Trilhos Serranos

Está em... Início História EUREKA – O «25 DE ABRIL» CHEGOU AO MUNICÍPIO DE CASTRO DAIRE
terça, 16 abril 2019 13:17

EUREKA – O «25 DE ABRIL» CHEGOU AO MUNICÍPIO DE CASTRO DAIRE

Escrito por 

UM FENÓMENO

Eis que eles, neste ano de 2019, eles, os nossos AUTARCAS, acordaram para o “25 DE ABRIL”. Acordaram tarde, muito tarde. E vou deixar aqui a prova pública disso. Desde que cheguei a CASTRO DAIRE (1983) sempre levantei essa bandeira, na ESCOLA, na imprensa e fora dela. Em meu redor, o SILÊNCIO TOTAL. Por isso desconfio da FESTA ANUNCIADA. Cheira-me mais a um EVENTO FOLCLÓRICO, do que à COMEMORAÇÃO FESTIVA de um EVENTO HISTÓRICO, tanto mais que conheço alguns dos intervenientes que sempre mostraram a sua ANIMOSIDADE à chegada da DEMOCRACIA e cantavam loas à DITADURA e ao Salazar.  Está-lhes no sangue. Não há rasto público de terem dado mostras do contrário. Eu me lembro. Ainda estou vivo. E ainda posso FALAR e ESCREVER, graças ao fim da CENSURA e ao privilégio do ao cidadão ser permitida a LIBERDADE DE OPINIÃO.

PRIMEIRO

Este texto, com ligeiras alterações, foi aquele que publiquei hoje mesmo,. 16 de abril de 2019, no meu mural do FACEBOOK, mal vislumbrei o CARTAZ FESTIVO publicado pelo Município de Castro Daire online. O mesmo que vai ilustrar esta minha crónica, que, mais amplamente,  reservei para este meu espaço. Mas não antes sem deixar aqui, preto no branco, a minha saga pública em prol dessa FESTA e a REFERÊNCIA ao SILÊNCIO  daqueles que, tarde, mas ainda bem, (VALE MAIS TARDE DO QUE NUNCA) resolveram festejar esse ACONTECIMENTO HISTÓRICO. Mais adiante, numa crónica que publiquei no «Notícias de Castro Daire» em 1993, aludirei a alguns «fogachos» de ocasião. Mas, agora  vejamos o texto que publiquei no meu MURAL do FACEBOOK em 28 de abril de 2015 com o título «O FACEBOOK É UMA LIÇÃO». Tal qual se segue, e respectivos «COMENTÁRIOS» de amigos, cuja cidadania assumiram em letra redonda:

faceook - Cópia«28 de Abril de 2015 às 18:44 · 

O FACEBOOK  É  UMA  LIÇÃO

«No dia 17 de ABRIL (2015) postei nesta página (Facebook)  um texto sobre o «25 DE ABRIL», cantando loas à DEMOCRACIA e criticando o CLIENTELISMO, o AMIGUISMO e o  NEPOTISMO.

Esse TEXTO mereceu 8 likes e 3 comentários. No dia «25 DE ABRIL» postei o poema «25 DE ABRIL» que mereceu 21 likes e UMA PARTILHA. No mesmo dia postei a capa do livro com o rótulo «VISADO PELA COMISSÃO DE CENSURA», aludindo ao antes do «25 de ABRIL». mereceu 9 likes. Ainda no dia «25 DE ABRIL» postei novo poema, alusivo ao dia, mereceu 15 likes e um COMENTÁRIO. No dia «27 DE ABRIL» partilhei o vídeo que alojei no Youtube (UM PROTESTO DAS ÁGUAS DO PAIVA) e mereceu, até agora, 13 likes e CINCO PARTILHAS.(ver link mais abaixo)

