Trilhos Serranos

Está em... Início História HISTÓRIA, LITERATURA E POESIA
sexta, 03 setembro 2021 08:49

HISTÓRIA, LITERATURA E POESIA

Escrito por 


"Disse então a Veloso um companheiro

(Começando-se todos a sorrir):

"Oulá, Veloso amigo, aquele outeiro

É milhor de decer que de subir."

"Si, é (responde o ousado aventureiro);

Mas, quando eu pera cá vi tantos vir

Daqueles cães, depressa um pouco vim,

Por me lembrar que estáveis cá sem mim."

(Canto V, 35)

Antes pelo contrário, embarcadiço na nau "HISTÓRIA" integrada na frota "Expansão Portuguesa em Moçambique" construída, tábua a tábua, pelo Capitão-de-Mar-e-Terra, Alexandre Lobato, tenho navegado nas águas do Índico, nos anos que vão de 1498 a 1530, na companhia de Camões e outros mareantes saídos das docas, da ralé, do clero, da nobreza, governados e governantes. E nessas águas e terras distantes, também encontrei um Veloso, não o Fernão, das fanfarronadas cantadas pelo nosso vate maior, mas o Gaspar que foi alcaide-mor da capitania de Moçambique.

Homem diligente, pronto a socorrer as naus da Índia e as gentes que ali chegavam e condições deploráveis ou carregadas de especiarias, pronto estava igualmente a regressar ao Reino bem "abotoado" com o produto do contrabando da mercancia que, todos os dias, no mar e em terra se fazia.

Mas nisso não teve do seu lado Cristóvão de Távora, empossado em cargo superior. Com razão ou por cabala, acompanhado de João de Lemos, escrivão de Sofala, mandou tirar uma devassa geral na qual achou tão culpado Gaspar Veloso que o mandou prender e sequestrar toda a sua fazenda, substituindo-o, então, no cargo por Jorge Figueiredo que era escrivão.

Chegado ali Fernão da Alcáçova, Cristóvão de Távora mostrou-lhe a devassa, sublinhando que o estado da feitoria era uma "casa de pimenta que aqui está de partes onde estavam umas jarras de cânfora da qual fazenda ele tinha a maior parte roubada".

Devassa feita, papelada lida, apurados os factos, reais ou aparentes, não isentos de intriga, seguramente, não eram muito diferentes os homens de antigamente, dos homens de hoje, do rouba, ensaca e foge. 1517 era o ano. E Veloso, no ledo engano de enriquecer como tantos que, com treino, nas naus, nas caravelas, nos bateis sem quilha faziam contrabando no mar e na terra, ficou preso na ilha, à espera de ser recambiado para o Reino.



Disse então a Veloso um companheiro

(começando-se todos a sorrir)

De alcaide passaste a prisioneiro

Sabes agora o que é descer e subir.

Sim, respondeu o ousado aventureiro

Mas quando vi tanto ladrão por aí

À solta, eu pra cadeia depressa vim

Por me lembrar que estáveis cá sem mim.



Abílio/setembro2015

 

NOTA: publicado no FACEBOOK em 2015

Ler 37 vezes
Mais nesta categoria: « FAREJA - CASA DE FÉRIAS
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.