Trilhos Serranos

Está em... Início História

PENEDO DO CAVALEIRO

 Recentemente, por iniciativa das GENTES DE LAMELAS,  nomeadamente Hélio Silva, Diogo Baronete, António Pinto e outros, sempre diligentes em valorizar o património edificado e natural existente em redor, desviada que foi a água do seu curso milenar, perdido que foi, por enquanto, o espumoso e cantante caudal que, em queda livre e contínua, brilhava ao sol, para encanto e admiração do passante, água escorrida encosta abaixo, a imitar o estendal da «roupa branca» que uma moura encantada, moradora naqueles penhascos, nas manhãs de S. João, punha  ao sol, semelhantemente a tantas outras lendas que preenchiam o imaginário camponês, mouras sempre prontas a saírem do PENEDIO e a mostrarem a riqueza e poderio que os MOUROS tiveram enquanto dominaram o território, vg. PENEDO DA MOURA na Relva (freguesia de Monteiras), a ORCA DA MOURA,  (arredores de PENDILHE), a COVA  DA  MOURA, (os arredores de ALVA), a GRUTA DA MOURA, junto ao RIO PAIVA, (território de PEPIM) semelhantemente, dizia eu,  a tantos outros PENEDOS com nomes e protagonismo local,  apareceu ali o PENDEDO DO CAVALEIRO, a desafiar os tempos e a imaginação,  fim de se valorizar o espaço e a panorâmica que dali se alcança a olho nu, ou de binóculos,

A POMBEIRA

 O primeiro contacto que tive com as “CASCATAS DA POMBEIRA”, no concelho de Castro Daire, foi através dos POSTAIS ILUSTRADOS  (a preto e branco) que correram mundo, divulgando tudo o que de notável e pitoresco existia no município. Isto, graças à iniciativa de alguns comerciantes locais que, procedendo assim, levavam longe, via CTT, o nome da sua FIRMA, mas também o que de mais atrativo havia turisticamente em redor de nós, fosse património natural ou fosse património edificado.

HISTÓRIA

 Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com a biqueira do sapato no degrau do pódio  (menu=categorias) «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" disponível no GOOGLE  (  https://tjukanovt.github.io/notable-people), para respeito e consideração  dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  sem agulhas nem carris, enroscados nos seus covis, eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com a biqueira do sapato no degrau do pódio  (menu=categorias) «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" disponível no GOOGLE  (  https://tjukanovt.github.io/notable-people), para respeito e consideração  dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  sem agulhas nem carris, enroscados nos seus covis, eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

 Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com a biqueira do sapato no degrau do pódio  (menu=categorias) «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" disponível no GOOGLE  (  https://tjukanovt.github.io/notable-people), para respeito e consideração  dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  sem agulhas nem carris, enroscados nos seus covis, eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

 Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com a biqueira do sapato no degrau do pódium  (menu=categorias) «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" disponível no GOOGLE  ( https://tjukanovt.github.io/notable-people), para respeito e consideração  dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  sem agulhas nem carris, enroscados nos seus covis, eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" ( https://tjukanovt.github.io/notable-people) disponível no GOOGLE, para respeito e consideração dos estudiosos e  despeito dos imbecis, sem agulha nem carris, enroscados nos seus covis,  eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" ( https://tjukanovt.github.io/notable-people) disponível no GOOGLE, para respeito e consideração dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  sem agulha nem carris, enroscados nos seus covis, eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

LETRAS VIVAS

Se algum dia, nos meses de maio e junho, de qualquer ano, atravessou a serra do Montemuro e arredores e lhe escapou da vista a sua vestimenta natural de cores várias próximas e distantes. Se fez isso e não sentiu os inebriantes odores lilás, amarelo, verde, branco e demais exalados por tudo o que é ornamento arbustivo que alinda montes e outeiros - deixou escapar, seguramente,  a magia da montanha parida pelas giestas brancas e amarelas, sargaços cinzentos, urgueiras lilás e brancas, a queiró lilás, o tojo amarelo/verde,  tudo isto, nascido a esmo, jardim natural, cosido ao chão, obra de imaginário tecelão que, seguramente, inspirou as rendas e os brocados exuberantes, prateados e dourados,  das dalmáticas clericais e das jaquetas de  toureiros nas suas relações lúdicas com animais e gentes. 

Mas se lhe escapou tal beleza igualmente lhe escapou o valioso préstimo que todos estes arbustos têm na vida do camponês. Para além de alimento para os gados, eles servem para lenhas, estrumes e das raízes da urgueira gandarinha (“Erica Australis” na classificação de Lineu) se fazia carvão, a  principal fonte de energia utilizada nas forjas de ferreiros (tantas e tantos) e lareiras de mosteiros e solares senhoriais.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" ( https://tjukanovt.github.io/notable-people) disponível no GOOGLE, para respeito dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" ( https://tjukanovt.github.io/notable-people) disponível no GOOGLE, para respeito dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Na crónica anterior, com o título em epígrafe, deveras encantado com o FONTANÁRIO que, neste ano de 2023,  a Junta da Freguesia das Monteiras, presidida por Américo Silva, implantou no LARGO DA OUVIDA, um equipamento de estrutura e material lítico serranoS, um autêntico B.I. regional que muito beneficia e enriquece aquele  espaço.

HISTÓRIA

As recentes obras de melhoramento levadas a cabo pela Junta de Freguesia das Monteiras, presidida atualmente por Américo Silva, no amplo espaço que circunda a CAPELA DA SENHORA DA OUVIDA, obrigou-me, como cidadão atento, a fazer um registo em vídeo felicitando aquela autarquia, pois, fazer ali um FONTANÁRIO com água vinda de longe e um caudal daqueles, é obra!

HISTÓRIA

A - CRUZEIRO DA RESTAURAÇÃO NO MONTE DA CABEÇA, 1

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" (https://tjukanovt.github.io/notable-people) disponível no GOOGLE, para respeito dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA 

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" (, https://tjukanovt.github.io/notable-people) disponível no GOOGLE, para respeito dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTORIA

 Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  primeiro historiador, poeta e escritor natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE" (,https://tjukanovt.github.io/notable-people) disponível no GOOGLE, para respeito dos estudiosos e  despeito dos imbecis,  eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS,  natural do concelho de CASTRO DAIRE, com assento no menu «Discovery & Science» de "NOTABLE PEOPLE", disponível no GOOGLE (para respeito dos estudiosos e  despeito dos imbecis),  eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS que, de podão em punho, procura penetrar mato dentro e deixar algumas clareiras abertas na área do conhecimento, prossigo com estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO relativas a LAMELAS.

HISTÓRIA

Assumido lenhador na FLORESTA DAS LETRAS, natural do concelho de CASTRO DAIRE, incluído no menú de "NOTABLE PEOPLE", disponível no GOOGLE,  para respeito dos estudiosos e despeito dos imbecis,, eis-me de podão em punho a penetrar mato dentro e deixar mais algumas clareiras abertas na área do conhecimento relativo a estas PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO, de LAMELAS.

HISTÓRIA

Nunca é demais apelar à juventude estudiosa, nem toda ela de formação «copy/paste»,  que ler e pensar também cansa. E quem produz conhecimento «lendo e pensando» merece preito e respeito pelo seu trabalho intelectual que lega à comunidade académica ou simplesmente curiosa.

Ora, deixando os remotos tempos da «CIVILIZAÇÃO CASTREJA», dos nossos antepassados Celtas, Lusitanos e Romanos, dos quais somos legítimos herdeiros genéticos e culturais, mantendo o TEIXO,  essa árvore de vida longa, que acabei de referir, como elo de ligação entre o PASSADO  e o PRESENTE,  essa  idosa e resistente testemunha do reino da botânica que viu chegar os romanos no século III a.C. que os viu partir no século V vencidos pelos visigodos;  que viu chegar os árabes em 711, comandados por Tarik; que os viu partir em 1492 com a conquista de Granada; que os viu sair do Algarve em 1249, conquistado definitivasmente por D. Afonso III; que viu os povos nativos conquistados pagarem impostos aos povos conquistadores, é tempo de falarmos de uma das preocupações deste monarca. D. Afonso III,  no sentido de saber qual o caminho ou descaminho que levavam os impostos, os foros, a ele devidos. E para isso temos de recorrer às INQUIRIÇÕES DE 1258, mandadas fazer por ele pois elas são ricas a fornecer-nos informações sobre gente rica e pobre.

