Trilhos Serranos

Está em... Início Ficção MORTE
segunda, 27 abril 2015 09:59

MORTE

Escrito por 

Lá, nos confins do globo, algures nos trópicos ou polos opostos, onde  vive uma tribo que ignora o mundo e o mundo a ela ignora (se tal é possível nos tempos de agora) lá, onde espreita o urso, o leão, o lobo e outros animais da selva, pode estar, nesta hora,  a ter lugar o ritual da morte ligado a um membro dela que, por qualquer sorte e de qualquer idade, deixou de falar, cantar, dançar e passou a viajar no espaço que se convencionou chamar "eternidade".


Em redondo, nesse mundo primitivo, sem notário nem plumitivo em redor, sem letra cursiva ou redonda por perto, é o som mavioso da flauta, é o estrondo certo do tambor que registam em pauta de música, em poesia de dor e de alegria, a viagem do membro que abalou, que foi embora,  registo lacrado que a tribo canta, que a tribo chora.

No mundo civilizado, de mil plumitivos e mil notários, óbitos feitos, pagos os honorários, em qualquer canto do globo, algures nos trópicos ou polos opostos, onde existe ainda uma réstia do sentido tribal, daquele tempo megalítico dos menhires e das orcas, mesmo que já não exista o urso, nem o leão, nem o lobo, nem a tribo (vejam da civilização os estragos!) são os jornais, a televisão e outros meios mais que, divulgam  a notícia. Chegado o horário, no sítio escolhido para inumação ou cremação, não falta notário, não falta plumitivo a chorarem os Saramagos e os Lorcas, ocasião  derradeira sempre aproveitada pela carpideira política que,  com lágrimas de crocodilo, sem nico de relação tribal ou elo afectivo com o ente querido, deplorar a falta que eles fazem à tribo. 

Abílio/ 2015

Ler 323 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.