Trilhos Serranos

Tenho pautado a minha postura de cidadão, atento à nossa TERRA e às nossas GENTES, por falar e escrever de pessoas que, por uma razão ou por outra, se tornaram senão figuras públicas, conhecidas, pelo menos, por muita gente.

Penso que era um Tecktel. De cor preta, pelo curto e luzidio,  orelhas de elefante caídas para o pescoço, face e lábios acastanhados, não era um baixote de pura  raça, igual aqueles que por aí andam a varrer o chão com a barriga, tal como os que vejo no Google, aqueles que lhes falta em altura o que têm a mais de comprimento.
O seu dono, João Codovil, era meu amigo e economista de profissão, a desempenhar funções na Câmara Municipal de Castro Verde.
Às vezes caçávamos juntos e ele, face ao olhar pasmado dos outros caçadores quando viam o seu estranho «perdigueiro», logo fazia questão de mostrar o que ele era capaz de fazer, já que, só de vê-lo e à partida, qualquer caçador de perdizes nunca imaginaria tê-lo por companheiro a atravessar lavradios e descampados de espingarda aperrada pronta a disparar sobre a peça de pelo ou de pena que lhe saltasse à frente e ficasse ao alcance da sua mira.

Como professor que fui de História e de Português na Escola Preparatória de Castro Daire, sempre preocupado em ligar a História e a Literatura à vida, seleccionei, propositadamente, para leitura o conto de Sophia de Mello Breyner Andresen que tem por título «O Búzio».E qual a razão desta minha escolha? Vejamos alguns excertos desse conto, a fim de melhor podermos estabelecer a ligação que ele tem com o título deste meu registo. Assim:

O meu amigo pessoal e virtual no Facebook, Albino Poças, lembrou-se de trazer ao seu mural a questão da TRANSUMÂNCIA ligada à serra do Montemuro. Foi à Internet, fez pesquisa e, por esse meio, procurou dar o seu contributo ao conhecimento do fenómeno que durou séculos e que o tempo, qual cordel onde se estende a história humana, a sua economia, organização política e social, etc, deu por finda na década de 90 do século XX.
Baseando-se em material recolhido naquele «mare magnum» de informação, alude ao fenómeno histórico da deslocação dos gados em todos os tempos e lugares, para se centrar na transumância dos gados da Serra da Estrela para o Montemuro e vice-versa, acompanhados dos seus pastores e dos seus cães.


Diana, era o nome dela
Perdigueira, híbrida raça
E em tantos anos de caça
Nunca tive melhor cadela