Trilhos Serranos

Está em... Início Costumes e Tradições LENGALENGA DA FORMIGA E DA NEVE
quinta, 15 maio 2014 18:59

LENGALENGA DA FORMIGA E DA NEVE

Escrito por 

 Haverá, seguramente, outras versões, mas esta é aquele de que me lembro desde menino, contada em Cujó, freguesia de Castro Daire. Nesta lengalenga, para lá de um bom exercício de memória que era fixar e unir sequencialmente os elementos que lhe dão corpo, desde o início com a FORMIGA, esse ser minúsculo e laborioso, até chegar a DEUS, todo poderoso, criando o homem (donde ressalta claramente um objectivo catequético cristão) destaco dois termos do léxico local, de uso frequente: a palavra "lume" em vez de "fogo" e a palavra "aqueibar" o vento, referido à parede, no sentido de ela o "reter", termo usado com o mesmo sentido nas expressões: "aqueibar o gado", "aqueibar as vacas", que o mesmo era dizer "retê-las", "pará-las", "sustê-las", não as deixar "ir adiante", não as deixar "prosseguir".

neve e formiga

-Ó neve, tu és tão forte que meu pé prendes?!
-Mais forte é o sol que me derrete!
-Ó sol, tu és tão forte que derretes a neve e a neve meu pé prende?!
-Mais fortes são as nuvens que me tapam.
- Ó nuvens, vós sois tão fortes que tapais o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
- Mais forte é o vento que nos tocam.

Ó vento, tu és tão forte, que tocas as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?

-Mais forte é a parede que me aqueiba!
-Ó parede, tu és tão forte que aqueibas o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é o rato que me fura!
-Ó rato, tu és tão forte que furas a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é o gato que me come!
-Ó gato, tu és tão forte que comes o rato, o rato fura a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
 -Mais forte é o cão que me persegue!
-Ó cão, tu és tão forte que persegues o gato, o gato come o rato, o rato fura a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é o pau que me bate!
-Ó pau, tu és tão forte que bates no cão, o cão persegue no gato, o gato come o rato, o rato fura a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é o lume que me queima!
-Ó lume, tu és tão forte que queimas o pau , o pau bate no cão, o cão persegue o gato, o gato come o rato, o rato fura a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é a água que me apaga!
-Ó água, tu és tão forte que apagas o lume, o lume queima o pau, o pau bate no cão, o cão persegue o gato, o gato come o rato, o rato  fura a parede a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é o boi que me bebe!
-Ó boi, tu és tão forte que bebes a água, a água apaga o lume, o lume queima o pau, o pau bate no cão, o cão persegue o gato, o gato come o rato, o rato fura a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é o homem que me come!
-Ó Homem, tu és tão forte que comes o boi, o boi bebe a água, a água apaga o lume, o lume queima o pau, o pau bate no cão, o cão persegue o gato, o gato come o rato, o rato fura a parede, a parede aqueiba o vento, o vento toca as nuvens, as nuvens encobrem o sol, o sol derrete a neve e a neve meu pé prende?
-Mais forte é DEUS, que me criou.

 

 

Ler 734 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.