HISTÓRIA

No capítulo anterior fui buscar aos alforges da LITERATURA a expressão de Camões: «é fraqueza desistir de cousa começada» (in «Os Lusíadas», Canto I, est. 40), expressão válida nesta nossa caminhada sobre o PASSADO e o PRESENTE, acrescida da lição ética que as gerações atuais do «copy/paste» podem aproveitar «dando a César o que é de César».

É que, procurando eu incessantemente garimpar o filão de ouro que é a HISTÓRIA LOCAL, um dos meus interlocutores, com a boa vontade de me ser prestável, apresentou-me um texto impresso em folhas A4, que, nada mais, nada menos, tinha sido escrito por mim. A geração que o copiou, como vai sendo hábito nos nossos estabelecimentos de ensino, básicos e superiores, «esqueceu-se» de referir a «fonte» onde foi saciar a sede de saber. Devem, pois, professores e alunos, corrigir essa forma de investigar e divulgar conhecimento e evitar que os meios de comunicação os divulguem como «plágios», distinto de PELÁGIOS que teráão lugar nestes apontamentos, lá mais para diante.

HISTÓRIA

Este almocreve das letras, que vai deixando a sua pegada nos “trilhos serranos”, transporta nos seus alforges, há muitos anos,  o incentivo de Luís Vaz de Camões, deixado em “Os  Lusíadas” (Canto I, estância 40), a saber:  “é fraqueza desistir de cousa começada”.  Por isso, nesta minha saga de escrever sobre as nossas TERRAS e as NOSSAS GENTES, com gosto em tudo que faço, prossigo,  de mota e “pedibus calcantibus” , nas pesquisas e na divulgação da história de “Lamelas, Pegadas no Tempo  e no Espaço”.

HISTÓRIA - PEGADAS NO TEMPO E NO ESPAÇO

Nascido na aldeia de Cujó, lá cima na serra, entre Almofala e S. Joaninho, menino ainda, correndo montes e vales, a guardar gado, cedo aprendi a distinguir o terreno baldio de uma moita,  uma tapada de uma cerca, um leira de cultivo, de um lameiro e de uma lameira, um terreno destinado somente à agricultura e outro destinado às duas coisas ou somente a pastos e fenos.

HONRARIAS EM PRATA E PEDRA

Todo o historiador, isto é, todo o estudioso que tenha dilatado os seus estudos de HISTÓRIA para além dos conteúdos que dão corpo aos compêndios liceais, ou mesmo os conteúdos administrados em certas Escolas Superiores de Educação, donde saíram muitos professores habilitados a ensinar História nas nossas escolas básicas, sabe bem a forma como, ao longo do tempo, certas honrarias sociais foram obtidas por forma a que os seus detentores se pavoneassem com ares de superioridade perante aqueles que tais honrarias não tinham, nem sonhavam ter.

GENTES DA SERRA

Um senhor transmontano, HERMENEGILDO BORGES, natural de Loivos, foi metido recentemente  no meu rol de amigos mercê das linhas que tecem as «redes sociais».  Ligado a intituições judiciais e com obra publicada sobre a matéria,  entusiasmado com a minha escrita envidou todos os esforços para adquiir o meu livro «JULGAMENTO» editado em 2000. E conseguiu essa façanha pela arte a manha de quem conhece as linhas usadas pelo alfaiate. Logo a seguir sugeriu para eu fazer uma NOVA EDIÇÃO, pois via ali conteúdo de interesse, não só literário, mas também de conhecimento histórico e social. Desiludi-o. Apesar de estar no pleno gozo dos meus direitos de autor, por incumprimento vergonhoso dos deveres contratuais da editora, cujo nome omito intencionalmente, disse-lhe que não  iria investir algo mais que fosse nessa matéria.  E por ali nos ficámos.

Acontece que, dando voltas aos meus arquivos digitalizados encontrei o texto que resolvi partilhar aqui, pois é matéria que deu corpo a esse meu «romance histórico»  publicado e esgotado. Foi e é assim:

RETORNO SAUDOSO 

Prestes a chegar aos meus 84 anos de vida  (v.g. no próximo 10 de junho) quando vejo  ficar, definitivamente, calados, sem voz nem palavra, tantas amigos  que eu ouvia e me ouviam, que me liam e eu lia,  estimava respeitava, sabe-me bem retornar às décadas de 60-70 e, cheio de vigor e vida, entrar no barco que, rasgando as águas do ÍNDICO, tinha ao leme o PROFESSOR ALEXANDRE LOBATO.

TESTAMENTO DE ANDRÉ ASCENSO

Na crónica anterior vimos o demorado e circunstanciado TESTAMENTO DE MARGARIDA RODRIGUES onde se alude a pessoas GRADAS e menos gradas (pobres e viúvas)  do concelho de Castro Verde, nomeadamente Marcos Viseu, cidadão de grande prestígio local sobre o qual já discorri bastante em trabalhos publicados.

Desta vez, volto ao manancial histórico-social e religioso como é todo o TESTAMENTO, instrumento que, como historiador, comparo a um filão de ouro perseguido pelo mineiro, sempre escavar até que ele se esgote, para trazer à luz da digitalização o TESTAMENTO DE ANDRÉ ASCENSO e sua mulher, ambos instituidores de uma CAPELA, onde nem Papa, nem Rei podiam meter o bedelho.E só ler.

Isto tudo, postura esta, graças aos MESTRES que me calharam em sorte na Universidade, por exemplo Joaquim Barradas de Carvalho, professor que foi na Sorbone e na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa.

TESTAMENTO

Durante a última visita que o meu filho Valter, nascido em Beja, me fez aqui, em Fareja, tivemos a oportunidade de ambos  revisitar e dar arrumo aos arquivos com fichas manuscritas e textos dactilografados relativos à investigação que eu e a minha mulher, Mafalda, sua mãe, levámos a efeito em Castro Verde, com aquela avidez de professores de HISTÓRIA que sentem a necessidade de preencher a lacuna que ali encontrámos, relativamente ao conhecimento da HISTÓRIA LOCAL.

Creio até que fomos o primeiro casal de professores (ela natural de Castro Verde e eu natural de Castro Daire) que ali se dedicou a essa meritória tarefa. 

Mas, injustiça seria deixar de fora o professor Alves da Costa, um filho da terra, licenciado em Filosofia, docente que era no Liceu Camões, em Lisboa, que, antes de nós, já se tinha dado ao cuidado de vasculhar os arquivos locais e, com entusiasmo, partilhar connosco as descobertas feitas (não publicadas) e incentivando-nos a prosseguir a descoberta e a publicar o que fossemos descobrindo.

 O MOINHO HIDRÁULICO

Agricultura. Esse milagre do homem sobre a terra. O fim das grandes caminhadas de antanho em busca de frutos, raízes e outras dádivas da Natureza, ora pródiga, ora avarenta. A fixação à terra. O fim da luta pela subsistência incerta e precária. O aproveitamento de extensos e férteis vales irrigados por rios que cedo ascenderam às páginas da Geografia e da História. A construção de recintos amuralhados nos altos dos montes, onde os habitantes estavam sempre atentos e vigilantes ao inimigo que espreita. O arrotear de várzeas, courelas, rugas fundas, entrecruzadas, a cavar o rosto do mundo.

«COMÉRCIO SERRANO»

As povoações trabalhadoras, quer viventes nos meios urbanos quer nos meios rurais, cedo tomaram consciência, individual e coletiva, de que as FEIRAS eram a melhor oportunidade para venderam os produtos que produziam em excesso e para adquirirem os que lhes faziam falta nos seus místeres. E os nossos primeiros reis, no sentido de desenvolverem o COMÉRCIO e cobrarem impostos, logo se mostraram pródigos a fundá-las, ainda que algumas delas tivessem o estatuto de FEIRAS FRANCAS isentas de impostos.

