Trilhos Serranos

Está em... Início Crónicas O FACEBOOK É UMA LIÇÃO
terça, 15 setembro 2020 18:19

O FACEBOOK É UMA LIÇÃO

Escrito por 

MOINHO DA PONTE, EM CUJÓ


Voltando ao vídeo do meu amigo ANTÓNIO PEREIRINHA DOS SANTOS, relativo ao MOINHO DA PONTE, aquele que achei por bem publicar no MEU CANAL DO YOUTUBE e classifiquei de “HISTÓRICO, TÉCNICO E PEDAGÓGICO”, é com muito gosto que a ele retorno para lembrar algumas coisas muito simples que dele decorrem.

Se bem se lembram o meu amigo, filmando a burra, disse que ela “tinha trazido o pão” e, depois de todas as expoicações acerca do moinho rematou dizendo: “e pronto continua a moer o pão”.

São expressões correntes na linguagem popular, mas naturalmente estranhas para todos aqueles que conhecem o FABRICO DO PÃO e sabem que a moagem é apenas uma delas.

Ora, dita essa expressão com a naturalidade que ouvimos, é preciso entendê-la no contexto sócio-linguístico do falante, que o mesmo é trazer à colação os conceitos correntes na comunicação social entre as pessoas do campo que a “FALAR SE ENTENDEM”, para usarmos estoutra expressão muito vulgar nos meios académicos.

Vou exemplificar. Em Cujó, como noutras aldeias da serra, o valor de COMPRA, VENDA OU TROCA de “propriedades rústicas” nem sempre se avaliava pela área que tinham, mas sim por aquilo que eram capazes de produzir. Se era uma terra de semeadura, dizia-se que era propriedade para dar  “X alqueires de pão”. Se era terra de pasto, dizia-se que era “lameiro para dar X carros de feno”.

Assim sendo, as expressões usadas pelo meu amigo, ANTÓNIO PEREIRINHA DOS SANTOS, quando disse que “a burra tinha trazido o pão”, que o moinho “continuava a moer o pão”, mais não fez do que transmitir, de forma usual e simplificada, uma das fases por que passa esse produto alimentar até chegar à mesa. Todo o aldeão aceita com naturalidade ouvir dizer vou “colher o pão”, vou “malhar o pão”, vou moer o pão”, vou “amassar o pão”, vou “tender o pão”, vou “cozer o pão”, vou pôr o “pão no açafate” e “vou pôr o pão na mesa”. Certo? 

É por estas e por outras que eu digo que O FACEBOOK É UMA LIÇÃO. Aceita que se ponham aqui coisas SIMPLES, mas coisas SÉRIAS, dignas de reflexão. E excluo dessas coisas um “PRAIA FLUVIAL NO RIO CALVO” que, no verão, não tem água capaz de fazer andar um moinho.

30CBF2F7-9E64-4D10-A588-3A12018FBCFD




Ler 46 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.