Trilhos Serranos

Está em... Início Ficção

ARREDORES DE LAMELAS, CASTRO DAIRE

Se recuarmos no tempo e tivermos em conta todos ingredientes históricos encontrados em manuscritos e textos impressos, poderemos até elaborar uma "estória" de fantasia para encanto de meninos e gente adulta crédula nas mais infantis patranhas. Digamos que, a partir de material histórico, temos pano sobejo para uma narrativa ao gosto popular e de encanto para criancinhas que, ávidas de aventuras fantasiosas e lendárias,  ficam, de boca aberta, encantadas com tudo o que lhes contam os adultos, quando os querem entreter e nelas despertar a criatividade, a imaginação e o gosto pelas narrativas que metam ação, heróis vitoriosos e vencidos. Bons e maus. É o que vou fazer a partir de agora, tal como fazia com os meus filhos pequeninos para eles adormecerem inventando "estórias" sem fim e só com eles a dormir o sono dos anjinhos,  eu poder prosseguir os meus trabalhos profissionais (corrigir os testes dos alunos) que dispensavam tais estorietas e exigiam o rigor pedagógico e científico na avaliação. Então era assim, escrito em itálico, não vá alguém tomar por verdadeira a "estória" cerzida assim com alguns fios e liços de história autêntica:

A BOLA


Esta é que é!

Até consola

Ver e ouvir a gente

Rir de contente

Chorar de tristeza

Na mesa

Do café

A falar da bola:

 

UTOPIA

Ontem, com o título em epígrafe, recebi surpreendentemente do meu ex-professor e Mestre Dr. Francisco Cristóvão Ricardo, o texto que se segue:

 DEVOTO DE DIANA (5)

Ora, eu que, depois de Aquilino Ribeiro ter mandado CAIR O PANO em o "Tombo no Inferno", desafiei o leitor/espectador a acompanhar-me neste proscénio, nesta cavadela de enxada feita num cantinho de terra que escapou ao bico da relha do experimentado homem da rabiça, vejo chegada a hora de, por minha conta,  mandar CAIR O PANO, definitivamente. E cai. Mas não sem primeiro eu estar convencido de que, se essa peça, por ventura, um dia voltar a subir ao palco nacional, não dispensará esta minha ADENDA. Precisará mesmo dela.

 DEVOTO DE DIANA (4)

Na linha do que deixei escrito no primeiro texto, onde aludi a questão da REGIONALIZAÇÃO e ao pecado secular da CENTRALIZAÇÃO que despovoa grande parte do território português, na esperança de que os meus amigos facebokianos se interessem pelo assunto e pelo LIVRO aqui reitero que urge educar, descentralizar, regionalizar, defender a coesão territorial e social. É preciso que cada um de nós ajude a manter de pé este Portugal periférico. É tempo de esvaziar o sentido a expressão queirosiana: "Portugal é Lisboa e o resto é paisagem". Eu faço a minha parte. 

 DEVOTO DE DIANA (3)

Já deixei claro que, neste meu livro, em muitos passos, fui acompanhado por Aquilino Ribeiro, o meu escritor de eleição.  Várias foram as suas obras que me fizeram passear por cidades, vilas, aldeias, montes e serras do Portugal bárbaro do seu e do meu tempo, cujos habitantes, analfabetos, o não liam, mas que lhe serviam de matéria plástica para a sua escrita e pensamento. É ele próprio que o diz. Com ele estive na imponente Catedral de Córdova, com ele estive noutros monumentos nacionais citadinos e, com ele, acabei por fixar-me numa aldeia sem localização geográfica, pois mais não é que a designação de uma terra que integra uma sua peça de teatro: "Tombo no Inferno".

 DEVOTO DE DIANA (2)

Disse na postagem anterior que a opção por um editor e por uma tipografia sediados em  CASTRO DAIRE/VISEU se deveu ao pensamento regionalista e descentralizador que há muito perfilho, em pensamento e obras. Isso poderá ver-se nos livros já editados e órgãos de comunicação em que tenho colaborado desde que ando por aqui, por estas terras de fraguedos, de matos e de semeadura,  a fazer da palavra relha e a lançar sementes, não  já no agro, mas nas mentes.

 DEVOTO DE DIANA (1)

O meu novo livro "O HOMEM DA NAVE, DEVOTO DE DIANA", editado pela PCPUBLIARTE, ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ) com sede em CASTRO DAIRE, empresa gerida por LINO MENEZES, homem ligado ao teatro (ator e encenador que foi das "GIESTAS DO MONTEMURO"), entrado na tipografia em novembro de 2015, acaba de sair do prelo. 

São 135 páginas de formato 15x21 e 63 fotografias (sépia) relativas aos assuntos tratados. Vai ser posto à venda na próxima segunda-feira, dia 4 do corrente, e um dos meios de aquisição pode ser pelo correio eletrónico acima referido. É só contactar a firma.