INQUIRIÇÕES DE 1258 E «MEMÓRIAS PAROQUAIS DE 1758»

 Já não é a primeira vez que no decurso deste meu trabalho tenho recorrido às «pegadas» deixadas em verso por Carlos Mendonça. O herdeiro mais novo do SOLAR DOS MENDONÇAS, onde atualmente funciona o Centro de Interpretação do Montemuro e Paiva, em boa hora adquirido pelo Município. Foi um castrense que emigrado para o Brasil, com visitas intermitentes ao torrão natal, deixou mais informação histórica sobre o concelho do que muitos naturais que, por cá ficando, romperam a sola dos sapatos nos passeios da vila, ou os fundilhos das calças nas cadeiras dos cafés, ou ainda nas cadeiras institucionais do poder político e cultural. Infelizmente. Este cidadão no seu périplo por terras do concelho, depois de ter falado de Alva, diz em QUADRA:  

A QUINTA DE RABAELO NA HISTÓRIA

Em crónicas anteriores verificamos que, não podendo os «ricos-homens» fixar-se no concelho de Castro Daire, João Pereira, alcaide-mor de Guimarães e fidalgo da casa Real, conseguiu a carta de privilégio para sancionar as JUSTIÇAS DA TERRA neste concelho, v.g. os «oficiais da Câmara» que tinham nas mãos a gestão do município. Digamos que era o atual EXECUTIVO MUNICIPAL. Foi a forma enviesada da classe «nobre» interferir no poder local. E até que, de forma direta, isso viesse a acontecer, ainda passaria muito tempo. Não é, propriamente, por acaso, que as «casas brasonadas» dentro dos limites do concelho se remetem para o século XVIII.

DA GESTÃO VILÃ ...À GESTÃO FIDALGA

 Falar sobre Castro Daire medieval, com foral dado por D. Afonso Henriques e renovado por D. Dinis, é falar das medidas que este monarca tomou relativas ao nosso concelho no que concerne aos impostos. Foram medidas que, pelo seu significado e alcance, dificilmente se apagariam da memória das gentes.

D. MANUEL VASCONCELOS PEREIRA

O solar brasonado mais imponente sito na vila de Castro Daire é designado Palacete das Carrancas, nome que lhe advém das carrancas esculpidas que ornamentam as duas bicas da fonte que, outrora, jorraram para o tanque que se encontra no primeiro lanço das escadas que dão acesso à capela privativa do solar que, em pleno século XX, foi doada à Fábrica da Igreja da Matriz e passou a chamar-se Capela de S. José. 

Ainda que este palacete apresente uma comprida frente virada para o «Jardim Público» a sua entrada principal, com o brasão de armas sobre a porta, é na fachada de topo, virada para a rua que, do sítio designado «quatro esquinas» sobe para os Paços do Concelho.  Remonta a sua construção ao século XVIII e o responsável por ela foi um cidadão de Castro Daire que veio a ser Bispo de Lamego, de seu nome Manuel Vasconcelos Pereira.

VALE CUTERRA

Se bem se lembra, leitor amigo, a minha crónica anterior reportou-se ao topónimo VALE CUTERRA, à sua presumível localização medieval e atual, topónimo identificador de propriedades rústicas, leiras e herdades, sem referência a qualquer povoado ou casal residentes.

HERÓIS DA SERRA (5)

Quem sair de Castro Daire em direção a Lamego pela ESTRADA NACIONAL N. 2 (ultimamente tão badalada), depois de passar a chamada Reta do Comprido e deixar, à direita, o Restaurante Parque, uns poucos metros adiante encontra, à esquerda, derivando para Cinfães, a estrada 221. Um pouco mais adiante, à direita deriva a estrada que leva ao Custilhão e, mesmo em frente, do lado direito, na curva que vira à esquerda, encontra-se, ainda de pé, mas já abandonada, a casa que foi do último GUARDA FLORESTAL. Um pouco mais à frente a A24 entronca na EN2.

APRENDER NOS LIVROS E FORA DELES

O título em latim usado nesta crónica fui buscá-lo ao Boletim Informativo que foi fundado em Castro Verde pelo Dr. José Francisco Guerreiro Colaço, boletim onde, enquanto docente que fui naquerla vila,  colaborei, até retornar ao meu concelho de origem: Castro Daire.

A profissão obrigou-me a saber e a ensinar o que era a ROMANIZACÃO em todo o território que constituiu o IMPÉRIO ROMANO. E o professor João Inês Vaz, falecido prematuramente, arqueólogo que foi, ex-governador Civil do distrito de Viseu, meu amigo e camarada no Partido Socialista, deixou na monografia “CASTRO DAIRE”, editada em 1986 pela Câmara Municiplal, matéria bastante sobre as marcas dela existentes no concelho. Em boa verdade, fora as pesquisas feitas por conta própria, a ele devo muito do que sei sobre os artefactos romanos que lhe serviram para dar corpo ao CAPÍTULO  dessa MONOGRAFIA, feita conjuntamente com os Drs. Alberto Correia e Alexandre Alves.

TETE - GERALDO, O DESBRAVADOR

Cheguei à cidade de Tete, em Moçambique, no ano de 1962. Conheci ali o Geraldo. Toda a gente conhecia o Geraldo. Ele era o guarda-fios mais antigo dos CTT e morava  numa palhota, nos arrabaldes da cidade de betão, com a mulher negra e uma ninhada de filhos mulatos. Rondaria os 50 anos de idade e chegara à cidade mais quente de Moçambique, uns trinta anos antes de mim.  Foi para ali desterrado, em plena juventude, com o encargo de montar uma linha telefónica que ligasse aquela cidade à povoação de Chicoa, bem perto do sítio onde, muito mais tarde, veio a construir-se a barragem de Cabarobassa, no rio Zambeze.

NOTABLE PEOPLE

Toda a minha postura pública e cívica veiculada através da escrita e da imagem, sejam as ideias postas nas crónicas soltas da imprensa livre ou aprisionadas em livros e em vídeos, sempre levaram colada a minha preocupação de “não envergonhar os meus pais e família, não desiludir os amigos e honrar os professores e instituições que me formaram”, ciente, embora, de que, ao longo do percurso de vida, não estaria isento de erros, de omissões e até de desagrado para certa gente a quem sempre pedi a sua complacência ou retorqui, de volta, fundamentando as ideias que não eram do seu agrado.

Um desses meus escritos incidiu sobre a série  “WESTERN” que correu no canal FOX-MOVIES em 2018. Textos que inclusos foram no livro “PEGADAS MINHAS”, editado neste ano de 2022.

MURALHAS DO MONTEMURO

No topo da serra do MONTEMURO, no sítio designado por PORTAS DO MONTEMURO, ali, onde a estrada nacional 321 salta do concelho de Castro Daire para o de Cinfães, existem os restos, em ruinas, das antigas muralhas do "crasto" que os os nossos antepassados  ali construiram para habitação e defesa.

O INFERNO NO PENSAMENTO

Falar do inferno, falar do reino do Demónio, dessa figura sinistra, esse ser maléfico patrono de bruxas e de bruxos, pai de todos os males do universo, Lucifer, anjo revoltado contra Deus, é  falar do medo que me foi incutido em menino nas aulas de catequese, idade bem pouco propícia à descodificação de metáforas, alegorias e parábolas.

A minha ingénua alma de criança arrepiava-se, dos pés à cabeça, todas as vezes que me falavam daquela extravagante figura e daquele infernal  “fogo inextinguível”, daquele “fogo eterno”  permanentemente aceso, ali, nas profundezas da Terra, naquele sítio, naquele lugar, onde caíam as almas condenadas e de lá não tinham saída. Sítio de flagelação permanente, diferente era do Purgatório, lugar de transição para o Céu onde os bem-aventurados podiam usufruir o eterno gozo, à mão direita do Criador. 

