Trilhos Serranos

Está em... Início Crónicas BORLIDELA
quinta, 19 julho 2018 19:31

BORLIDELA

Escrito por 

O BOM USO DA LÍNGUA NO JOGO ERÓTICO

O texto que se segue, cuja paternidade assumo, com o título “BORLIDELA”, foi publicado em 2003 na imprensa regional onde eu colaborava. Nessa altura toda a imprensa, local e nacional, mostrava as preocupações públicas das mulheres de Bragança com as “brasileiras” que davam animação e vida às “CASAS DE ALTERNE” que, então, proliferavam naquela cidade. 

Publicado, também, no meu velho site TRILHOS SERRANOS, fi-lo, hoje, migrar para este novo, pois uma peça destas não deve ficar em sítio onde ganhe bolor, sobretudo na momentosa animação e vida que por aí vai no FACEBOOK. Segue entre comas:

 

”Há dias quatro amigos meus convidaram-me a fazer uma curta viagem ao centro do país. Certo de não me levarem por maus caminhos acedi ao convite e lá fomos nós. Virámos costas a Bragança, às suas brasileirinhas e, em direcção ao sul, via IP3, partimos em divertida conversata.

 

Um bom par de quilómetros separava o ponto de partida do ponto de chegada  e, por isso, não faltou tempo para uma boa dúzia de anedotas picantes e eróticas, de críticas à situação económica e política do país, à educação, à saúde, à justiça, com palavrões e tudo, sem receio de no dia seguinte vermos os nossos nomes e as nossas conversas escarrapachados nas colunas dos jornais. Sem receio se sermos, escutados e anatematizados pelos puritanos que por aí existem e se fingem de santinhos, mas que, em conversa privada, são tão ou mais palavrosos que toda a gente. 

  Chegámos.

Ali, na vila de Sangalhos, a meio caminho entre Aveiro e Coimbra, penetrámos no imponente solar. É um solar que me escuso, por agora, a identificar. Tenha calma, leitor amigo, pois logo saberá o porquê deste retardamento. 

Caves-BorlidoEm torno do solar estava estacionado um número significativo de viaturas de alta gama. Os meus amigos persistiam em não me informar do objectivo da viagem, mas, face ao que eu via, tudo indicava que chegámos ao destino e ao encontro com gente de gosto, de dinheiro e de requinte. Não era o meu caso. Gosto sim, mas nem requinte, nem dinheiro. 

Entrámos.

Feita a recepção que só um bom anfitrião sabe fazer, descemos umas escadinhas e, eis senão quando, demos por nós numa ampla cave, à média luz, mas suficientemente iluminada para os olhos dos mais exigentes se regalarem de espanto e surpresa: de pé, deitadas na horizontal ou meio inclinadas, cabeça baixa, em situação provocadora,  brancas, louras e negras, prisioneiras, silenciosas, redondinhas ali estavam elas à espera de tempo e de gente de gosto para serem levadas. 

Espraiando os olhos por todas elas, apetecia ser zangão, arrancá-las dos favos, e boca com boca, saborear-lhes a alma, esvaziá-las, cair para o lado espumando de satisfação e contentamento, indiferente às normas sociais ditadas pelas regras da moral, da etiqueta e do bom comportamento. Baco morava ali. E onde mora Baco...

Tudo estava calado. Face a tantas e tão atraentes residentes, os visitantes ficaram como que sob os feitos de uma hipnose colectiva. Todos os rituais têm os seus preliminares. Por agora contentávamo-nos a vê-las, em silêncio. Era como se, em desfile de passerelle, elas quisessem despertar-nos, acicatar-nos os sentidos, para só depois de deixarem saborear por inteirinho, em absoluto, noutro sítio. 

E isso sucedeu, de facto. Subimos ao primeiro piso. Aí sim, com todos os argumentos para pessoas de bom gosto as usufruírem de imediato, ou as levarem para o domicílio a fim de, em recato, melhor as apreciarem, ali estavam elas, brancas, louras e morenas, desta(m)padas, espírito aberto, todas prontas a entregarem-se a todos, prontas a darem a conhecer o seu corpo, macio, seco e escorregadio, o seu volume, o seu odor, aromas vivos, ácidos, adocicados,  todas os elementos que possuíam, todos os caracteres que distinguem  os vinhos produzidos pelas CAVES BORLIDO: vinhos, espumantes, aguardentes e licores. 

Pois é, caro leitor! Onde pensava você que nós estávamos?”

Abílio Pereira de Carvalho 

Nota: texto publicado na «Gazeta da Beira»,  «Notícias de Castro Daire»,  «Lamego Hoje», no ano de 2003 e no meu velho site «trilhos-serranos»

 
Ler 84 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.