Trilhos Serranos

Está em... Início Artes A CENSURA
domingo, 16 junho 2013 08:33

A CENSURA

Escrito por 
Em 1987, corria o mês de Setembro, publiquei no  "Lamego Hoje" (então um jornal mensário) o texto que se segue e que, face ao que se vai vendo por aí no tocante à liberdade do uso de palavra escrita, falada e desenhada (leia-se BD) me parece não ter perdido oportunidade. É que, em todos os tempos e lugares houve sempre quem, por convicção, por conveniência individual, divertimento de grupo (digamos de bando) ou da dita defesa dos valores instituídos (morais, políticos, artísticos e outros) fosse lesto a "cortar" o que de novo ou diferente, surgisse, ou surja. Mas, como o meu texto mostra, ninguém sabe o nome do CENSOR e todo o estudioso sabe o nome do CENSURADO. Assim:
 
«CENSURA
 
«Frei Viterbo, um dia, mostrando sanha contra a ignorância que via, traduziu um livro de Espanha e, para publicação da obra traduzida em obra elástica, desabrida, pediu autorização à censura eclesiástica. Todavia, de apurada e treinada memória, o leal defensor dos valores pátrios em uso, indiferente ao curso da história, vendo questionadas, abaladas as doutrinas da " Coroa e do Altar" e também pelos erros ortográficos que a obra continha, sem hesitar disse NÃO, retirando ao pensador a glória de arejar o pensamento luso de então. Hoje, em Portugal, todo o português ELUCIDADO, todo o historiador da Língua e do passado, em geral, conhece Santa Rosa pela obra que fez. Mas, se calhar, do leal censor que, à mingua de ideias, contra o relaxo da grafia e tudo  o mais que o livro dizia , sem mais nem meias se impôs, apenas se conhece a prosa que fazia e o classificava: "risco negro que traçava, sem luzimento, pelo meio da folha abaixo, transformando a sua pena, tão pequena, no machado, tão pesado do algoz, degolador feroz do pensamento».
 
Abílio Pereira de Carvalho, «Lamego Hoje» nº 9/mês de Setembro/1987, p. 11
Ler 363 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.