Trilhos Serranos

Está em... Início História CUJÓ - MATANÇA DO PORCO
terça, 12 fevereiro 2019 15:57

CUJÓ - MATANÇA DO PORCO

Escrito por 

RITUAL DE VIDA E MORTE

Arrancado à loja, sita por debaixo do sobrado que sustenta as camas de dormir
ou as caixas de guardar milho ou centeio do proprietário, o cevado chega ao fim
da sua vida.

CARRO DE BOISColocada a um canto da loja, a pia de pedra, onde ele meteu mil vezes o focinho
para tasquinhar a «labagem», trincar as castanhas bichosas, as bonecas, alguns
punhados de milho, centeio ou farinha que ao longo de meses lhe arredondaram
o corpo, lhe esticaram a pele e lhe luziram o pelo, ficará propriedade do sucessor,
fatalmente condenado ao mesmo destino, se Santo António, solícito e a troco da
sua proteção benfazeja, receber uma chouriça, um salpicão, uma cabeça inteira
ou só metade dela que, depois de passarem por um leilão, bem podem ir parar às
casas de especialidade do Porto, ou de outra zona do país, com o rótulo de
"chouriço" ou "orelheira" de Lamego.

Ainda a manhã vai alta e já cá fora está tudo a postos. O carro de bois sem
estadulhos, limpo e colocado a jeito, espera a vítima que, àquela hora, dorme
ainda e sonha com a saca de bolotas de carvalha de que se tornou dependente,
após lhe terem retirado o instinto de arqueólogo, após o terem impossibilitado de
revolver o estrume com o arganel punitivo que se lembraram de lhe pôr nas
ventas, ainda leitão, antes mesmo de ter assumido a categoria de porco.

Mulheres, homens e crianças, uma família inteira e, às vezes, também vizinhos,
participam no sacrifício da carne.

Corrido o ferrolho da porta da loja, a besta, arrancada da cama com força e jeito,
é estendida sobre o carro de bois com a cabeça para o lado da cabeçalha, um pouco
mais baixa que as chedas. Rápida, uma corda prende-lhe as patas, aperta-lhe,

em x e y, o corpo contra o chedeiro, imobiliza-a completamente, não sem contínuos 

e  incontidos grunhidos de protesto. 


PORCP-2O facalhão, manufatura dos ferreiros da terra, preparado de véspera numa
afiadoira subtraída às rochas das vertentes da serra de S. Macário, por alturas de
alguma romaria, deixa-se manejar pelo lado do pescoço até ao coração do animal,
que acusa a dor com roncos de revolta e de morte.

O sangue jorra em catadupa no alguidar que uma mulher, de cócoras, segura
em posição de não deixar perder uma só gota. Ela sabe, todos sabem, que no
aproveitamento desse líquido vermelho, depois de cozido e misturado com
batatas, mais alguns torresmos, está o volume da sarrabulhada, essa refeição
coletiva da qual tomam parte parentes e amigos. O jorro inicial diminui lentamente

e transforma-se num transparente fio de baba. A vida está presa por um
fio. Os músculos do animal deixam de agitar-se. Chega o último estertor da
agonia. Eis um cadáver. A vida assumiu a forma de um pudim líquido pronto a
escapulir-se do alguidar, ao menor descuido das mãos que o seguram. Cozido,
transformado em sarrabulho, por quantas mutações não passará ainda no campo
de batalha onde se combatem a vida e a morte e onde, os filósofos, metafísicos e
dialéticos, que tentam impor a sua lógica na explicação daquilo que as une e as
separa, discordam uns dos outros?

Envolvido nas labaredas das «carquijolas» em chama, o corpo inerte, chamuscado

e negro, atira para o ar um cheiro intenso a pelo torrado. Não tardam a entrar
em ação os raspadores de pedra, essa herança técnica primitiva, esse elo de
ligação entre a pré-história e o século XX que, utilizada em simultâneo com água
quente, logo deixa o monte de carne barbeado, branco e limpo. Para subir ao
chambaril só falta meter-lhe no traseiro uma mancheia de colmo que, puxada
para fora, logo lhe tira do cólon os retardados e preguiçosos excrementos da
última refeição digerida.

porco esticadoPendurado de cabeça para baixo, jarretes bem abertos no chambaril, a faca
grande põe à prova a sua qualidade de corte, de cima a baixo, ao longo de todo
o ventre. Viscosos, apressam-se a sair o bucho, o novelo volumoso das tripas, o fígado,

os bofes, o coração, a bexiga, até ficar só a carcaça despojada de todas as
vísceras. Vazia, não há criança que não leve a sério a ameaça de ir parar lá dentro,
caso contrarie as regras ensinadas pelos adultos ou se exceda nas suas brincadeiras traquinas.