Face a tudo isto quero explicar aos amigos que não é nenhuma obsessão minha pôr o enfoque nesta FESTA. Fiz isso tudo porque tudo isso é pouco, AQUI, EM CASTRO DAIRE. Desde que cá cheguei, em 1983-84, verifiquei que essa FESTA não se vivia por estas bandas. Os nossos ELEITOS, que são os beneficiários diretos da IMPLANTAÇÃO DA DEMOCRACIA (alguns até julgam que são SOCIALISTAS) nem sabem o que isso é. Escrevi quilómetros de textos sobre o «25 DE ABRIL» e sobre a «REGIONALIZAÇÃO». Para quê? se estou rodeado de intelectuais e de revolucionários? A foto que se segue é uma página do «JORNAL DO CENTRO» do dia 24, que alude aos concelhos do distrito de Viseu, onde se COMEMOROU o «25 DE ABRIL». Arranjem uma lupa e descubram nela CASTRO DAIRE.

 8 comentários, 4 partilhas

13 João Ribeiro, António Silva e 11 outras pessoas.

 Ana Carvalho Pois, lamento muito. Fico triste. 28 de Abril de 2015 às 19:10

 Luis Oliveira -  o pessoal aqui é muito caseiro 28 de Abril de 2015 às 19:19

 Manuel Ferreira -  Não é por acaso que o distrito de Viseu é o Cavaquistão, embora a internet seja global. 28 de Abril de 2015 às 20:01

 Abílio Pereira de Carvalho - Ah! Esqueci-me de dizer que se o "25 DE ABRIL" fosse uma MISSINHA CANTADA não faltavam, ex-seminaristas, seminaristas, padres e beatas a cantarem o GREGORIANO. 28 de Abril de 2015 às 20:02

 Luís Oliveira -  enchiam a igreja e ainda ficava muita gente no adro 28 de Abril de 2015 às 20:03

Armenio Quintans -  Não é por acaso que o nosso conselho é dos mais atrasados deste país. Razões várias. Sendo certo que se não fosse o Dr Abílio e duas ou três pessoas mais a visibilidade era nula. infelizmente.
28 de Abril de 2015 às 20:33

 Dolores Marques - Mas Professor, Portugal será mesmo Lisboa e o resto, paisagens? Não creio nisso, ou será porque a cidade é percorrida pelas mesmas pessoas em vários dos seus lugares. Está aqui tanta gente de Castro Daire, Viseu e etc, etc


Este texto era seguido de do link de um vídeo meu, que aqui reponho para manter a  cronologia da  minha postura cívica e arredar a ideia, de todo e qualquer oportunismo de ocasião. Assim:

   link «PROTESTO POLÍTICO»  https://youtu.be/lAyFYcMPx18 

 

SEGUNDO

Posto o que, dada a circunstância de o 25 DE ABRIL ser uma «AVIS RARA»  a esvoaçar por estas bandas, impelida  por aqueles (eleitos) que diretamente são os seus principais beneficiários, não podia deixar de trazer à colação, neste ano de 2019, a crónica que publiquei no «Notícias de Castro Daire» em 1993, por forma a, mais uma vez, deixar um DOCUMENTO relativo aos «pensares e agires» daqueles que, beneficiando do direito de serem «eleitos» CALAREM, ano após ano, o evento histórico que tal lhes permitiu. Face ao que, da minha parte só podem receber APLAUSOS SINCEROS. CARTAZ-2019 - CópiaEste CARTAZ  é um excelente DOCUMENTO HISTÓRICO. E como a HISTÓRIA se faz com DOCUMENTOS, aqui deixo também  o «TEXTO INTEGRAL» por mim assinado, retirado do «Notícias de Castro Daire». Muito gostaria de ver o «fac-simile» de qualquer proposta inserta nas ACTAS DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL ou do EXECUTIVO, a propósito deste evento, em todos estes anos passados.. Assm:  

«CASTRO DAIRE IGNOROU O 25 DE ABRIL DE 1993...COMO INGNOROU MUITOS OUTROS

Formado que sou em História, disciplina por excelência FORMATIVA, prezo muito os faustos dias que marcaram a História de Portugal, desde a data do Tratado de Zamora. Isto, para não ir mais longe. O 25 de Abril é um desses dias.

