Trilhos Serranos


 MEMÓRIAS MINHAS

Como bem me lembro! Lá, na minha aldeia de Cujó, povoação iluminada apenas e somente com a luz do sol, da lua e das estrelas, semelhantemente às demais aldeias serranos, nesses anos 50 do século XX (onde iam os históricos tempos medievais?)  sendo eu menino, o meu pai, como já escrevi em longo texto, braço estendido, dedo apontado à luminosa e larga ESTRADA DE SANTIAGO (a Via Látea), à Ursa Maior, Ursa Menor, seguir a cauda desta última e dizer: «olhem bem, aquela estrelinha que remata o rabo da Ursa é a estrela norte».

MEMÓRIAS MINHAS 

Creio não haver pessoa informada que ignore o nome do Dr. Christian Barnard, pioneiro no transplante de coração. Isso “aconteceu no dia 3 de dezembro de 1967. A operação teve duração de nove horas, e uma equipe composta por trinta membros”. (Wikipedia)

FORUM MONTEMURO 2001

Em 2001 realizou-se em Castro Daire o “FORUM MONTEMURO” no qual participei palestrando sobre o Mosteiro da Ermida, a par de outros palestrantes que discorreram sobre os temas  naturais e históricos agendados.

Um dos palestrantes foi o PROFESSOR da UNIVERSIDADE DE COIMBRA, DOUTOR JORGE PAIVA, botânico de renome, que falou sobre a abundante e diversificada flora ibérica, quer nativa, quer invasora.

 

HISTÓRIA COM GENTE DENTRO

Todo o investigador que, debruçado sobre a HISTÓRIA LOCAL, se não contenta com as informações contidas nos manuscritos e outros documentos guardados na TORRE DO TOMBO, ARQUIVOS PAROQUIAIS e MUNICIPAIS terá, forçosamente, de consultar as BIBLIOTECAS BÍPEDES que se prestem a dar o seu contributo ao esclarecimento do passado próximo ou longínquo, até onde as leve as suas MEMÓRIAS.

 

«PASSAGENS DE UMA VIDA II»

 

A bem dizer, conheço o Agostinho da Silva Santos desde que somos gente. É um rapaz da minha idade, ambos nascidos no ano de 1939, moços que ultrapassámos os OITENTA, uma carrada de anos e de trabalhos, na aldeia e fora dela.

Já o entrevistei algumas vezes no CAFÉ CENTRAL, em Castro Daire, cujo assunto, em vídeo, alojei no meu canal do YOUTUBE. É só clicar nos links que anexo em rodapé.

Muitas foram as vezes que nos encontrámos a nesse ESTABELECIMENTO e outras tantas aquelas que o incitei a publicar no “Notícias de Castro Daire” as QUADRAS de que ele, na altura, me deu conhecimento. E, assim, ambos nos tornámos colaboradores assíduos daquele jornal, mais o António Duarte Pereira. Todos de Cujó e, cada qual à sua maneira, escrevia o sabia e lhe apetecia. E creio que nenhum de nós envergonhou a terra natal e as suas gentes.