Vinte e quatro horas passadas, esticado e frio, procede-se ao desmancho. Apeado,

estendido de costas no sobrado, cortada a cabeça, arrancados os dois
jogos de costelas inteirinhos, tirado o osso da suã, separados os presuntos e as
espáduas, fica no chão a manta de carne logo dividida em bandas e neta. Trabalho
de homem, logo que sejam escolhidos as febras para o fumeiro, os torresmos para
banha e o unto para silenciar os carros de bois ou amaciar o coiro dos tamancos,
tudo vai repousar na salgadeira. Absorvido o sal, sai toucinho para os caldos,
conduto para merendas, «guitarras» para pendurar no caniço e curar ao fumo de
lenha verde.

SALPICÕESOs enchidos, é com as mulheres. Preparadas as carnes em vinha-de-alhos, pitada
de tempero que baste, lavadas e fervidas as tripas, é um ror de morcelas e
chouriças a entrarem no pau suspenso no caniço, como argolas em varão de
cortinado. Os salpicões, pendurados aos pares, compridos e volumosos, pingões,
ostentam a forma e a força masculinas, aconchegados às suas parceiras femininas,
delicadas, pingonas de sal e sangue. Em separado, assumem, cada qual o seu
género, a sua identidade própria. Em conjunto, resguardado de gato ladrão,
faminto ou lambisqueiro, é o fumeiro a fazer crescer, mesmo em verde, água na
boca a quem já alguma vez provou essa vianda, depois de curada, acompanhada
de uma fatia de broa de milho e um copo de palhete.

Consumido com parcimónia, em refeições de campo ou de romaria, não há
também visitante que não seja convidado a saborear o pitéu em casa do lavrador
que mate. Tenteado o consumo chega ao fim do ano - "foi por ser poupadinho
que as carnes do meu porqui
nho, me chegaram ao entrudinho" - e na loja

cevou-se, entretanto, outro animal.

Antes, porém, de entrar na fase encurralada da ceva, cirandou livremente pela
aldeia, armado em agente camarário de limpeza. Não há, por certo, povoação camponesa, sem saneamento básico, que não saiba como desfazer-se dos dejetos
humanos e outros que tais, sem deles tirar algum proveito.

Não fossem os porcos agentes de limpeza e, nos quelhos e becos de passagem
menos frequente, não faltariam esses efluentes poluidores a ferir, impiedosa-
mente, a vista, a atingir agressivamente a pituitária.

RODA DE CARROMas "o que não mata engorda" e em pleno século XX, pelas manhãs frescas de
Dezembro, repete-se o ciclo milenar da matança do porco, neste pequeno rincão
do mundo. O cuinhar lancinante dos animais a morrerem pica a memória do
estudioso e logo lhe ocorrem séculos da História do Homem sobre a Terra, nas
suas relações com a Natureza. Séculos de domesticação, de pastoreio, de
resguardo, de trato, de consumo. Séculos de aprendizagem e transmissão de
processos primitivos a desafiar a modernidade tecnológica, neste e noutros
rituais da vida. A compartimentação temporal da História do Homem não tem
aqui sentido. Vários tempos se sobrepõem aqui, em resistente, comprida e
duradoura corda de misteres, costumes, crenças no final do século XX. O
raspador de pedra coexiste, lado a lado, com a ferramenta de ferro. O arado de pau
com a charrua, com o trator. O burro com o automóvel. O moinho de mão com
o moinho hidráulico. A reza e a benzedura, com a receita médica. A mezinha
caseira com a farmacopeia científica. O analfabeto com o letrado, o burel com o
cetim. O linho com o cotim. O tamanco com o sapato. O colmo com a telha. A casa
de pedra, com a de tijolo. A madeira, com o alumínio. A taverna, com o café. A
fogaça, com a broa de milho. O prato coletivo, com o individual. A alimentação precária

quotidiana, com a lauta mesa das festas religiosas. O egoísmo feroz, com o senso comunitário.

O microfúndio privado, com o imenso baldio coletivo. O guardanapo de mesa, com as

costas da mão. A pressão do indicador e do polegar no
nariz (ranho fora) com o lenço de assoar. A água de chafurdo, com a do fontanário e a
canalização. O petróleo, com a luz elétrica. A pedra solta e outras dádivas da
Natureza, com o papel higiénico. O paninho avoengo com o modess e outros
absorventes similares. A filharada que Deus quer, com a pílula preventiva. Enfim,
a par da sarrabulhada anual decorrente da matança do porco, o prato social aldeão

oferece a qualquer estudioso estoutra sarrabulhada histórico-cultural, e basta ter

as papilas minimamente apuradas para de tudo se saborear um pouco numa só garfada.

Do pitéu não pode esquecer-se o saber dos castradores (José, António e
Zeferino "Capadores") que, num raio de muitos quilómetros, a pé, a cavalo ou
motorizada, corriam as povoações a extrair os testículos dos leitões e os ovários
das porcas, numa pré-preparação para a ceva.

NOTA: Texto integral publicado no meu livro, escrito «pro bono»»: «Cujó, Uma Terra de Riba-Paiva», editado pela Junta da Freguesia em 1993.

 

Ler 234 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.