TETE-CHICOA (1) FORMATADO

Quando decorre a GUERRA NA EUROPA, e os ucranianos dão mostras de serem uns autènticos heróis e patriotas, a baterem-se, com unhas e dentes, em defesa da terra natal,  lembro-me de daqueles nossos «heróis e patriotas» (às vezes mais aventureiros e oportunistas) que também dão corpo à nossa HISTÓRIA.  Já em crónicas anteriores, neste mesmo espaço,  me referi a Chicoa, terras de Tete, aludindo à minha estada lá, na condição de funcionário dos CTT, naquela frigideira de Moçambique.

Foi quando eu tinha 22 anos de idade. Mas hoje, com mais 60 dobrados em cima deles,  retorno lá na companhia de Henrique Galvão, um dos PORTUGUESES esquecidos, melhor direi, somente conhecido por ter assaltado o SANTA MARIA  e ter desviado um AVIÃO, sobrevoado  Lisboa, mostrando não estar de acordo com a política  do Salazar. 

Para o ter por companhia, tenho de botar mão ao «fascículo nº 14» da sua «RONDA DE ÁFRICA», edição do «Jornal de Notícias». Já historiei a vida do «Geraldo, sem Pavor», aquele guarda-fios que foi pioneiro, o primeiro funcionário dos CTT a instalar um telefone na Chicoa, o mesmo que eu iria substituir  muitos anos depois. Isto, certamente para agrado de todos os que, pioneiros, patriotas  e heróis ou aventureiros, por ali gastaram a sola das botas e sentiram a urticária do feijão-macado.   Assim:

A  HISTÓRIA E A VIDA

Morena, olhos grandes, cabelos pretos, muito pretos, lisos e luzidios, tinha a aparência física de uma mulher moura ou de indiana.

Conhecemo-nos numa aula de FILOSOFIA, no “Externato Marques Agostinho”, em Lourenço Marques. Namorámos e casámos. E não foram poucas as pessoas, amigas ou simplesmente conhecidas, que, tomando-me, sem dúvida, por caucasiano, a tomavam a ela, não raras vezes, como originária da Índia.

Não. Não era, mas, com efeito, parecia.

RUINAS NO MONTE DA LAPA

Quem, neste princípio do século XXI, se interroga sobre o passado histórico das aldeias do concelho de Castro Daire, ainda encontra na memória oral dos anciãos as informações que S. Joaninho caprichava na sua produção de «queijos» de leite de cabra e de vaca e de que as aldeias do Vilar e da Carvalhosa se projetavam no concelho e arredores pela qualidade da produção de manteiga de vaca, com sal ou sem ele.

HISTÓRIA EM MOVIMENTO

Vimos já o Dr. Antonio Cardoso Girão bem a ompanhado, social e politicamente. Monárquico assumido e defensor da MONARQUIA quando ela já estava visivelmente no seu estertor, deixei a sua biografria resumida no meu livro “IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA EM CASTRO DAIRE - I”, mas não disse lá que, em 1917, ele,  ou alguém por si, bem tentou chegar a identidade dos seus ascendentes remotos.conforme documentos avulsos insertos no dossiê que engrossa o espólio que me foi doado pela esposa  (segundas núpcias) do senhor Fausto Girão (seu filho), Dona Mariazinha, cujos nomes completos se dirão lá mais para diante.

MONARQUIA EM QUEDA

AS PREOCUPAÇÕES MONÁRQUICAS

Em 14 de Agosto de 1907, como prova clara de que os monárquicos sentiam abalados os alicerces do regime coroado com oito séculos de idade, no sentido de lhe darem mais algum fôlego, também el-rei D. Carlos e sua esposa, rainha D. Amélia, visitaram Castro Daire.

AS COISAS E AS GENTES

De há uns tempos para cá, tenho interrompido o telejornal das 20 horas, levanto-me do sofá, desligo a televisão e dou corda aos chinelos até Farejinhas, passando a ponte do rio Paivó, aquele que nasce no Monte dos Testos (Cervela) arredores da Relva (Monteiras),  desagua no Paiva, este no Douro que vai banhar-se no Atlântico, a caldeira que liga continentes e gentes.

IGREJA MATRIZ DE CASTRO DAIRE

Em perfeita consonância com o PAPA FRANCISCO, que é o desejo de ver uma IGREJA CRISTÃ renovada, mais “APOSTÓLICA E MENOS CLERICAL”, um iluminado escultor castrense, PROFESSOR, de seu nome completo JOSÉ LUIS LOUREIRO, congeminou e fundiu em bronze a IMAGEM de um S. PEDRO remoçado, o jovem pescador, diferente daquele S. PEDRO que os crentes se habituaram a ver nos altares e nos andores em dias de procissão, um ancião, de barbas desgrenhadas e chaves na mão.

A ARTE

Não. Pespegado ali, assim mesmo, na parede frontal da Sacristia da Igreja Matriz de Castro Daire, em postura claramente oratória, não, não é Santo António a «pregar aos peixes». Quem se lembra de tal peça oratória escrita e da metáfora nela desenvolvida, pelo Padre António Vieira? Eu a lembro, aqui e agora, recorrendo à forma mais simples, disponível a toda a gente. O GOOGLE:

TEMERÁRIA É A JUVENTUDE

«Conhece-te a ti mesmo», eis o antigo aforismo grego (cujo autor verdadeiramente se ignora) que tenho seguido ao longo da vida, visando não apenas compreender os meus comportamentos, mas também conhecer os comportamentos dos meus semelhantes, para respaldo inteligente do relacionamento civilizado a que está sujeito todo o ser social e político, condenado, de facto, a viver em sociedade e nela deixar (ou não) a sua pegada humana. E pegada humana é a que se segue, posta em letra redonda, para evitar equívocos. Assim:

HISTÓRIA LOCAL

O investigador, por mim conhecido, que mais trabalho deixou impresso sobre a Diocese de Lamego, foi o Padre Jesuíta Manuel Gonçalves da Costa. Basta lembrar os SEIS VOLUMES (com cerca de 650 páginas cada) que ele nos deixou com o título: «HISTÓRIA DO BISPADO E CIDADE DE LAMEGO».

HISTÓRIA LOCAL

O investigador, por mim conhecido, que mais trabalho deixou impresso sobre a Diocese de Lamego, foi o Padre Jesuíta Manuel Gonçalves da Costa. Basta lembrar os SEIS VOLUMES (com cerca de 650 páginas cada) que ele nos deixou com o título: «HISTÓRIA DO BISPADO E CIDADE DE LAMEGO».

MELHORAMENTOS LOCAIS

Como adenda ao que já publiquei no meu livro “IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA EM CASTRO DAIRE - I”, editado pelo Município, em 2010 (feito “pro bono) e também às crónicas e vídeos que publiquei sobre a FONTE DA LAVANDEIRA, e, bem assim, ao texto que publiquei no meu site «trilhos serranos», em 2016, sobre o MONOGRAMA   - CM” - da FONTE DOS PEIXES, e, ainda, aos “acrescentos” que, neste ano de 2021, achei oportuno fazer sobre tudo o que havia publicado, relativo à localização primitiva da FONTE que viria a ser batizada com esse nome, com certidão de idade datada em 1921 (que abordarei mais abaixo, para os mais desatentos ou descuidados), aqui deixo hoje mais alguns apontamentos, que são o produto das investigações que tenho vindo a fazer sobre a HISTÓRIA LOCAL, ligados, exatamente, ao precioso líquido que parece nem todos avaliarem e salvaguardarem, como demonstra o desmazelo em que está votada a FONTE DA LAVANDEIRA e falta de SINALIZAÇÃO.

Afinal, qual foi o EXECUTIVO MUNICIPAL que lhe deu acesso pelo antigo caminho que levava aos BRAÇOS e a todo o VALE DO PAIVA? Terá, essa FONTE, tão pouca importância a ponto de nem sequer entrarem no «rol» das obras realizadas durante a sua vigência, como se vê no atual folheto de PROPAGANDA POLÍTICA do PARTIDO SOCIALISTA, destinado à «caça de votos» no próximo ato eleitoral? O acesso a essa FONTE  e o RESTAURO do PRELO (1855)  feito em 2014, peça única na parafernália dos equipamentos arqueológicos que restaram por aqui como artefactos ligados à comunicação e CONHECIMENTO?

