Trilhos Serranos

Está em... Início Poesia PRISIONEIRA
domingo, 01 julho 2018 08:47

PRISIONEIRA

Escrito por 

 

 

BEIJO DE FOGO

 

Sem cor

Nenhuma, ou com ela,

Uma flor 

É sempre bela

Viçosa ou murcha de sede

Num jardim ou numa saibreira.

 E não deixa de ser bela

Ao poeta com dois olhos

Mesmo que uma rede

A torne cativa, prisioneira,

De carinhos e de escolhos.

Mas, esteja murcha ou de vida

Cheia, uma flor é uma flor

Na serra e em todo o lado, 

Onde se se sinta querida.

E seja qual for o estado

Se como flor se assume

E sua natureza não receia

Aceitando o que é com denodo

Ela p’ra um poeta nunca é feia

Pois se, por ventura, perder a cor

Sempre manterá o perfume

E o calor d’um BEIJO DE FOGO.

AF7F5631-43FE-47FE-B84C-5A08E4711119

Abilio/Junho/2018



Ler 16 vezes
Abílio Pereira de Carvalho

Abílio Pereira de Carvalho nasceu a 10 de Junho de 1939 na freguesia de S. Joaninho (povoação de Cujó que se tornou freguesia independente em 1949), concelho de Castro Daire, distrito de Viseu. Aos 20 anos de idade embarcou para Moçambique, donde regressou em 1976. Ler mais.