Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia PÁTIO DAS AMORAS
quinta, 09 julho 2020 20:55

PÁTIO DAS AMORAS

Escrito por 

Amoras

Minha amora madurinha

Quem foi que te amadourou

Foi o sol de manhazinha

E a mão que me acariciou.

 

abílio - CópiaEra só o que faltava

Não fazer este registo

Se no meu pátio plantava

E não fazia filme disto...

Em criança nos silvados

Eu colhia cestas de amoras

Havia-as por todo lados

E a barriga a dar-me horas

 

 

1 - CópiaHavia-as em todo o lado

Por lameiras e courelas

Eu enchia cestas delas

E ficava consolado.

 

 

 

Neste bocadinho de terraamoras-mão - Cópia

Onde tu foste plantada

Eu vejo aqui toda a serra

E a mocidade passada.

 

Minha amora madurinha

Quem foi que amadurou

Foi o sol de manhazinha

E a mão que me acariciou

 

perfil - CópiaFoi a mão que me plantou

Junto a um livro de pedra

Onde arte e natureza medra

Nesta amoreira que sou.

 

Minha amora madurinha

Quem foi que amadurou

Foi o sol de manhazinha

E a mão que me acariciou

 

 https://youtu.be/giw5PlxXz-U

Ler 113 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.