Por estas lacunas se avalia bem a BITOLA pela qual se guiam as nossas FORÇAS PARTIDÁRIAS LOCAIS, para as quais parecem só ter valor as «estradas, fontanários e valetas», como no princípio do século XX. Lamenta-se, pois que neste século XXI, século do CONHECIMENTO e das novas tecnologias,  elas se ficam pelo utilitário e pelo  ENTRETENIMENTO.  

Recentemente fui interpelado sobre a «HISTÓRIA DAS FORÇAS DE SEGURANÇA, EM CASTRO DAIRE», nomeadamente sobre a «HISTÓRIA DA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA», que, no pensar do meu amigo interpelante, tinha precedido a GNR. Eu respondi que não tinha feito um estudo sistematizado sobre essas FORÇAS, mas adiantei que, ao contrário do que ele pensava, na HISTÓRIA DAS FORÇAS DE SEGURANÇA LOCAL a GUARDA REPUBLICANA veio antes da POLÍCIA, pois assim me diziam os jornais locais, no tempo da PRIMEIRA REPÚBLICA,  que eu tinha consultado a preceito e cujas  anotações mantive nos meus ARQUIVOS.  Como me pareceu duvidar das minhas palavras, aqui deixo, preto no branco, o resultado da minha investigação.

Omito as «fontes» (referindo apenas o título e o ano) por saber que anda por cá muito investigador do «copy/paste» e, valendo-se, sem escrúpulos,  do trabalho alheio, o chamam a si, como se fossem eles a «queimar as pestanas» e a «respirar o pó dos arquivos». Assim:  

A minha investigação sobre a HISTÓRIA LOCAL conduziu-me, um dia, ao jornal «Echos do Paiva» (nº  119 de 18 de Novembro de 1917) e por ele fiquei a saber o que transcrevo a seguir, assim:

ALEGORIAS BÍBLICAS OCULTAS CERCA DE 240 ANOS NA IGREJA MATRIZ DE CASTRO DAIRE

 Na capela-mor da Igreja Matriz de Castro Daire, por razões de obras de restauro e conservação do cadeiral do coro baixo, de talha barroca, foram postos a descoberto, no ano de 2017, os dois painéis de azulejos de «padrão pombalino» que aqui se mostram e historiam.

DO ARADO DE PAU À CHARRUA

Quem tiver paciência e se der ao cuidado e ao trabalho de montar um cavalo, um burro ou outra besta semelhante (excluem-se os cavalos que se escondem sob o capô dos potentes automóveis de combustão e aconselha-se a bicicleta com os convenientes e inconvenientes inerentes e decorrentes) e se decidir percorrer os morosos caminhos, as tortuosas veredas e os íngremes trilhos que levam aos distantes TEMPOS NEOLÍTICOS, cerca de 9 mil anos a.C. tomará o bom caminho do conhecimento.

O PREÇO HISTÓRIA

PUBLICADO NO FACEBOOK 

EM 08 DE MARÇO DE 2020


A história não esconde a verdade, nem a glória da minha identidade.  E já que nascido fui para alumiar os salões onde se dança, come e reza em abundância, deram-me o nome de LUSTRE. E LUSTRE que se preza, com luzes de mil matizes, nunca esquece que alumiou os salões de gente ilustre, salões sem medida, refeições de perus, veados, faisões e perdizes, mesa farta, toalha branca, rendada, louça de marca e luzente talher de prata.

 CASTRO DAIRE - COMÉRCIO TRADICIONAL

Refiro-me  às lojas sitas na vila de Castro Daire que vêm dos tempos idos e cujos comerciantes, autênticos heróis que, teste tempo de globalização, resistem à lógica comercial das «grandes superfícies» e continuam a manter com os seus clientes uma relação de afeto e de atendimento personalizado. 

SETEMBRISMO

Tempos conturbados esses, nos meados do século XIX, em que se confrontavam ideias políticas novas com ideias velhas ou ideias mais radicais do que outras e, de permeio, os bandidos e salteadores, descontentes e desertores a darem o seu contributo à desordem pública e ao medo. Todas as revoluções no mundo põem frente a frente ideais diferentes e, na oportunidade, os oportunistas, sem ideias nem valores, ou se tornam seguidistas das partes em confronto, ou então, aproveitando a confusão de indecisão e medos, bandidos e desertores, fugidos, perseguidos e presos.

Foi o caso da Revolução Liberal de 1820, entre LIBERAIS E ABSOLUTISTAS e as que lhe são subsequentes, entre liberais, uns mais do que outros. Refiro-me, aqui, ao SETEMBRISMO, que bem me faz lembrar a «guerra» ideológica e verbal travada nesta campanha eleitoral para o cargo de Presidente da República, onde não faltou sequer a defesa da «pena de morte». E eu, como todos os Portugueses em «CONFINAMENTO», dou por mim a meter o nariz no ficheiro há muito esquecido, tempo em que a pena de morte fazia parte da nossa JUSTIÇA, com veremsos mais adiante. 

TABACO = ERVA-SANTA

No meu livro «Julgamento», editado em 2000, «romance histórico» no qual entrelaço a história documentada com a ficção, fazendo uso de um livro onde eram registadas as «entradas» e «saídas» dos presos na Cadeia Comarcã de Castro Daire, deixei escrito o seguinte:

«NO MINÉRIO TRABALHAVA, TRABALHAVA, TODOS GANHAVAM, SÓ EU NÃO GANHAVA NADA»

O COMENTÁRIO feito ontem pelo conterrâneo SALVADOR relativo ao meu “post” com o título “ESGOTOU-SE O FILÃO”, referindo os últimos volframistas de Cujó que lá pelo ESPINHACELO esgravatavam a vida, nomeadamente o tio LAUREANO, o tio JOÃO CAMELITO, o tio ARTUR e os MADALENAS”, comentário a que eu respondi dizendo que também me lembrava deles, acrescentando que “no meu juízo, eram pessoas humildes, mas sérias”, faz-me voltar a eles por deles reter traços comportamentais dignos de nota, para a gente nova. Assim:

HOMEGAGEM AOS MESTRES DO MALHO E BIGORNA

 Nas CINCO crónicas que escrevi e publiquei, NESTE SITE, sobre a ARTE FORJADA, em “HOMENAGEM AOS MESTRES DA FORJA, DO MALHO E DA BIGORNA”, arte que ainda resta nas janelas e varandas do casario que se estende ao longo da ESTRADA NACIONAL Nº 2, no troço urbano da nossa vila, pode ler-se numa delas:

 “SETE PÃES”

Apesar de estar avisado pelo PROFESSOR DOUTOR Moisés Espírito Santo (sociólogo, etnógrafo e etnólogo) através do alerta por ele deixado no  “Ensaio Sobre a Toponímia Antiga”, colado ao seu livro “Origens Orientais da Religião Popular Portuguesa”, editado em 1988, onde diz que “para a compreensão dos nomes exigem-se conhecimentos e métodos minuciosos ligados ao trabalho de terreno e sobretudo a atenção para valores que escapam a outros profissionais. Descobrir a significação desses nomes é penetrar na lógica do “batismo dos sítios”: quais o sítios e quem lhes atribuiu o nome; a funcionalidade desses nomes; a relação dialética entre os nomes, os sítios e as pessoas que neles moram; o critério da atribuição de um nome e não de outro, as resistências à evolução ou ao desaparecimento dos nomes antigos, etc” (pp 255/256), defensor que sou da preservação dos TOPÓNIMOS pela substância histórica que transportam, atrevo-me a pisar o trilho que me leva à “QUINTA SETE PÃES”, sita ali, entre os Braços e Vale de Matos.