Sei bem as confusões que gerou no País e que nem todas as pessoas lhe atribuem o mesmo significado. Isso, porém, não é razão para que tal dia se ignore ou haja, sequer, a possibilidade ou a pretensão de tal dia ser retirado da História de um Povo que, pondo os olhos no futuro, não deve esquecer nem ignorar o seu passado.

GRAÇAS AO 25 DE ABRIL FOI INSTITUIDA A DEMOCRACIA EM PORTUGAL. GRAÇAS AO 25 DE ABRIL FOI DEVOLVIDA A LIBERDADE A PORTUGAL. GRAÇAS AO 25 DE FOI INSTITUIDO O PODER LOCAL EM PORTUGAL. GRAÇAS AO 25 DE ABRIL PORTUGAL ENTROU NA EUROPA DAS COMUNIDADES.

E paremos por aqui. O 25 de Abril não é, pois, monopólio de pessoas, grupos ou partidos, mas de todos aqueles que prezam os direitos humanos e a liberdade dos povos. Cabe a todos festejá-lo, cabe a todos manter viva a chama da Liberdade e da Democracia. E, ainda que uns vivam a FESTA mais intensamente do que outros, (todos säo livres de a viver à sua maneira) cabe a todos fazer a FESTA, mesmo que uns tantos somente à FESTA assistam.

É certo que, dezanove anos após o evento, já muitas vozes se levantam a questionar o modo como funciona a Democracia trazida pelo 25 de Abril. É só ver o que diz a Imprensa. São os casos da corrupção. São os malabarismos dos aparelhos partidários. São os interesses da classe política a colidirem com os interesses das populações.

São coisas que vão larvando entre nós, coisas que se questionam com toda a legitimidade. Mas, se a todos é legítimo servir a Democracia questionando-a, a ninguém é legítimo servir-se dela e, ainda por cima, silenciar o dia da sua implantação. É certo que da Europa, por via de lá termos entrado, não chegam só rosas e milhões. Näo chegam só autoestradas.Chegam também outras coisas. Que o digam os nossos agricultores e os nossos industriais, para referirmos só estes.

TERCEIRO

E neste pé, restringindo-me, agora, à área Municipal, não deixa de ser estranho que os principais beneficiários do 25 de Abril, isto é, aqueles que graças à instituição do Poder Local e, por eleição, exercem funções políticas nos concelhos e freguesias, se tenham esquecido desse dia, ano após ano.

Lembro-me que, há dois anos, este Jornal tomou a iniciativa das comemorações, dando-lhe uma certa projeção pública. Lembro-me que o PS local, numa tendência atávica de fazer as coisas entre quatro paredes, respondeu com um almoço dos seus militantes, num restaurante à parte.

Dois grupos e uma só festa. O ano passado a mesma iniciativa foi tomada pela Assembleia Municipal. A meu ver corretamente. Foi o esbatimento institucional de fronteiras entre grupos, ainda que nem todas as pessoas que muito falam do 25 de Abril tenham aderido às comemorações. Repetir isso era exercer uma função pedagógica.  Era a institucionalização oficial e política da FESTA. Mas foi sol de pouca dura. Este ano ninguém se lembrou do 25 de Abril. E em vista disso pergunto: PORQUÊ? A resposta ocorre-me rápida e simples. As pessoas continuam agarradas às suas tamanquinhas. Não vivem, nem percebem o significado do 25 de Abril. Fechadas em si próprias cada um lhe dá o SEU significado. Alguns atiram uns foguetes, pavoneiam uns cravos na lapela, bebem uns copos, recordam guerrilhas com 19 anos de idade... e está o 25 de Abril feito. Outros nem isso fazem. Uns e outros pararam no tempo. Nem uns nem outros assimilaram os valores que são intrínsecos à Democracia, à convivência democrática. Nem uns nem outros se mostram interessados em fazer pedagogia política. Falar em política é esclarecer as pessoas. E pessoas esclarecidas é coisa que não convém.

