Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia AI AMIGO (2)
terça, 29 março 2016 13:37

AI AMIGO (2)

Escrito por 

Ai amigo,

Tenho andado perdido

Na poesia medieval

Nas cantigas de amigo

De escárnio e maldizer.

Porquê, amigo!
Não quero crer
Que seja a religião,
Que seja o tempo pascal
Da cruz e ressurreição
Que me levaram à medieval
Poesia de então.

Hesito
Mas concluo e digo
Amigo, 
Que foi mesmo a religião.
Foi o fundamentalismo
Satânico
Do terrorismo
Islâmico
Feito em nome de Alá.

E por cá,
Pelo cristianismo,
Foi a reposição 
Da via sacra ao vivo,
Em algumas partes
Do País,
Amigo,
Com as artes
Diferentes de D. Dinis
Pois, em vez de poesia
Como soía,
Apareceram cruzes, lanças, sangue e morte
De tal sorte
Que, cada qual nas suas crenças,
Me interpelo:. onde estão as diferenças?

Aqueles, por lá
Em nome de Alá
No seu fundamentalismo
Matam realmente.
Eles são a encarnação
Do mal e do terror.

Por cá,
No cristianismo,
Com a crucificação

Pascal

Ao vivo

Matam simbolicamente

E dizem ser por amor.

Para uns e outros uma festa,

Amigo,

É tudo o que no mundo resta

Em nome da fé.

Ai deus e u é!


Abílio/março2016


Ler 233 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.