, devido à morte dos gados, não deixei de ter sob a minha mira o seu nome, procurando indícios e resquícios que dela aflorassem, em qualquer tempo e lugar, que mais não fosse na MEMÓRIA dos povos, pois tenho por axioma que a MEMÓRIA sobrevive à MATÉRIA.

E felizmente aconteceu que, recentemente, o nome TEIXO voltou a chegar até mim pelas razões que já expus em dois vídeos alojados no meu canal do YOUTUBE (cf. links em rodapé) mas que resolvi desenvolver em texto escrito, aqui mesmo, mais demoradamente, devidamente ilustrado.

Com efeito, neste meu afã de adquirir e difundir o conhecimento ligado às nossas terras e nossas gentes, deparei, em LAMELAS DE LÁ, com um tronco de árvore seco, tornado ESCULTURA pública, onde, numa das saliências, assentava a IMAGEM DE SANTA BÁRBARA e ao lado, um pouco mais abaixo, recortado em madeira, uma espécie de livro aberto com um texto escrito. Nada menos do que uma versão das orações que os povos sabem e dirigem em prece a Santa Bárbara, em tempo de trovoada.

Procurei esclarecer-me sobre a razão de tudo isso e fiquei a saber tratar-se dos restos do tronco de um velho TEIXO que ali existia, ao qual era atribuída a capacidade de “atrair as faíscas” dos relâmpagos que rasgam o céu em direção à terra. E, assim sendo “desde tempos antigos”, havendo necessidade de aumentar o tanque de lavar a roupa, a árvore que já estava seca, que tinha servido, tempos infindos, de estendal de roupa posta a corar, depois de lavada, foi arrancada e, prestes a desaparecer dali, levada pelas carrinhas da Câmara, alguns populares, conhecedores da sua história, evitaram que isso acontecesse.

JACINTOMª AUGUSTAAquele tronco “atraía as faíscas” e tinha um grande valor e significado para a aldeia, pelo que nela devia permanecer. E se arrancado foi do sítio natural, perto dele devia ficar. E ficou. O tronco foi limpo, tratado, vernizado e, à distância de três ou quatro metros do sítio original, autêntico «para-raios» que era, virou ESCULTURA-ALTAR com a imagem de SANTA BÁRBARAadvogada das trovoadas”, no dizer dos meus dois entrevistados, já com idade bastante para se pôr em dúvida o seu saber, crenças e vivências.

Ora, a história ensina-nos que grande parte dos templos, lugares sagrados e festejos PAGÃOS viraram CRISTÃOS com o decorrer dos tempos. Não faltam exemplos por este Portugal fora, sendo um deles a COSTUMEIRA POPULAR de se levantar o PINHEIRO E OS MASTROS DE S. JOÃO, que outra coisa não é senão o prolongamento do culto disfarçado ao Deus PRIAPO, da FERTILIDADE, prestado na antiga Grécia e Roma,  no solstício do verão e chegado à P. Ibérica com a ROMANIZAÇÃO.

 E nós temos aqui o exemplo claro de que, à margem da instituição igreja, uma ÁRVORE SAGRADA PAGÃ, por iniciativa e vontade de populares da aldeia, virou público ALTAR CRISTÃO. A “ARVORE SAGRADA” dos Celtas, a “ARVORE SINISTRA E ASSASSINA” para os povos posteriores, porque tinha a virtude de «atrair as faíscas» virou ALTAR DE SANTA BÁRBARA”.

E assim vai a HISTÓRIA. E por assim ir, conhecida a saga de uma árvore desaparecida das redondezas serranas, conhecida a sua relação com os animais, com os seres humanos nos tempos idos e as suas crenças religiosas antigas e atuais, enfim, um tronco de TEIXO é hoje peça arqueológica autêntica, genuina e exclusiva ligada do nosso PATRIMÓNIO NATURAL e CULTURAL. Por isso me dei ao cuidado de fazer os registos que deixo escritos e em vídeo, nomeadamente os COMENTÁRIOS pertinentes que aditei aos dois vídeos. Assim:

«Tratando-se de uma árvore, cuja espécie desapareceu das redondezas, esta escultura, este pedaço de TEIXO, devia ser preservado naquele sítio mas fora de um tanque cheio ou vazio de água. Fica a sugestão para o Presidente da Junta e/ou outras entidades LOCAIS interessadas em salvaguardar o nosso PATRIMÓNIO NATURAL e HISTÓRICO. E para atrativos turísticos e culturais, Lamelas não  precisa inventar “lendas” sobre penedos, basta conhecer, divulgar e esclarecer o PATRIMÓNIO existente ou desaparecido».ALTAR E LIVRO

LINKS

MOTA:PRIMEIRO

 https://youtu.be/YLLc78Wlqa4

SEGUNDO

 https://youtu.be/5gFNgQYIgwY

Ler 290 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.