Trilhos Serranos

Está em... Início Crónicas A CIDADANIA
terça, 12 março 2024 17:07

A CIDADANIA

Escrito por 

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

Logo que foram sabidos os resultados das últimas «ELEIÇÕES LEGISLATIVAS» apressei-me a colocar mo meu mural do FACEBOOK e também no mural onde se fala de LITERATURA E POESIA, (cujo administrador me tem dado a liberdade de ali deixar os meus desabafos cívicos, políticos  e culturais) uma versalhada alusiva ao evento e, neste momento de «perda» para o PARTIDO, entendi reiterar publicamente o campo ideológico em que me situo, apesar de ter abandonado, há muito tempo, por moto próprio, o APARELHO PARTIDÁRIO. E fazê-lo numa situação de VITÓRIA, essa minha atitude, seria, seguramente, entendida como oportunismo de ocasião, coisa que sempre combati e por isso mesmo saí do PARTIDO com a explicação dada no jornal  «Notícias de Castro Daire» a qual me dispenso de aqui repetir.

 

Mas deixo aqui, essa versalhada, para tornar límpidas as águas em que navego e, deixar claro que, não tendo votado no CHEGA, reconheço que os seus eleitores estarão cheios de razão para terem desistido dos PARTIDOS FUNDADORES DA DEMOCRACIA e se tenham deixado arrastar não só pela demagogia, mas também pela força de realidades sentidas e vividas, já a que esses mesmos partidos não deram resposta ou fizeram de «ouvidos moucos», dos sinais de  descontentamento e desalento popular.

SOCIALISTA ME CONFESSO
NÃO. Não estou de regresso.
Há muito deixei o aparelho,
Mas quando me vejo ao espelho
Eu socialista me confesso.
 
Mas, mesmo que retirado
Das lides da festa e arruada
Cá por mim, cá pelo meu lado
Fiz o que julguei acertado
E, na sabedoria do povo confiado,
Somente a vitória eu esperava.
 
Engano meu, “sem espiga
Como diria Dandy, O Crocodilo
E face aos resultados, a isto e aquilo
Do muito que tenho lido
Na política há quem se amanhe,
Ou nela, isso mesmo procura.
 
É um mal que não tem cura
Seja qual for o partido,
Digo-o sem quezília
Festejaremos o 25 de abril
Com a trilogia “Deus, Pátria, Família».
 
Na política há quem se safa
Ma política há quem se amanhe
Com atoardas e promessas.
 
Mas um só me estoira a garrafa
Do espumoso champanhe
Nesta noite de de muitas meças.
Abílio/10/03/2024

Não estou de regresso, nem vou transladar para aqui as crónicas que publiquei no meu site «trilhos serranos» sobre as ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS DE 2013», onde questionei os, então, responsáveis pela FEDERAÇÃO DO PARTIDO SOCIALISTA DE VISEU, e o respetivo SECRETÁRIO GERAL  sobre a ÉTICA REPUBLICANA que devia  servir de COLUNA VERTEBRAL ao partido, aos seus militantes e concorrentes à gestão das «res publica»,

CARTA-AÇÃO0000Não estou de regresso. Mas regressando aos meus arquivos encontro neles os males que vêm de longe. Os males da CORRUPÇÃO, do COMPADRIO,  DO AMIGUISMO, DO CLIENTELISMO, DO NEPOSTISMO, tudo palavras e comportamentos que fui condenando nas muitas coisas que escrevi e se encontram dispersas em tudo o que é suporte de escrita e vídeo.  Relativamente a todos os PARTIDOS.

CARTA0000E no que toca aquele em que militei e fui o responsável pela célula concelhia de CASTRO VERDE (Alentejo), na década de 80 do século XX, (Não existia ali uma SECÇÃO) e, na altura das eleições os responsáveis federativos de Beja, deslocavam-se lá e pescavam à linha, conforme lhes convinha, os elementos que deviam ir aos CONGRESSOS e aprovar a MOÇÃO que eles entendiam.

Não. Comigo não seria assim. O exercício da minha CIDADANIA não se coadunava com esses procedimentos. Tentei e consegui organizar a «CÉLULA PARTIDÁRIA CONCELHIA» e, após isso, o «congressista local» seria eleito e assembleia geral de militantes e não «pescado à linha».

Organizada a CONCELHIA, houve eleições autárquicas e, pela primeira vez, após o 25 de abril o PARTIDO elegeu um vereador para o EXECUTIVO e aumentou os deputados na Assembleia MUNICIPAL..

Redigi uma crónica, dactilografada à máquina (ainda não existia computadores) fiz um gráfico a régua e esquadro (ainda não existia a folha exel) e remeti tudo para a ACÇÃO SOCIALISTA, jornal caracterizadamente partidário.

CORREIO0000E o número seguinte desse jornal chegou com a notícia que aqui se publica (primeira fotografia, em cima).

Eu tinha dividido a crónica em duas partes. Numa delas sublinhava a importância da BÁSICA  ORGANIZAÇÃO PARTIDÁRIA e na outra «criticava» o comportamento da FEDERAÇÃO DISTRITAL seguido até então.

Era diretor da AÇÃO SOCIALISTA o cunhado do Dr. Mário Soares, Alfredo Barroso. E face ao facto do jornal somente aludir aos bons RESULTADOS ELEITORAIS obtidos no concelho  omitindo a critica aos elementos FEDERATIVOS  apressei-me a pedir uma EXPLICAÇÃO, numa carta enviada com aviso de receção, (fotos acima e ao lado) dizendo estar ciente (ironicamente o fiz) que que  a OMISSÃO se deveria à falta de espaço pois excluída tinha   a hipótese de ter sido qualquer ato «CENSÓRIO».

Não obtive qualquer resposta. Mas fiquei a saber que, por mais apregoada que fosse a «LIBERDADE DE EXPRESSÃO» trazida com o 25 DE ABRIL,  nem tudo se podia dizer (mesmo na ACÇÃO SOCIALISTA)  que fosse contra os DIRIGENTES.

Entretanto, e com essa lição aprendida, fui colocado em Castro Daire e transferi-me para a CÉLULA LOCAL, chegando a integrar a COMISSÃO POLÍTICA.

Depois, para não me alongar, cansado de «ver chover no molhado», saí do APARELHO. E continuo fora. «Não. Não estou de  regresso. Mas, olhando-me ao espelho, socialista me confesso». E pronto a combater tudo o que for contra a DEMOCRACIA, nomeadamente todas as práticas a que aludi acima e que serviram de bandeira ao partido que me leva a usar a linguagem poplar: «chega para lá!». Não foi, portanto, por falta de advertência que os PARTIDOS fundadores da DEMOCRACIA levaram o país «ao estado a que chegamos». 

 



Ler 302 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.