GENTE DA TERRA

Na minha crónica anterior relativa aos meus ascendentes remotos e próximos por parte da minha mãe - OS BERNARDOS - veio a talhe de foice falar do tio FORTUNATO DOS SANTOS, um vizinho meu, e, de caminho, aludi às aventuras que ele me contava enquanto soldado incorporado nas tropas portuguesas que participaram na PRIMEIRA GRANDE GUERRA.

BERNARDOS

As recentes crónicas que publiquei sobre as ruínas das moradias, em Cujó, que foram dos meus pais, nas quais me criei, proporcionaram-me lançar um olhar arqueológico sobre elas, no seu conjunto e cada uma de per si, mais sobre as paredes meeiras entre os vizinhos e o capeado saliente nalguns alçados, em forma de “V” invertido, visando a proteger das águas a moradia ou palheiro situado a nível inferior.

HISTÓRIA 

Quem rodar na estrada 321 que liga Castro Daire a Cinfães e vice-versa, nas proximidades de Picão e da Carvalhosa, mais ou menos a meio desse troço, encontra os sinais de trânsito a apontar para o Rossão e a Gralheira. E seguindo essa estrada, irá encontrar as razões desta crónica.

PRIMEIRA: já em zona planáltica verá, à sua esquerda, um morouço de penedos coroado por uma AZEVINHO que fica mesmo em frente da estrada que, à direita, dá acesso ao “Parque Eólico Arada-Montemuro.

SEGUNDA: a cerca de 800 metros mais adiante encontrará a CAPELA DA CRUZ DO ROSSÃO que se levanta no cruzamento de estradas que levam ao Rossão, Carvalhosa e Gralheira.

 TERCEIRA: seguindo a estrada da Gralheira, cerca de 300 metros depois da Capela, deriva, à esquerda, um caminho carreteiro que leva às tapadas e lameiros existentes na vertente nascente da serra. No topo do primeiro outeiro, junto ao muro que separa a tapada do velho caminho, atualmente entupido de mato, por falta de uso, estão duas CAMPAS ANTOPOMÓRFICAS. Vamos por partes.

QUIJÓ>CUJÓ

Graças ao alerta chegado por parte de um amigo de Cujó, Agostinho Teixeira, em cujo equipamento pessoal não lia o texto integral, que aqui tinha publicado antes, corri a metê-lo agora no presente formato, por forma a corrigir o eventual erro ocorrido no decurso da cópia que fiz do velho site «trilhos serranos.com» para o novo site «trilhos serranos.pt».

Lembrava eu o que escrevi no meu livro «Cujó, Uma Terra de Riba-Paiva», editado1993 e o estudo que vim a fazer posteriormente sobre o topónimo da minha terra natal,  com a ajuda de um LATINISTA, especialista na GRAMÁTICA e na LINGUÍSTICA, tal qual se segue:

O AZEVINHO

 

Decreto-Lei n.º 423/89, de 4 de Dezembro - proíbe, em todo o território do continente, o arranque, o corte total ou parcial, o transporte e a venda de azevinho espontâneo, Ilex aquifolium L.

No concelho de Castro Daire, quem roda na estrada 321 em direção a Cinfães, se, logo depois da aldeia de Picão, virar à direita, em direção à CRUZ DO ROSSÃO, pouco antes de chegar a essa mítica e histórica ermida, vê, à sua esquerda, um destacado afloramento granítico fraturado em fatias disformes pelos guilhos e marretas do Tempo, esse artífice invisível que compete com os mais hábeis mestres na arte de partir pedra. Eu, por exemplo, sempre a partir pedra.

INDÚSTRIA ARTESANAL

Historiador que se preza do ofício, que valoriza o múnus que exerce, e se orgulha da sua naturalidade aldeã, não esquece o seu currículo de vida e nele, entre tantas aprendizagens e experiências pré-universitárias, estão as de pastor, moleiro, agricultor e pedreiro.

INDÚSTRIA ARTESANAL

Um ditado antigo diz-nos que «não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe», e, semelhantemente, por conveniência da narrativa,  eu associo hoje esse ditado aquele outro que nos diz «não há fome que não dê em fartura». Explicando:

Indústria de Tecidos - o Pisão

Para que a teia de lã possa ser transformada em manta ou vestuário terá de ser pisoada e, para isso, lá existe um engenho, o pisão, cujas origens, para não destoar do tear a que anda associado, também não é fácil de situar historicamente no espaço e no tempo.

ORGULHO E FORÇA  DAS  ORIGENS

O conhecimento das comunidades rurais, das suas formas de viver, usos e costumes, carências e adversidades da vida, nem sempre advêm dos livros e da palavra escrita. 

Nos  meados do século XX, a maioria da população portuguesa era analfabeta e muitos dos contratos e negócios dos camponeses assentava na palavra dada. Na «PALAVRA DE HONRA». Em casa, nas feiras ou nas romarias.

 

» História

Catro Daire

ESTRADA ROMANA À ILHARGA DE CASTRO DAIRE 

Menino ainda, não tinha desculpa possível para me recusar a ir onde quer que fosse mandado, alegando desconhecer o sítio: «quem tem boca, vai a Roma», «todos os caminhos vão dar a Roma» eram as frases que sucediam à minha hesitação e confirmavam, depois, o sucesso do recado cumprido. Mas, se cedo aprendi o significado de tão «sábias» expressões, tarde soube que elas eram o fruto de muitos séculos do Império Romano, onde se incluía o território que viria a ser Portugal.

 

REALIDADE E FANTASIA

No dia 23 de julho, todo o dia, a RTP assentou arraiais no Jardim Municipal de Castro Daire para emitir daqui o programa “7 MARAVILHAS DA CULTURA POPULAR”.

Avisado antecipadamente e precavido, peguei no comando MEO e cliquei no botãozinho encarnado, não fosse eu perder o oferecido PITÉU. Quanto custou? Quantos ZEROS teve o cheque ou a ordem de transferência bancária?

PONTE DE CABAÇOS

No afastado ano de 1995, no gozo da minha «LICENÇA SABÁTICA», enquanto professor da Escola Preparatória de Castro Daire, pés a caminho, e toca a pôr em prática o “PROJETO DE INVESTIGAÇÃO APLICADA” que me propus levar a cabo, com o aval do Ministério da Educação e do Professor Universitário Jorge Custódio. Assunto: ARQUEOLOGIA INDUSTRIAL adentro do território concelhio.

Acabado o projeto, passado para o papel grande parte do produto investigado, propus ao EXECUTIVO MUNICIPAL, presidido, então, pelo senhor João Matias, a sua primeira edição, em livro, proposta que foi aceite, ficando a cargo do Município, exclusivamente, os custos da impressão.

A VERDADE E A MENTIRA

Não, não e não!

Um HISTORIADOR não deturpa a HISTÓRIA, nem confunde FACTOS REAIS de trabalho, a forma de ganhar a vida dos PASTORES DA SERRA DA ESTRELA, com RECREAÇÕES FOLCLÓRICAS LOCAIS de ENTRETENIMENTO e de CONVENIÊNCIA, a coberto dos nossos “usos e costumes”.

CRUZADOS, PATACOS E REIS

Iniciado nos estudos da ARQUEOLOGIA pelo Professor António Cavaleiro Paixão, na Faculdade de Letras de Lourenço Marques, durante as exploração que fizemos numa estação PALEOTÍTICA no sítio do MASSINGIR, que ficaria submerso logo que enchesse a barragem que então ali se estava a construir, ficaram-me na memória as técnicas dessa “ciência” e os artefactos que enriquecem o espólio pré-histórico daquela Universidade. E também os quilómetros de estrada que separam aquele sítio de Lourenço Marques, percorridos destemidamente sozinho, durante a noite, metido no meu carro IZUZU BELET.  Zona de fauna selvagem e estradas de terra batida, ao ponto do carro ter mudado de cor ao fim do percurso. Os quilómetros andados, deixo-os para os curiosos e aventureiros que se metam a corrê-los nos mapas da Internet. Isto para memória dos meus filhos e netos, quando um dia, puserem os olhos naquele território e poderem dizer: “o meu avô esteve e passou por aqui”.

