Trilhos Serranos

Está em... Início Costumes e Tradições

 Haverá, seguramente, outras versões, mas esta é aquele de que me lembro desde menino, contada em Cujó, freguesia de Castro Daire. Nesta lengalenga, para lá de um bom exercício de memória que era fixar e unir sequencialmente os elementos que lhe dão corpo, desde o início com a FORMIGA, esse ser minúsculo e laborioso, até chegar a DEUS, todo poderoso, criando o homem (donde ressalta claramente um objectivo catequético cristão) destaco dois termos do léxico local, de uso frequente: a palavra "lume" em vez de "fogo" e a palavra "aqueibar" o vento, referido à parede, no sentido de ela o "reter", termo usado com o mesmo sentido nas expressões: "aqueibar o gado", "aqueibar as vacas", que o mesmo era dizer "retê-las", "pará-las", "sustê-las", não as deixar "ir adiante", não as deixar "prosseguir".

«Regozija-te pois, ó mancebo, na tua mocidade, e viva em alegria a teu coração na flor dos teus anos, e anda conforme as caminhos do teu coração e segundo os desejos em que põem a mira as teus olhos; mas sabe que Deus te fará ir a Juízo para dar conta de todas estas coisas». (Eclesiastes, XI, 9.) 

TRADIÇÕES POPULARES (2)

 

Em 1988, publiquei no jornal «Lamego Hoje» o texto que se segue, ilustrado com a foto do senhor José da Fonseca Costa que se prontificou a colaborar e a mostrar de dia, o que, tradicionalmente, se fazia de noite. Assim, tal qual:

«Os habitantes de S.Joaninho, freguesia do concelho de Castro Daire, sabem bem que, na noite de quarta-feira da semana das comadres, não podem, repousar cedo, como de costume. A tradição manda que, nessa noite, os mancebos, que têm de ir à inspecção militar, não se esqueçam de proceder à «partilha do burro»..A coberto da asa negra da noite (a tradição remonta a épocas em que se sonhava com a iluminação pública) descobre-se um burro em qualquer cortelho e conduz-se ao centro da povoação, lugar onde se encontra o «calhau do burro». Aí, uma grande chapa de zinco, conseguida a propósito, ligada por arames a outras latas menores, presas por sua vez à arreata do animal, vão ser os principais instrumentos da festa, barulho e  desassossego.

TRADIÇÕES POPULARES (1)

Quando, na década de 80 do século passado me dediquei à pesquisa e levantamento de algumas tradições populares do concelho, de Castro Daire, fi-lo envolvendo as pessoas das povoações. Umas resolveram colaborar, outras nem tanto e ainda outras, não ligaram nenhuma. Para quê «publicar «essas coisas?».

Não pensou assim o senhor Celso Almeida Rocha, de Vila Boa (Mões) que me fez chegar texto manuscrito que transcrevo a seguir e ilustro com as primeiras e últimas linhas dele. Assim, tal qual: