Trilhos Serranos

LITERATURA E VIDA

A generosidade do administrador da página "LITERATURA E POESIA" e de outros “pares do reino” que nela tomam assento, dando-me conta de terem lido as “pobres letras” que nela vou publicando de quando em vez, recentemente o texto sobre a bicheza miúda que nos rodeia (aquela que nos emporca ou asseia) encorajaram-me a repescar e trazer à tona as “palavrinhas” que se seguem, que mais não são do que o “bafio” de um capítulo do meu livro “Julgamento”, editado no ano 2000, há muito esgotado. Assim:

NOTABLE PEOPLE

Toda a minha postura pública e cívica veiculada através da escrita e da imagem, sejam as ideias postas nas crónicas soltas da imprensa livre ou aprisionadas em livros e em vídeos, sempre levaram colada a minha preocupação de “não envergonhar os meus pais e família, não desiludir os amigos e honrar os professores e instituições que me formaram”, ciente, embora, de que, ao longo do percurso de vida, não estaria isento de erros, de omissões e até de desagrado para certa gente a quem sempre pedi a sua complacência ou retorqui, de volta, fundamentando as ideias que não eram do seu agrado.

Um desses meus escritos incidiu sobre a série  “WESTERN” que correu no canal FOX-MOVIES em 2018. Textos que inclusos foram no livro “PEGADAS MINHAS”, editado neste ano de 2022.

- É uma “SURPRESA!”

Foi essa a expressão usada pelo meu filho mais novo, VALTER, quando me informou da aquisição de uma nova “LURA”, afastada  (300 quilómetros de distância) do formigueiro humano que se movimenta e desliza como águas de invernia nos rios e ribeiras de leito asfaltado, nas avenidas, ruas e becos da cabeça do REINO e arredores, com rotundas, pontes, viadutos e túneis iluminados dia e noite.

MURALHAS DO MONTEMURO

No topo da serra do MONTEMURO, no sítio designado por PORTAS DO MONTEMURO, ali, onde a estrada nacional 321 salta do concelho de Castro Daire para o de Cinfães, existem os restos, em ruinas, das antigas muralhas do "crasto" que os os nossos antepassados  ali construiram para habitação e defesa.

QUANDO OS «NÚMEROS» SÃO GENTE

Em 2015 publiquei no meu mural do FACEBOOK um texto sobre o ARINCU, O VAGA-LUME, O PIRILAMPO (três nomes para o mesmo inseto) que transpus depois para os meus TRILHOS SERRANOS, e, em texto recente, trouxe novamente a lume.