Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia ABRIL . QUARENTA ANOS DEPOIS
quarta, 13 abril 2016 09:59

ABRIL . QUARENTA ANOS DEPOIS

Escrito por 


ABRIL
Liberdade, igualdade, fraternidade
Bandeira de esperança de muitas cores
Qu'é dela?
Que foi feito dessa primavera
Desse jardim de mil aromas, mil flores
Que murcharam, mirraram, morreram
Em quarenta anos apenas?
Onde estão as minhas Tróias, as minhas Helenas?
ABRIL
Neste mês de Abril
Passados
Quarenta anos da revolução dos cravos
Como posso cantar glórias e hinos
Se nos tempos que correm
Em torno de mim dobram os sinos
A chorarem os que famintos morrem
E a cantarem os que morrem empanturrados?

ABRIL
Quem viu um botão de rosa a abrir
Tornar-se rosa e deixar de ser botão?
Quem, na sua vida, algum dia
Da natureza viu tal magia?
Vi eu.
E quem tal não viu nem viveu
Quem não viu um botão de rosa a abrir
E tornar-se rosa o botão
Não,
Não viverá Abril.
Dele ouvirá falar na história
Mas nunca terá na memória
O entusiasmo
E a alegria de viver contra o marasmo
E o silêncio vividos até então.

Não,
Não é lição
Nem é sentença
Sequer.
Mas quem não viveu tal
Criança, homem ou mulher
Para seu mal
Não saberá o que é ser pertença
Daquela maré de gente
Daquela multidão
Imensa
Que nas colónias e no continente
Cantava até à rouquidão
A Grândola Vila Morena.

Isso para seu mal.
Mas, para seu bem
Também
Não sentirá o ruir dos sonhos
De todas as Marias, Manéis e Tonhos
(Um dos quais era eu)
Despertados do morféu
Onde dormíamos a noite serena.

Abílio/13 Abril, Anno Domini 2014

Ler 187 vezes
Mais nesta categoria: « BALÃO A VÍRGULA »
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.