Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia RUGAS
sábado, 25 agosto 2018 13:06

RUGAS

Escrito por 

PERGAMINHO

 

Em leque irradiam 

Dos cantos

Dos teus olhos.

São a marca dos tempos. Escolhos

E alegrias da vida

Já que, no trajeto humano,

De ano em ano, 

De hora em hora

De dor se chora

Mas também de alegria.


Elas irradiam e são tantas

Que parecem delta de rio

Num oceano desaguando.

E tu, em quem confio,

Com elas me encantas

E o meu encanto cobras

Enquanto as folheio

Suavemente como dobras

De  pergaminho

Que receio

Danificar beijando.


As tuas rugas

De pele e rosto

Glorifico neste poema.


Não perdi o tino.

À velhice faço um hino

E canto os encantos

Da idade,

E o que ela tem de belo.


Não sou Bruegel, “o velho”

No pincel

E na paleta.

Mas o meu olhar

A minha sensibilidade

Levam-me a pintar

Com a caneta,

Com o teclado de computador,

O que por fealdade

Se toma, sendo porém

A realidade

Da vida.  E como tal, 

Digna de registo, com amor

De artista, poeta, seja quem for.


Um hino à vida.

Um hino à humanidade

A cores cantado

Ou a letras pintado

Por inteiro ou por metade

É o que vejo e beijo

Agora mesmo,

Com sabor a mosto

Nas rugas do teu rosto, 

Aqui, no meu espelho.

Nesta minha lida

De lenhador

Que sou

Na floresta  das letras e do amor.


Abílio/2018



Ler 74 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.