Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia CARVALHOS E CASTANHEIROS
quarta, 30 novembro 2022 18:43

CARVALHOS E CASTANHEIROS

Escrito por 

SOUTO DE D. DINIS

De castanhas se fazia pão

Caldo de  castanhas se fazia.

Bem o pode negar e dizer que não

Pessoa de pouca sabedoria.


São heróis de HISTÓRIA, sim senhor

Com ou sem o rei poeta, D. Dinis

E valorizando o que o povo diz

Quem me dá explicação melhor?

Companheiro de viagem natural

Foi o robusto carvalho alvarinho

Muitos destes eram um carvalhal

Muitos daqueles eram um souto

Para o povo todos eram pouco

A uns e outros tratavam com carinho

E distintos eram do mais matagal.

Eu, deambulando serras fora,

Esses heróis miro, remiro, e admiro

Nunca cantados até agora.

E nem uma letra ou vírgula tiro

Desta minha real admiração.

Pois se da castanha se fazia pão

Do carvalho se fazia embarcação

Caravela, nau ou barco que valha

Fazer-se ao mar, fazer-se à navegação

E levar  na proa uma bandeira.

Daí que carvalho virasse carvalha

E carvalha virasse marinheira

Metamorfosse esta (não é asneira)

Que tem escapado a todo o linguista

Que em tal realidade nunca pôs a vista.

Abílio/2022

 https://youtu.be/sFuVCe9EbhI

Ler 375 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.