Trilhos Serranos

Está em... Início História CASTRO DAIRE - RESTAURO DA MÁQUINA A VAPOR EXPOSTA NO JARDIM PÚBLICO.
quinta, 31 maio 2018 12:11

CASTRO DAIRE - RESTAURO DA MÁQUINA A VAPOR EXPOSTA NO JARDIM PÚBLICO.

Escrito por 
PATRIMÓNIO HISTÓRICO

A História aponta exata e pertinentemente o que está oculto na série, aparentemente caótica, dos acontecimentos quotidianos. A história local narra factos circunscritos, mas seleciona-os e valoriza-os, na medida em que estes factos se projetam no campo nacional, consideravelmente mais vasto».(Separata do «Boletim Informativo» nº 8 «História»,  Fundação C. Gulbenkian, 1962, pp 295)

1-Máquina vapor-livro - CópiaNa sequência da minha crónica anterior relativa ao trabalho académico que levei a efeito no Alentejo sobre a “ARQUEOLOGIA INDUSTRIAL”, como professor que era na Escola Preparatória de Castro Verde, vem a talhe de foice lembrar que, com o bichinho da investigação metido no corpo, procedi a tarefa semelhante, em Castro Daire, como professor que também era da Escola Preparatória desta vila.

Aproveitando a oportunidade do Ministério da Educação conceder a LICENÇA SABÁTICA aos professores que reunissem as condições estabelecidas para o efeito (e não eram todos) apresentei e fundamentei um projeto de “INVESTIGAÇÃO APLICADA”, na base do qual essa licença me foi concedida.

Dispensado de aulas (com vencimento mensal assegurado) levei o projeto a cabo, durante um ano, e o produto final da investigação (que podia ser um simples relatório) foi apresentado no livro “CASTRO DAIRE, Indústria Técnica e Cultura”,  editado em 1995, pela Câmara Municipal, há muito esgotado.

As palavras que se seguem são excertos da NOTA PRÉVIA escrita pelo então, Presidente da Câmara, JOÃO AUGUSTO MATIAS PEREIRA (precocemente falecido) que serve de frontaria a essa minha obra. Assim:

«(...) O concelho de Castro Daire é uma fonte que jorra abundantemente para o amante da nobre tarefa de investigar (...) Tem sido esta a atitude desse insigne investigador da História Local, o Dr. Abílio Pereira de Carvalho (...) Ao autor e a todas as pessoas que, de algum modo, contribuíram para a realização deste trabalho manifestam o concelho e a Câmara Municipal a sua gratidão».  

4-2014-degradação - CópiaE na cerimónia de lançamento do mesmo livro que veio a fazer-se nos Paços do Concelho, promovida pelo Executivo Municipal (eu jamais promovi pessoalmente cerimónias dessas) ele disse a viva voz, empolgado e agradecido:

“Para além de inúmeros artigos em diversos órgãos da imprensa regional, o Dr. Abílio já deu à estampa diversas obras (...) Nos últimos tempos, o autor, aproveitando a licença sabática, lançou-se a um grande empreendimento que é um autêntico inventário da indústria e da técnica que deu à nossa cultura uma identidade própria. Caracterizado por um visualismo muito próprio do investigador, o Dr. Abílio viveu, nos últimos tempos, um nomadismo característico de quem, não se poupando a esforços, percorre montes e vales para elaborar um trabalho de índole científica e proporcionar (...) uma tradução fiel do mundo que nos rodeia. Foi desta procura incessante dos factos (...) que resultou o conhecimento do saber e do saber-fazer retratado em «Castro Daire, Indústria, Técnica e Cultura».(...) Aos senhores professores peço que utilizem este rico inventário do património espalhado pelo concelho para que as nossas crianças e jovens conheçam este elo de ligação entre o presente e o passado”.2-Máquina Crianças-2010 - Cópia


Tudo verdade. E excelente apelo este do, então, Presidente da Câmara, aos “senhores professores”. Só que estes, em vez interiorizarem esse pedido, ensinando os seus alunos a distinguir uma “peça arqueológica de museu” de um “sobe-e-desce” colocado num qualquer Parque Infantil, todas as vezes que se reuniam naquele espaço público, não só deixavam que as crianças “jogassem às escondidas” por cima dessa peça de museu (enquanto eles se entretinham a falar uns com os outros), mas também, eles próprios, fizeram nessa peça «EXPOSITOR» de «ESPANTALHOS», durante uma atividade que diziam ser PEDAGÓGICA. Aconteceu nos anos 2010 e 2012. As fotos aqui estão a documentá-lo e poupam-me palavras. Comentei isso em vídeo e foi o “aqui d’el-Rei” lançado contra mim. Errado estava eu e não eles. Só não fui ENFORCADO porque 3-Palhaço-1-2012 - Cópia - Cópia - Cópiame recusei a meter a cabeça no laço e a ficar esticado na corda com a língua de fora. Não. Não me calei, pois o facto de me ter APOSENTADO não me retirou a alforria de PEDAGOGO. E, de quando em vez, revisito os autores que me iniciaram nos trilhos da investigação e da profissão docente, ciente, claro está, de que não li todos os livros. Mas li os suficientes para fazer uso da PEDAGOGIA DO ERRO que só surte efeitos se os ERROS foram assinalados, onde, como, quando e porquê. Mas exercer a PEDAGOGIA DO ERRO é bem diferente exercer a APOLOGIA DO ERRO.

