Trilhos Serranos

ADRIANO CARDOSO MONTEIRO

Conheci o Padre ADRIANO CARDOSO MONTEIRO no ano letivo de 1983/84. Ele lecionava as disciplinas de PORTUGUÊS E LATIM na Escola Secundária de Castro Daire e eu, professor na Escola Preparatória João Rodrigues Cabrilho, na mesma vila, por falta de espaço nesse edifício, forçado era a dar aulas de PORTUGUÊS E HISTÓRIA nas salas vagas da Secundária, onde ele trabalhava.

Ambos professores, viemos à fala e a desenvolver uma sã camaradagem durante alguns anos, apesar de, conceptualmente, nos situamos em polos distintos no que respeita à CRIAÇÃO e FIM DO MUNDO.

A GUERRA

Qual Guernica, qual nada!

Essa Guarnica, uma cidade inteira

Uma cidade antiga

Totalmente destruída

Na  Segunda Guerra Mundial,

Essa guerra passada

Nem a última, nem a primeira.
MAR NEGRO


Mar negro, negro mar

Sempre teu nome assim ouvi.

As tuas cores nunca as vi

Nem nunca me interpelei a mim

O porquê de te chamar 

Tanta e tanta gente assim.

O INFERNO NO PENSAMENTO

Falar do inferno, falar do reino do Demónio, dessa figura sinistra, esse ser maléfico patrono de bruxas e de bruxos, pai de todos os males do universo, Lucifer, anjo revoltado contra Deus, é  falar do medo que me foi incutido em menino nas aulas de catequese, idade bem pouco propícia à descodificação de metáforas, alegorias e parábolas.

A minha ingénua alma de criança arrepiava-se, dos pés à cabeça, todas as vezes que me falavam daquela extravagante figura e daquele infernal  “fogo inextinguível”, daquele “fogo eterno”  permanentemente aceso, ali, nas profundezas da Terra, naquele sítio, naquele lugar, onde caíam as almas condenadas e de lá não tinham saída. Sítio de flagelação permanente, diferente era do Purgatório, lugar de transição para o Céu onde os bem-aventurados podiam usufruir o eterno gozo, à mão direita do Criador. 

A INOCÊNCIA

Inocente

E eloquente

É o olhar desta criança

Ao colo da mãe.

Um instantâneo

Das redes sociais

Que registo para lembrança.