Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia REBELIÃO
domingo, 10 maio 2020 14:24

REBELIÃO

Escrito por 

RELÓGIOS DE CORDA

Abandonados,

Pelos cantos das casas esquecidos

Descartados,

Sem corda, parados

Sem ninguém lhes ligar pevide,

(Que mal agradecidos!),

Eis que chegou a Covide

E fechou todo o mundo em casa

Lembrando tempos idos. (ver mais)

relógio inteiro

 

Comércio fechado

Onde comprar pilhas?

Era o momento

De se rebelaram contra elas

Pais, mães e filhas

Toda a horda

Poluidora da terra

E da atmosfera.

E, sem horas,

Nos lares

Tic-tac

 ti-tic

 Dadas as cordas

Ei-los a falar

Ponteiros a rodar,

Mas não 

Sem justo protesto

De rebelião.

E em voz desconcertada

Então

Eu não presto?

No seu retenir de nascença

Numa autêntica algarviada

(Ou parecênça)

O de pêndulo aprova

E diz que sim

Escutem...

Onze veses sim,

Mas o elétrico, em função,

 diz que não

Escutem...

rell-pesos

Onze vezes não.

E os restantes

Quer no canto de garnizé,

Quer de galo capão

Desconcertantes

No meio do banzé

Mostram que são

relógio  pulso

A extensão humana

Depositários de sentimento

Fiáveis soldados de pelotão

Prontos a servir a gente

Esta gente

Que não lhes ligando pevide...

Foi preciso a Covide

Para voltarem ao antigamente.

 

Relógio-Redz-

Contudo

Acabado o luto,

Todos com a corda

tic-tac...tic.tac

O mundo acorda

E ouve-se novamente

A voz do cuco:

cú-cú....cú-cú...cú-cú...

 


abílio/2020

LINK https://youtu.be/XdfEpO51NCk

 

Ler 80 vezes
Mais nesta categoria: « ABRIL RETRATO EM PEDRA »
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.