Mário Soares disse em Braga, nas comemorações do 25 de Abril, que "aos defeitos da Democracia há que responder com mais Democracia. Há que aprofundar a Democracia, com a liberdade, com o diálogo e com a consertação". Quem o ouviu? E foi preciso ouvi-lo? O que é que se fez e aprendeu durante 19 anos?

Estou mesmo a ver que, depois disso, as praças, os cafés e os aparelhos partidários hão de continuar cheios de Democratas. A palavra Democracia há de continuar a encher a boca de muita gente. Mas também estou a ver que os "democratas", esses que se servem da Democracia em vez de servi-la, hão de continuar mudos e quedos, hão de continuar calados, sem falarem, nem escreverem, nem agirem, sobre o 25 de Abril. O esclarecimento político de Castro Daire, não passa por eles. A educação para a unidade na diversidade não passa por eles. O respeito pela diferença não passa por eles. Pouco se importando com o seu destino hão de continuar a viajar no comboio abrilino voltados de costas  para o futuro.

 NCD.1993 - CópiaHão de continuar a "tratar da sua vidinha", da sua vidinha pessoal ou de grupelho, pouco se importando em fazer ouvir a sua voz, pouco se importando com os valores que devem informar e formar os cidadãos, pouco se importando com os valores que devem enformar as Instituições, pouco se importando em elevar a cidadania das gentes através de atos cívicos públicos, sejam eles quais forem. O futuro passa pelos valores, passa pela formação humanística, passa pela consciência crítica, passa pelos meios de comunicação social, passa pela FORMAÇÄO democrática do cidadão e não passa apenas pela assinatura das atas das reuniões onde alguns "democratas", no cumprimento obrigatório do seu dever, decidiram executar umas tantas obras autárquicas. A Democracia é muito mais do que isso. E todo o cidadão apostado nos caminhos do amanhã, apostado na consciencialização da juventude, apostado no respeito pelos valores democráticos, está longe de cumprir o seu papel, contentando-se em usufruir um direito e um dever que lhe trouxe o 25 de Abril, contentando-se em ser eleito, contentando-se, de forma ingrata, a encarar a Democracia como puro ato eleitoral, de quatro em quatro anos. Pode ser isso que lhes convém, mas não é isso que convém ao futuro da DEMOCRACIA e das populações.

O 25 de Abril é uma marca na História de Portugal. Com feriado ou sem feriado. Com Grândola ou sem Grândola. Goste-se dele ou não, o 25 de Abril é o que é. Não é o que querem que seja. Ele é o que é...mesmo para aqueles que querem que NÃO SEJA. Mesmo para aqueles que, nesta terra de Castro Daire, por conveniência ou por falta de discurso político, por falta de interiorização de valores, são CO-NI-VEN-TES com o silêncio a que tem sido votado este dia, ao longo de 19 anos. Não é com os distintivos e com as bandeiras partidárias que os democratas se afirmam. É com atitudes coerentes e consequentes tornadas públicas. Não é agir ao sabor das conveniências, não é pactuar com o "statu quo". É introduzir fatores de mudança e de diferença. É lutar por princípios e não andar ao sabor das marés.

Acusam-me de ter ideias e lutar por elas na comunicação social. Pois aqui está mais uma. Prefiro ser acusado disso do que do contrário. Cada um assume a sua cidadania, nos lugares que julga mais próprios. Uns jogam em campo aberto. Outros em campo fechado. Tire o leitor as suas conclusões».(In «Notícias de Castro Daire», de 10 de maio de 1993).

NOTA FINAL: Face ao PASSADO, só posso felicitar os autores da ideia pespegada no CARTAZ DAS COMEMORAÇÕES DO 25 DE ABRIL, NESTE ANO DE 2019. Ele tinha, forçosamente de  ilustrar esta crónica. COMEMORAR O 25 DE ABRIL, EM CASTRO DAIRE, É UM FENÓMENO DIGNO DE NOTÍCIA. E ELA AQUI FICA.

link «PROTESTO POLÍTICO»  https://youtu.be/lAyFYcMPx18 (audição obrigatória, neste ano de 2019)

Ler 275 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.