O VALOR DA HISTÓRIA

Ontem, um programa que vi na televisão, cerca das 21 horas (já não sei em que canal, nem estou para ir confirmar), levou-me até TRESMINAS (Trás-os-Montes), sítio de exploração de ouro levada a cabopelos romanos durante o seu domínio territorial.

ARQUEOLOGIA INDUSTRIAL

No meu livro “CUJÓ, UMA TERRA DE RIBA-PAIVA” existe um capítulo sobre a indústria moageira tradicional, com referência a todos os moinhos hidráulicos existentes ao longo dos rios Calvo e do rio Mau, mas também a referência à MOAGEM que, por falta de água nos rios, levou o meu pai, Salvador de Carvalho, de parceria com os Tibérios (os Teixeiras) a instalá-la por forma a que nela os cereais fossem transformados em farinha. O meu pai fornecia as instalações, as mós, o correame e mais apetrechos e  os Tibérios o motor da sua malhadeira, primeira e única na povoação, nessa altura.

 


Pisão

IINDÚSTRIA DE TECIDOS - O PISÃO

Para que a teia de lã seja transformada em manta ou vestuário terá de ser pisoada e, para isso, lá existe um engenho, o pisão, cujas origens, para não destoar do tear a que anda associado, também não é fácil saber.

 

Engenho movido a energia hidráulica (ver figura) o seu equipamento é constituído essencialmente por uma «roda motriz», exterior ao edifício. Girando à força da água, o «eixo» que nela entronca, atravessado por duas «esperas», «dobadoiras» ou «levas» que nele são colocadas, em cruz, a pouca distância uma da outra, constituindo como que os cotovelos de uma cambota, transmite  o  movimento   aos  «maços»   que,    alternadamente,  são forçados a levantarem-se e a caírem soltos sobre a teia colocada na «masseira», ou «caldeadoiro».


 

Construído com materiais existentes na região, este tipo de engenho bem pode ser considerado um dinossauro no reino da técnica. Troncos e barrotes de madeira, geralmente carvalho e castanho, adquirem a forma e os nomes próprios dados pelo traçador, pela serra braçal, pelo machado e pela enxó. São os nomes que lhe advêm da função e do lugar que cada peça toma no corpo do «maquinismo» : roda motriz, eixo, esperas (levas), rabadilhas, maços (ou malhos), chavelhas, merendos, barelas, entroncas, masseira (ou gastalho/caldeadoiro) etc.

Só a «caldeira» é de cobre. Só a caldeira não é de fabrico doméstico. Suspensa sobre a «fornalha»  tem por função enviar permanentemente água quente para a masseira e manter a teia humedecida para facilitar o aperto do tecido.

O pisoeiro vela por isso. De tantas em tantas horas, utilizando o «pejadoiro» (tábua que, atravessando a parede, foi colocada a jeito de desviar a água da roda motriz, sem se sair do interior das instalações) imobiliza o engenho e, agarrando uma ponta da teia, enrola-a no «orgão» de madeira (tipo rodízio de tirar água ou terra de poços), colocado mesmo ao lado, a fim de aferir o aperto e a textura do tecido. Se está capaz, vai colocá-lo ao sol, estendido nos lameiros circundantes. Se não está, devolve-o à masseira (uma espécie de gamela cavada num tronco de árvore) e recomeça o processo.

Dos pisões que ainda laboravam nos meados deste século no concelho de Castro Daire, só restam três e um deles arrancado ao seu habitáculo de origem a fim de não levar o destino dos outros. Todo o engenho, já em franca degradação, deixou a Ponte  da   Ermida,    ali,   onde   se  juntam   os   ribeiros  de Mouramorta e da Carvalhosa, e foi levado para o Mezio, em 1987, onde foi recuperado e montado  a  coberto de novas instalações construídas de granito.

O  outros  dois  situam-se  na  freguesia de Pinheiro, no ribeiro da Carvalhosa, a uns escassos 500 metros da arruinada e medieval povoação do Bugalhão. Um, situa-se na Fonte Branca, e o outro, na Ruínha, este a escassos 100 metros a montante daquele.

O da Fonte Branca era, nos fins do século passado, propriedade de  João da Costa Pinto, de Cetos. Passado aos herdeiros, acabou nas mãos de António da Costa e deste passou a Celestino Inácio de Paiva, do Sobradinho, que casou com uma filha daquele que, em meados deste século, havia-de ser conhecido nas redondezas por «António Pisoeiro».

O da Ruinha pertence actualmente a Guilherme da Costa, de Picão.

NOTA: A DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO «PISÃO» CONSTA DO MEU LIVRO «CUJÓ, UMA TERRA DE RIBA-PAIVA» PUBLICADO EM 1993 E TAMBÉM NO MEU LIVRO «CASTRO DAIRE, INDÚSTRIA, TÉCNICA E CULTURA» PUBLICADO EM 1995. FIZ A TRANSCRIÇÃO PARA ESTE MEU SITE, HOJE MESMO, A FIM DE PARTILHÁ-LA NO MURAL DO FACEBOOK, FACE À PERGUNTA DE UM CONTERRÂNEO MEU, QUERENDO SABER PARA QUE SERVIA O PISÃO.

É O QUE VOU FAZER DE SEGUIDA.





RESTAUROS DE VIDA

Nascido em 1939, criado numa aldeia serrana - CUJÓ - com características vincadamente medievais no viver coletivo, desde a economia agro-pastoril, às habitações cobertas de colmo, técnicas agrícolas e indústrias artesanais a condizer, o uso das energias animal, humana e hidráulica nas tarefas necessárias, a tal forma de viver se ligavam os equipamentos destinados à iluminação, também eles a remeterem para esses tempos longínquos, básicos e primários, v.g. a agulha de pinheiro, a pinha, a vela, a candeia e lanterna alimentadas a petróleo.

COMÉRCIO LOCAL

E aqui chegados, temos de volver ao princípio e sublinhar que as iniciais “F.S.” intercaladas entre o nome e o apelido, a identificar o proprietário do edifício, inscritos na sua frontaria, seguidos da data 1888, são a forma abreviada de FIGUEIREDO SIMÕES. E repescá-las para aqui escritas por extenso, não é despiciendo nesta nossa caminhada na companhia de RITA AUGUSTA DE FIGUEIREDO e o papel que ela desempenhou, enquanto empresária comercial nesta vila.

COMÉRCIO LOCAL

Nestes meus trilhos serranos, caminhando, por enquanto, sem apoio de bengala (nunca tive bengalas na vida) tropecei hoje num assunto da HISTÓRIA LOCAL que desde há muito trago sob a mira. A razão de só ter acontecido neste ano de 2020 ficará explicada na presente crónica dividida em QUATRO PARTES.

COMÉRCIO LOCAL (continuação)

Nestes meus trilhos serranos, caminhando, por enquanto, sem apoio de bengala (nunca tive bengalas na vida) tropecei hoje num assunto da HISTÓRIA LOCAL que desde há muito trago sob a mira. A razão de só ter acontecido neste ano de 2020 ficará explicada na presente crónica, dividida em QUATRO PARTES. 

COMÉRCIO LOCAL

Nestes meus trilhos serranos, caminhando, por enquanto, sem apoio de bengala (nunca tive bengalas na vida) tropecei hoje num assunto da HISTÓRIA LOCAL que desde há muito trago sob a mira. A razão de só ter acontecido neste ano de 2020 ficará explicada na presente crónica, dividida em QUATRO PARTES.

APESAR DE TUDO...PROSSIGO...

Retomo a notícia que publiquei no “post” anterior arrancada do jornal “O Castrense” de 1929. Lembram-se? Aquela que referia o projeto que os responsáveis dos “Caminhos-de-ferro do Vale do Vouga” tinham em mente e que era ligarem as povoações de S. Pedro do Sul a Lamego, via Castro Daire, por um dos dois traçados alternativos,  ainda em estudo. Dele deixei registo bastante ligado à reunião que, para o efeito, teve lugar nos Paços do Concelho.

APESAR DE TUDO...PROSSIGO...

