Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia FINGIMENTO
segunda, 11 maio 2015 09:09

FINGIMENTO

Escrito por 
REPESCADO DO VELHO SIRE
 
 

FINGIMEMTO

Amar sem ser correspondido

E estar-se disso consciente...

Não. Não é ser-se inteligente

É estar-se no mundo perdido.

É ter-se perdido a razão

É abrir os olhos e não ver

É teimar e pedir em vão

O que jamais se pode ter.

É ir na direcção errada

É não ver o que está visto

É ter tola esperança em nada

É estar louco e dar-se por isso.

É ser-se ladrão no luar

Ladrão da noite, encapuzado.

É sempre querer arrombar

Um cofre muito bem bem fechado.

É amar e sofrer sem dizê-lo

Não magoar e ficar magoado.

É querer o tesouro amado

E fingir que se tem, sem tê-lo.

Abílio/1998

Ler 248 vezes
Mais nesta categoria: « RODILHA JOANINHA »
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.