 

INFERNO (8)

No dia em que vão canonizar dois papas, prossigo e ponho fim ao número de artigos, cuja matéria está alojada, há alguns anos, no meu velho site. E, bem a propósito, vou ilustrar este último com o desenho que inicia a edição «Divina Comédia», (Edição Sá da Costa, 1958), livro de grande influência na descrição de todos os infernos que nos foram apresentados nos «catecismos» de infância. Continuando:


Lá, nos confins do globo, algures nos trópicos ou polos opostos, onde  vive uma tribo que ignora o mundo e o mundo a ela ignora (se tal é possível nos tempos de agora) lá, onde espreita o urso, o leão, o lobo e outros animais da selva, pode estar, nesta hora,  a ter lugar o ritual da morte ligado a um membro dela que, por qualquer sorte e de qualquer idade, deixou de falar, cantar, dançar e passou a viajar no espaço que se convencionou chamar "eternidade".

CIOSO COMBATE

Um dia, a criada de um clérigo, que tinha por sua conta e risco rapar-lhe a coroa do tamanho de uma hóstia,  prestes a arrumar a tesoura, eis que, num rompante, emergindo da densa floresta cabeluda, entraram na clareira  três animais minúsculos, por si desde logo identificados. Dois deles brigando.

Namoravam havia alguns anos, tal como todos os outros jovens da sua idade, nados e criados na serra. Quantos namoros desses nasciam na escola primária com a troca de papelinhos ou com as brincadeiras fortuitas que tinham lugar nos montes da redondeza, quando, crianças ainda, por ali guardavam os gados? Em ambiente serrano e livre, possuidores de uma imaginação tão libertina e colorida quão era a diversidade das flores e das borboletas ziguezagueando de planta em planta, a atracção pelo sexo oposto era, para os jovens serranos de qualquer idade, a coisa mais natural deste mundo.Os pais não lhes falavam nisso, nem precisavam de falar. A mãe natureza era a sua mestra, por excelência. Bastava olhar em redor. Os animais que conduziam aos montes e traziam de retorno às lojas, dando vazão ao seu instinto natural da reprodução, iniciavam-nos na sua sexualidade. Diziam-lhes como se fazia. Eles bem viam o carneiro e o bode a cortejarem as fêmeas, a cheirarem-lhes o sexo, a levantarem as ventas ao vento, a arrebitarem a beiça, a espirrarem, a baterem-lhes com as patas dianteiras na barriga, «mrum...mrum...mrum...»  e, não tardava nada, apoiados nas patas traseiras,  aí vai disto. E era uma vez uma cabrinha virgem que berrava de dor ou de prazer e/ou uma cabra feita que já tinha posto na feira um fato de filhas e filhos e sabia bem do que se tratava.

O CONTO QUE VOS CONTO

TERCEIRA PARTE

Chegados aqui, reunidas todas as peças, constatamos que temos um pénis teso e hirto junto de um traseiro de nádegas bem redondas, juntinhos e virados ao céu. Um pouco mais afastado temos um par de seios flácidos e mamilos chupados; temos duas vaginas, uma intacta, talvez virgem, e outra com marcas evidentes de mutilação; temos uma caveira totalmente descarnada; temos duas facas que nenhum talhante hodierno se atreveria a levantar e, finalmente, um par de testículos decepados e colocados na parte mais elevada do fraguedo, qual troféu de glória.
Face a tais achados, não podendo nós contar com a «celulazinhas cinzentes» de Poirot e outros que tais, nem com as técnicas científicas forenses hodiernas,  faltava-nos alguém com lucidez bastante para dar significado ao espólio. Que fosse capaz de fazer entender, nos tempos modernos, o que terá acontecido no tempo dos ciclopes, pois todas as peças eram ciclópicas.

O CONTO QUE VOS CONTO
SEGUNDA PARTE

Cogitando nisto, pegámos nas espingardas, preparámo-nos para perseguir as perdizes, gatinhámos por um penedo arriba, mesmo ao lado do achado e, já em riba dele, demo-nos conta que estávamos sobre as nádegas bem torneadas de um corpo humano colocado de bruços, de tamanho proporcional à primeira descoberta. Ah! Exclamei de mim para mim, a coisa compõe-se. Matéria já não falta para o conto. Tivesse eu engenho e arte e daria a conhecer, pela escrita, algo inédito, algo jamais saído do tinteiro do Mestre ou da pena de qualquer outro escriba, plagiador, citador ou parafraseador, que tão bem se sentisse entre os faunos dos fraguedos,  como entre os humanos catequizados na doutrina anti pagã, para quem era pecado somente falar de sexo, quanto mais praticá-lo. 

O CONTO QUE VOS CONTO

PRIMEIRA PARTE

A magia semeada pelas montanhas e pelos bosques não falta por estes sítios. É só descobri-la e colhê-la. Nestes lugares, ora assustadores, ora deslumbrantes, há sempre algo de novo que se depara ao passante, seja ele pastor, lenhador, pedreiro, explorador, caçador ou simplesmente eremita temporário que, nos tempos modernos, tal como os da Idade Média, aqui procura refúgio, fugindo da selva humana citadina, empestada de todos os poluentes físicos e morais.
Desta vez, os nossos olhos, esvoaçando pelas quebradas da Nave atrás de perdizes, quedaram-se num penedo de forma bizarra. Ele tanto parecia um  tortulho, um gasalho na sua juventude de «frade», à espera da idade adulta para assumir a forma de chapéu de chuva aberto, como parecia um pénis humano gigante fossilizado e, ainda, algo de semelhante ao foguetão que, do Cabo Canaveral,  lançou  no o espaço a primeira nave em direcção à lua.