Neste tempo, em que tanto se fala de mobilidade humana e do retorno aos “transportes ferroviários”, vem mesmo a calhar falar de um SONHO que, em 1929, se alimentou nestas terras do interior, hoje ditas “desertificadas”, "sem gente", de “baixa densidade demográfica”.

E, para isso, nada melhor do que botarmos mão aos jornais antigos, aos jornais do tempo, onde os SONHADORES DE PROVÍNCIA deixaram rasto em letra redonda, mais especificamente no jornal “O Castrense” impresso no prelo ALBION que, em 2014, sob a minha orientação técnica, foi restaurado e exposto no Museu Municipal de Castro Daire. Nunca me canso de dizê-lo, que mais não seja, para acirrar os ânimos de todos os que, sentados nas cadeiras do PODER LOCAL, preferem o escuro do “silenciamento” à iluminação da informação, da história e cultura da nossa terra. Ainda bem que nesta minha página não metem bedelho.

PASSADO VIVO

Quem navega nos suportes de escrita analógicos, que não só os trazidos pelas novas tecnologias (das quais faço uso, com muito proveito) cirandando pelas ruas e ruelas da nossa vila ou pelas suas povoações aninhadas na serra, tem sempre que contar, que divulgar e que aprender. Falo de livros e de jornais. 

GENTE DA TERRA - GENTE ESQUECIDA

Por sugestão do General José Agostinho Melo Ferreira Pinto, cidadão de Castro Daire, atento aos trabalhos que tenho andado a publicar sobre as «nossas terras e as nossas gentes», incluindo as pessoas mais graduadas e as mais humildes, interpelou o meu silêncio sobre o Doutor Albano Pereira Júnior (já falecido) natural de Santa Margarida, catedrático que foi da Faculdade de Farmácia de Lisboa.

 PROVOCAÇÃO INTELECTUAL

No tempo em que tanto se fala das «novas tecnologias» e das movimentações humanas, políticas, económicas e outras decorrentes do fenómeno «WEB SUMMIT» que abriu portas lá pela capital do reino, nem de propósito e à laia de «provocação» a minha EQUIPA DO FACEBOOK trouxe aos espaço das MEMÓRIAS a foto que alojei no meu mural, em 2012, relativa a uma velha máquia a vapor que acionava as mós de um «lagar de azeite» na velha serração da Soalheira, ali, na Vitoreira a mirar Castro Daire. Era no tempo em que, à míngua de relógios (bem ao contrários dos tempos que correm)  o «APITO» dessa ou de outra  máquina a vapor que ali laboravam marcavam a abertura e o fecho das lojas comerciais da vila de Castro Daire.

A história dessas máquinas a vapor está relatada no meu livro «Castro Daire, Indústria, Técnica e Cultura», editado em 1995 (há muito esgotado), e, por isso mesmo,  é que me dei ao cuidado de publicar no Facebook uma «relíquia» sobre a qual discorri nesse meu livro. Assim:

TEMPOS IDOS

No meu livro “Julgamento” (romance histórico), editado em 2000 (esgotado), cujo enredo situei no último quartel do século XIX, coloquei o protagonista Meritíssimo Juiz, Augusto Prudêncio, recém-chegado a Castro Daire, a passear-se pela vila no dia da histórica feira quinzenal.

Recentemente, um dos meus filhos, passeando-se comigo nessas mesmas ruas, interpelou-me sobre até onde eu, na narrativa, fundira a história com a ficção, pois não via quaisquer sinais da feira por mim referida nas ruas que ambos pisávamos.

Expliquei-lhe que, em tempos idos, distendidos até à década de 80 do século XX (digamos, até ontem) a feira quinzenal do “Crasto”, tal como escrevi nesse livro, tinha lugar assegurado nas artérias do burgo vilão, havendo até posturas municipais  que demarcavam os espaços para os feirantes e identificavam os produtos postos à venda em cada um deles, por forma a que ninguém  pudesse furtar-se ao pagamento do “terrado”.

OS DOCUMENTOS E A HISTÓRIA

Entre essas transcrições dos muitos documentos que consultei nos arquivos de Castro Verde (Alentejo),enquanto ali fui professor na Escola Preparatória daquela vila, estão aquelas que se referem aos contratos de «arrematação» das pinturas dos quadros da Igreja da Sª dos Remédios.

 

OS DOCUMENTOS E A HISTÓRIA

 

A favor do primeiro transcreve parte de um termo de pagamento que eu lhe facultei exarado num dos livros da Confraria de S. Miguel. A favor do segundo afirma haver quem «atribua a feitura dos quadros ao pinto Diogo de Sousa», apoiando-se numa monografia de Loulé, onde se pode ler: «Diogo de Sousa, natural de Loulé,  pintor que foi mestre de Diogo Magina. Fez as pinturas da Igreja de Castro Verde no Alentejo e as batalhas de D. Afonso Henriques, que estão na Igreja dos Remédios da mesma vila». (pp 74)

» História

Igeja dos Remédios em Castro Verde

OS DOCUMENTOS E A HISTÓRIA

Por gentileza, a Câmara Municipal de Castro Verde fez-me chegar, muito recentemente, as edições que tem patrocinado. Li, com agrado, «O Termo de Castro Verde», vol. I, da autoria do Dr. João José Alves da Costa.

 

PATRIMÓNIO HISTÓRICO

Do meu livro «HISTÓRIA DE UMA CONFRARIA -1677-1855», editado pela Câmara Municipal de Castro Verde, em 1989, destaco para aqui o que nele escrevi sobre a «Fonte Santa de S. Miguel», baseado nos manuscritos que consultei, enquanto professor que fui na Escola Preparatória daquela vila, entre 1976 e 1982/83.

 

CAHIMITE=SALGUEIRO MAIA

Na minha crónica anterior, sob o título em epígrafe, a propósito da colocação de uma viatura CHAIMITE à entrada da vila de Castro Daire, junto ao Intermarchê, discorri sobre o nome da viatura e os episódios históricos para onde este nome remetia, e bem assim para as personagens envolvidas, um encontro entre Mouzinho de Albuquerque e Gungunhana, em 1895, em CHAIMITE.

GUERRA COLONIAL

Consulte-se qualquer livro de história, compendiada ou não compendiada, primária, secundária ou universitária,  ligada ao ESTADO VELHO ou ao ESTADO NOVO, consulte-se o GOOGLE e logo se descobrirá que a palavra CHAIMITE aparece necessariamente associada a MOUZINHO DE ALBUQUERQUE., e ao fim do IMPÉRIO VÁTUA, em Moçambique.

ESTRADA CASTRO DAIRE, CARVALAHAL, ALMARGEM e VISEU.

INTRODUÇÃO

Mesmo com a experiência viva de haver por cá quem se aproveita das fontes que cito nos meus textos, para aparecerem aos olhos do público como sendo eles a queimar as pestanas a descobri-las, retirando delas a informação necessária à elaboração de HISTÓRIA séria, nem por isso deixo de cumprir a básica regra académica e científica: identificá-las por forma a que todo o investigador sério das «CIÊNCIAS SOCIAIS» possa confirmar e valorizar a hermenêutica patente em tudo quanto faço, renegando a “atitude do chico-esperto” que, identificada a fonte por mim,  recorre, pelo telefone,  à solicitação de fotocópias tiradas dos documentos originais, omitindo os «trilhos» que seguiu para dar «ares de originalidade» nos trabalhos que publica.

É uma questão de ESCOLA e de MESTRES com quem aprendi, uma questão de respeito por mim próprio, pela ciência a que me dedico e aos estabelecimentos de ensino que me diplomaram em HISTÓRIA. Dito isto, avivada que fica a memória desses “oportunistas»,  eis, aqui o produto da investigação que me absorveu muito tempo a ler a «imprensa local»  de molde a retirar dela a informação sobre o tema em apreço, v.g. a abertura da  «Estrada do Carvalhal», um melhoramento rodoviário de incontestável valor a ligar a sede do concelho, a vila de Castro Daire, à capital do distrito, a cidade de  Viseu.

Pág. 1 de 3