O resultado destes contínuos “tratos de polé”, associado às marteladas do tempo e ao desmazelo dos sucessivos EXECUTIVOS MUNICIPAIS, foi a sua degradação permanente, incluindo o desaparecimento de peças e acessórios essenciais, tornando a relíquia histórica que ali foi colocada em HOMENAGEM AOS EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA CONCELHIA, quase uma peça de sucata. Mais VERGONHA do que HONRA para todos nós.

E convém lembrar que, ao ser ali colocada, está MÁQUINA A VAPOR, foi digna de notícia na imprensa nacional e regional. Assim:

“Vasco Callixto, de passagem por Castro Daire,  no «Correio da Manhã» de 8.11.94, citado na «Gazeta de Beira» de 07.12.94, refere-se ao facto da seguinte forma: «a colocação no centro do jardim de uma máquina monumental, como símbolo da indústria da região, constitui uma   feliz   iniciativa». 

5-Antes do Conserto-2018 - Cópia - CópiaE  o  «Jornal  de  Notícias»  que   tem dedicado algumas crónicas ao concelho de Castro Daire,  foi nesta máquina a vapor que encontrou o motivo para ilustrar um artigo sobre o Plano Diretor Municipal. Ao que se somou a recente coleção de postais ilustrados editada pela Papelaria "ETC", a par de outros monumentos concelhios, inclui a máquina «R. Wolf». (cf.  "CASTRO DAIRE, Indústria Técnica e Cultura", ed. 1995)

Passaram anos. E votada, assim, ao desinteresse e maus tratos, chegou ao estado tal, que, por si própria, ela espelhava, sem palavras, o conceito que os RESPONSÁVEIS POLÍTICOS LOCAIS e certos EDUCADORES tinham do nosso património cultural, natural, edificado e arqueológico. Tal qual com o MOINHO DE AZEITONA (oriundo do Lagar da Soalheira) que permaneceu, anos sem conta, abandonado e sem dignidade, como peça atirado ao lixo, num canto junto ao Tribunal Judicial de Castro Daire. Farei disso crónica à parte, (ILUSTRADA), pois, também ele, está em vias de receber, agora, a dignidade e o tratamento que merece. E, tanto num caso como noutro, não foi por falta de chamadas de atenção da minha parte, mostrando, para exemplo, o comportamento que tiveram dos EXECUTIVOS CervejaMUNICIPAIS DE MIRANDELA perante exemplares semelhantes, colocados em praças e jardins públicos. Fi-lo por escrito, em vídeo e no Facebook. Em 2016, por exemplo, postei no meu mural, o seguinte texto e foto, com o título irónico refletido na grafia:

«VIVA A "COLTURA"

Nunca é demais insistir nestas coisas da «coltura», da «estória», dos «usos e costumes». Um bar que tenha por encosto uma MÁQUINA A VAPOR sempre se presta a meter mais vapores. VIVA A «COLTURA». É bem necessário MOSTRAR isto, porque isto é CASTRO DAIRE.

Felizmente estas duas PEÇAS DE MUSEU, cuja história (origem e funções) ficou lavrada, em 1995, no livro acima referido, receberam o olhar que mereciam por parte do atual EXECUTIVO MUNICIPAL. Mas, apesar da decisão ser, presumidamente, tomada por todo o EXECUTIVO, convém dizer, com todas as letras, ser minha convicção que tal se deveu ao facto de ter entrado para o Máquina-direito - CópiaGABINETE DE APOIO AO PRESIDENTE, o cidadão Luís Alberto da Costa Pinto, mais conhecido por Luís Aveleira, ao fim e ao cabo, a mesma pessoa a quem o Presidente da Câmara da altura, Dr. César da Costa Santos, incumbiu, pela sua competência, de orientar o primeiro “restauro”, tal como amplamente foi noticiado no livro e em crónica com a minha assinatura, publicada no “Notícias de Castro Daire”. Só quem não estuda e não se informa é que pode chamar àquela peça “máquina de comboio”.

Não sou de receber ou dar louvores fáceis, mas também não me inibo de fazê-lo, quando estou convicto daquilo que afirmo. De resto, faço-o consequente com o meu comportamento de sempre, sem olhar a cores  étnicas, políticas e religiosas. As provas disso são públicas e seria redundante dar aqui exemplos. Toda a gente sabe que travo, permanentemente, um combate contra a MEDIOCRIDADE e defesa intransigente a favor da MERITOCRACIA. No caso presente, penso que tudo o que está a acontecer em torno destas duas PEÇAS DE MUSEU, resulta, enfim, de no «lugar certo, estar a pessoa certa».

Ler 119 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.