Trilhos Serranos

Está em... Início Crónicas AUTÁRQUICAS DE 2017
segunda, 25 setembro 2017 15:07

AUTÁRQUICAS DE 2017

Escrito por 

HISTÓRIA VIVIA

NOMES, ROSTOS, PROMESSAS E ACÇÕES

1 - Só pessoas muito descuidadas, desatentas ou desinteressadas pela COISA PÚBLICA podem ignorar o meu ideário político e a minha participação na COMISSÃO POLÍTICA CONCELHIA DO PARTIDO SOCIALISTA, (em tempos idos), partido de cujo APARELHO me desvinculei por vontade própria, no momento em que descobri, como fiz eco na imprensa local na altura, que alguns elementos dessa COMISSÃO estavam nela para defender os seus próprios interesses e não os interesses concelhios. É só ir ler o que então escrevi sobre isso.

PS-2017

2 - Apesar de estar fora do APARELHO nunca reneguei o meu ideário político e foi com grande satisfação que vi o PARTIDO SOCIALISTA ganhar as eleições que puseram fim ao REINADO PSD e puseram nas mãos de Fernando Carneiro (que até se julga socialista) os destinos do concelho de Castro Daire. Também aqui,  é só ir ler os jornais, nos quais valorizei essa vitória e aquilo que escrevi, no meu site, sobre aqueles espaços ditos «campos de ténis» que a, então, Presidente da Câmara, Eulália Teixeira, minha conterrânea, fez por tudo quanto era sítio, inclusive junto da Ermida do Fojo (para coelhos e lobos) em tempo de campanha eleitoral. Sempre fui critico aos maus gastos dos dinheiros públicos e assim continuarei. E por certo se lembram do que escrevi e fiz video sobre os gastos públicos feitos com os monóculos de longo alcance, espetados em vários sítios da Serra, como estacas de feijoeiro, sob o pretenso DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO do concelho. É só ir ao Youtube e ver «CASTRO DAIRE - DÍÁLOGO ENTRE LENTES»:

https://youtu.be/D938YdADU2w

3 - Em todos estes anos, através de textos, fotografias e vídeos, tentei mostrar aos nossos EDIS (no poder e na PSD-PP-2017oposição) que, estando eu aposentado e fora do aparelho partidário, não tinha dado aposentação à minha CIDADANIA e, exercendo-a, mostrei quanto avesso sou ao CLIENTELISMO, ao COMPADRIO, ao AMIGUISMO e a todos os demais "ISMOS" que, no recente programa ESTRADA REAL, da TVi, reportando-se a Castro Daire, vi tais elementos, ligados ao atual Presidente da Cãmara, «serem farinha do mesmo saco», num concelho a caminho da desertificação e, no dizer simples e espontâneo de senhora entrevistada, que, por cá, «só arranja emprego quem tiver cunhas». Passados 17 anos do século XXI, é o pior que se pode esperar e dizer de uma terra, cujas relações sociais e profissionais têm por medida essa bitola. Uma questão de cultura «meritocrática» de antigamente.

4 - Por falar na desertificação, neste verão dei uns passeios pela serra. A intenção era desfrutar as suas belezas naturais. Acontece que nem tudo o que vi me encantou e agradou. Vi uma rede viária entre povoações que jamais esperava ter visto nesses meus passeios, nos tempos que correm. Fiz vídeos chamando heróis aos seus habitantes - esses conquistadores, povoadores e lavradores - desde Faifa a Cabril, desde Mós, Eiris à Estrada do Vale do Paiva. Desde Laboncinho e por aí abaixo sempre a descer por caminhos que já não esperava ver. Desde a Sobreda, Tulhas. Grijó e Mosteiro, terras de Cabril, gente «resiliente» a quem se deve estar de pé este pedaço de Portugal serrano. E perguntei-me se os dinheiros gastos nas FESTAS (tantas e quantas?) que se tornaram imagem de marca do atual EXECUTIVO MUNICIPAL não seria mais bem empregado nessas estradas, facilitando a vida aos moradores dessas povoações, desses heróis que ali labutam contra a mortal desertificação.

TRANSITO RED5 - Nesta CAMPANHA AUTÁRQUICA (como nas anteriores) tive o cuidado de ler os PROGRAMAS ELEITORAIS dos principais concorrentes à tomada do PODER LOCAL. E claro, deixando de parte CULTURA (para quê, falar dela, com tantos poetas, escritores e fazedores de livros, de que  o concelho se tornou rico em tão pouco tempo?) fixei-me nas questões do AMBIENTE, da MOBILIDADE e do COMÉRCIO. Isso levou-me a ver o que preconizam os programas eleitorais sobre os acessos à vila e a organização do trânsito dentro do burgo, por forma a revitalizar o COMÉRCIO e não a MATÁ-LO, como resultou do projeto de requalificação que nela fizeram. E disso falam as minhas crónicas, fotografias e vídeos alojados no YOUTUBE e neste meu site. Seria fastidioso repetir aqui essa «lenga-lenga»,  pois não gosto de «fazer chover no molhado», nem sou propenso a desenvolver conversas de «surdos mudos». Contudooportuna é a publicação das fotografias e do vídeo que a qui deixo a ilustrarem aquilo que digo. . https://youtu.be/TNqgGHVq6tY. Leia e veja quem quiser! E o que prometem eles a tal respeito?

a) O PARTIDO SOCIALISTA, em anteriores eleições, garantiu que iria "desagrafar" as Bolo Podre-2 - Cópiaruas e, desse modo, evitar o entupimento constante do trânsito no cento da vila. O que fez? NADA. O que promete agora? No título MOBILIDADE dedica muito timidamente uma linha ao assunto e diz: «continuar a requalificar as bermas e valetas das Ruas Municipais». Ignoro se algum dos candidatos leu e viu o vídeo no qual mostro que desde o café «QUATRO ESQUINAS» até à FARMÁCIA da MISERICÓRDIA, em dias de chuva, todo o peão que faça esse trajeto vai a chapinhar em água, porque passeios e valetas são UMA E MESMA coisa. Os EDIS não passam por ali e se passam levam botas de pescador.

b) Os candidatos do PSD/PP prometem «reorganizar a Praça de Táxis para criar uma paragem de autocarros».

Pois bem, chega de PROMESSAS. E a minha escolha de voto, face a tudo o que tenho defendido e para ser consequente com o que digo, está feita. E para não haver dúvidas: há anos que, ESGOTO-REDeu. sem andar á caça de votos, nem de medalhas para pendurar ao peito, em prol da dinamização do COMÉRCIO E DO TURISMO defendo a abertura da rua principal ao trânsito turístico. E enquanto isso não for feito, ganhe quem ganhar, não me calarei. É só ver as fotos tiradas na oposrtunidade, graças a condutores que tiveram de transgredir e violar os sinais de trânsito para facilitarem aos viajantes o conhecimento do interior da vila de Castro Daire e levarem, como vi, sacos cheios de produtos locais, incluindo o BOLO PODRE

 AMBIENTE? TURISMO? Veja o vídeo donde foi tirada este fotograma:

https://youtu.be/7Y89i9OitU0 

NOTA FINAL:: Este é o modesto contributo que eu, cidadão castrense, posso dar ao esclarecimento para estas ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS DE 2017. Sem FOTO DE CARTAZ, sorridente, que leva toda a pessoa inteligente a perguntar-se: estão-se a rir PARA mim? ou estão-se a rir DE mim? É a resposta a esta pergunta que decide o VOTO. Da parte que me toca não gosto que se riam DE mim! 

Ler 428 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.