Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia MOTATAURO
quarta, 22 janeiro 2020 15:05

MOTATAURO

Escrito por 

MITOLOGIA HODIERNA

Minotauro se dizia

Daquele monstro que havia

Na antiga ilha de Creta.

Se era verdade ou era peta

Isso a ninguém importava

Toda a gente acreditava

Pois origens teve no rei Minos

Senhor de todos os destinos.

Eram crenças de outrora

Mas vejam o que se passa agora

Pois outro vai nascer, por certo.

Aconteceu num campo aberto.

Ela, amante da natureza

Cansada da viagem com certeza

Escolheu sítio para descanso.

Mas eis que um touro manso

Pastando, por ali, em redor

Da vítima se fez violador

E montando-a pelas traseiras

Ali a emprenhou, sem maneiras

Apanhada, assim,  de surpresa

A vítima não teve defesa

E quem tal viu, agora reza

Para que mais dia menos dia

Não venha a nascer uma cria

Semelhantemente à de Creta

(Não é conversa de treta)

Pai e mãe lhe dão a diferença

Logo vista à sua nascença

Coisas que a natureza adopta

Por ser filho de touro e mota

Será o moderno  Motatauro

Fruto de virgindade sem restauro

Perdida ali, em campo aberto.

E os arautos que por certo

Defendem os “direitos dos animais”

E na sociedade outras cotas

Que dirão esses que tais

Sobre este violador de motas?

C91BBE79-128E-4DDD-9CDC-83BBF2D33CB5



Abílio/2020
Ler 85 vezes
Mais nesta categoria: « NATAL NOITE AFRICANA »
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.