Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia A MULA DA COOPERATIVA
sexta, 20 novembro 2015 21:28

A MULA DA COOPERATIVA

Escrito por 
Iooonnnn......iiooonnn...brrruuuu...
 
A esquerda cooperativa
Deu dois coices no telhado
E ela, que tem sido burra,
Mostrou, enfim,  o nunca visto:
São Bento ficou sem telha
E o Céu abriu-se à Terra.
E agora, vejam só quem zurra
E rincha por todo o lado:
- Vem aí o Anticristo.
É a direita velha e relha.

Iooonnnn...iooonnn...brrruuu...PRUDÊNCIA-FPRÇA

Face à inesperada ameaça
Resultante de tal amanho
Só o senhorio de Belém
Vendo sem cobertura a casa
Segurando no colo o menino
Poderia suster mal tamanho.
Sondou veredas, sondou caminhos
Para remendar a cobertura
E defender a sua mesnada
Prestes a cair na sepultura
Aberta sem qualquer arranho
Pela esquerda em conjuntura.
 
Iooonnnn....iooonnn...brrrruuuu....
 
Não conseguiu seus intentos
De Belém, o senhorio
E no meio de tantos lamentos
Houvesse calor, houvesse frio
A céu aberto ficou São Bento.
O vento a entrar por todo o lado
Arejando a velha guarida 
Da direita e da esquerda
Assim  manda a Constituição
Quer se ganhe, quer se perda
Quer se goste, quer não
Dos coices dados no telhado
Pela esquerda cooperativa
 

.Iooonnnn....iooonnnn....bruuu.....

 

 


Abílio/novembro/2015

NOTA: veja-se o dia e a hora em que postei aqui esta versalhada. Ela foi escrita depois e audições que o PR fez à s várias organizações económicas, políticas e sociais, para decidir da escolha de um novo governo após a queda do que apresentou Passos Coelho no Parlamento, com os votos da maioria ali existente.  E lá vieram os representantes das forças sociais, da Finança e da CAP dizer os seus palpites. Este último não se coibiu de lembrar que os comunistas, em 1975, tinham tirado as terras aos proprietários, etc. coisa e tal. 


E, já depois disso, à saída de Belém, Passos Coelho atirou claramente a toalha ao chão, dizendo que agora "competia ao Partido Socialista e António Costa apresentar uma alternativa consistente e duradoura". Ele o disse, mas mesmo assim, nas TVs, as luminárias do costume (mais papistas que o Papa) continuavam indecisos a esticar o elástico a acenar com papões e a mostrar os "inconvenientes" de um governo de Esquerda, cujo desfecho se desconhecia. Estávamos no "tempo do presidente", uma espécie de disco riscado a rodar a Mula da Cooperariva, num gramofone de museu.

 São esses senhores a nossa "inteligência" política. Aqueles que elucidam e esclarecem o público, postos nos seus palanques. Pois eu, que não pertenço a esse rol de "comentaderos", que sou um anónimo cidadão, aqui deixo, desde já, a minha convicção. O PADRINHO da MESNADA da DIREITA ressabiada e vencida, mesmo contrariado, não tem alternativa constitucional e vai indigitar António Costa. Vai empossar o governo da esquerda unida, da esquerda cooperativa. 

 

 

Ler 234 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.