Trilhos Serranos

TENTAÇÕES

Na nossa cultura e viver coletivo tudo o que se devia do normativo social, põe na boca da generalidade das pessoas um "credo", um "abrenúncio" ou a expressão "coisas do demo".  Será isso?

TEXTO PUBLICADO NO FACEBOOK EM 28-02-2016

No pós-guerra a febre do volfrâmio não deixou as gentes da serra.

O meu pai, a viver em Cujó, negociava em minério e um dia, ao cair da noite, dois supostos amigos seus da vila de Castro Daire, vindos de Almofala, dado o adiantado da hora, diziam, pediram-lhe para pernoitarem em nossa casa. Outros tempos em que sendo as distâncias curtas, longas as tornavam os difíceis acessos, carreiros e caminhos existentes. Hospitaleiro e confiante, o meu pai, ignorando os intuitos maléficos dos falsos amigos, deu-lhes a ceia e pô-los a dormir na casa onde guardava os sacos do minério em trânsito, algum dele retido ali por motivo de baixa de preço e aguardar a subida. Meteu as raposas no galinheiro.

EUTANÁSIA

TEXTO PUBLICADO NO FACEBBOK em 20.02.2020

Passei a tarde no PARLAMENTO a ouvir o debate sobre a despenalização da EUTANÁSIA e/ou MORTE MEDICAMENTE ASSISTIDA. Pacientemente. E durante todo ese tempo ouvi muita vez a expressão CUIDADOS PALIATIVOS. E todas as vezes que era proferida, vinha-me à mente o texto que escrevi e publiquei em 16 de março de 2016 no meu site TRILHOS SERRANOS, do qual transcrevo para aqui o que julgo a propósito. Referia-me aos LARES por este país em fora, em tempos que o programa televisivo “SEXTA ÀS NOVE”, de Sandra Felgueiras, et alli, era coisa do porvir. É o seguinte:

UM REVOLUCIONÁRIO

Um dedo revolucionário. Desenvolvido na posição oponível aos demais dedos das mãos, foi graças a ele que os HOMINÍDEOS puderam fazer a sua caminhada evolutiva, puderam subir às árvores e, solidário com os demais companheiros na sua função preênsil, permitir que esses nossos antepassados (e outros) se deslocassem de ramo em ramo, ora alimentando-se de folhas e frutos, ora defendendo-se dos seus atacantes no solo, ora permitiram o “fabrico” de instrumentos de trabalho, de ataque e defesa.

ORIGENS

Tambores Moçambique/1963

Estou em Tete. Ano de sessenta e três. A noite promete e saio mais uma vez da cidade. Sozinho, à espinheira atento, sigo o meu caminho e penetro mato dentro. Temerária é a mocidade!