Trilhos Serranos

Amoras

Minha amora madurinha

Quem foi que te amadourou

Foi o sol de manhazinha

E a mão que me acariciou.

RUGIDO DO LEÃO

Ó leoa, leoazinha
Que, acordada
Na tua caminha,
Pela selva te passeaste
E, pisando mata e chão
Em corrido andamento,
Por onde tens tu andado?

ARQUEOLOGIA  INDUSTRIAL

Nunca fui um professor acomodado aos conteúdos compendiados, destinados ao ensino da HISTÓRIA e da LINGUA PÁTRIA. Por isso, nunca me cansei de investigar, de fazer trabalho de campo, ver coisas e falar com pessoas nos territórias da minha “comunidade educativa”. Exerci, a bem dizer, pedagogia dentro e fora da escola, bem ao contrário, e até contra o gosto, de certos colegas meus, atitude que bem demonstraram estando ausentes, aquando da APRESENTAÇAO do livro que resultou do “projecto de investigação aplicada” levado a cabo durante a minha “licença sabática”.

EDUCAÇÃO EM CASTRO DAIRE

 Pelos nossos olhos perpassam os nomes os professores e dos alunos, grau de estudo e de classificações, que ilustram bem esses tempos idos no que respeita à matéria em apreço. E, nestes tempos que vivemos, especializados em manejar os polegares sobre o ecrã dos telemóveis, não faltará quem encontre aqui a identificação dos seus avós e avós dos seus avós. Talvez gostem de saber..

DISPUTA SOBRE A ESCOLA EM ALVA E SOUTO

Dos muitos dados de pesquisa que permanecem inéditos no meu «DISCO RÍGICO» recolhidos durante as longas noites de leitura que fiz na IMPRTENSA LOCAL, resolvi publicar os que se seguem referentes ao ENSINO concelhio, nos anos de 1916 e 1917.

 Deixo as «fontes» consultadas entre parêntese, para que todo e qualquer cidadão possa certificar-se do rigor da transcrição, com a advertência de ter usado a ortografia do NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: